Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arautos do Estendal

Ela, do alto das suas esbeltas e intrigantes pernas, veio caminhando quintal abaixo até ao estendal, dependurando a toalha onde, minutos antes, tinha limpo as últimas gotas de água. O Arauto viu, porque o Arauto estava lá. E tocou a trombeta.

Ela, do alto das suas esbeltas e intrigantes pernas, veio caminhando quintal abaixo até ao estendal, dependurando a toalha onde, minutos antes, tinha limpo as últimas gotas de água. O Arauto viu, porque o Arauto estava lá. E tocou a trombeta.

Arautos do Estendal

31
Mai04

Resolução de problemas em Tróia

riverfl0w
Dei a ler a uma colega o post sobre o problema técnico da conquista de Tróia. Pensava eu, na minha infinita ingenuidade, que a moça se iria debruçar seriamente sobre o assunto e também colocar em causa o processo de invasão da cidade a bordo de uma cavalgadura de tábuas. Mas não. Há mulheres que não perdem uma oportunidade para nos deitar abaixo o mais pequeno sonho de glória, de ficar imortalizado na história mundial como a pessoa que tinha encontrado um bug na aventura dos gregos. O primeiro comentário dela foi: “mas isso tinha solução”! Carvalho Araújo!!! Solução? E lá começou a enumerar maneiras de dar a volta à questão. A primeira, muito grosseira mas teoricamente eficaz, seria apanhar uma borracheira de água antes de subir para cavalo. Porquê? Porque se bebessem metros e metros de água, assim mesmo a abusar, a urina sairia sem cheiro, deixando de haver assim o problema de serem detectados por narinas sensíveis. Outra maneira, seria não beber mesmo água. Isto é, passar sede. Ou seja, não bebe, não urina, problema resolvido. Esta solução é radical, mas era capaz de funcionar. Por último, havia sempre a possibilidade de umas dietas especiais para que não urinassem tanto, ou para que a urina não cheirasse tão mal, ou não sei para que raio eram as dietas, mas a solução era mesmo as dietas. Que dietas? Não sei. Eu não percebo nada de dietas. Gosto é de apreciar as miúdas que fazem dietas. Ficam melhores que caracóis. Bom, mas é chato assim vir uma miúda e estragar-me tudo. Fiquei desolado. Como se não bastasse, por via do espevitamento do intelecto a que fui sujeito com tantas e tão sofisticadas soluções, lembrei-me ainda de uma possível quarta solução: oitenta centímetros de fio de pesca enrolados numa falcaça simples em redor do poderoso. Não haveria pinguinhas para ninguém. Talvez uma gangrena no fim e zás, mas homem que é homem faz tudo por uma causa. pickwick
20
Mai04

A Conquista de Tróia – um problema urinário

riverfl0w
Esta semana fui ao cinema. Adoro cinema. Especialmente quando passam filmes. E fui bem acompanhado, ainda por cima, que é coisa cada vez mais rara, tal como a minha farta cabeleira. Fui ver aquele filme sobre Tróia, que não me lembro já como se chamava, mas que metia dois actores conhecidos: o Pito aos Brados e o Pedro Ó Ferramenta. Ilustríssimos. Também gostei da loira que merecia ser atirada aos leões e que se apaixonava pelo mariquinhas da cidade. Mas algumas partes intrigaram-me. Como o cavalo de madeira podre. Que grande treta! O famoso equídeo, que é tão usado para descrever a jogada que a história conta, só pode ser uma fraude. Só pode. Senão, vejamos: os moços esconderam-se dentro do bicho provavelmente durante a noite. No dia seguinte, o mamarracho de tábuas foi encontrado pelos habitantes da cidade e levado portas dentro para gáudio do povo e delírio dos taberneiros que devem ter feito uns trocos muito jeitosos, a avaliar pelos corpos esticados no chão por todo o lado. Durante a noite, no mínimo 24 horas depois de se terem entalado lá dentro, é que os moços saltaram fora e foram a correr abrir a portinhola das muralhas. Mas, ó meus amigos!, 24 horas sem urinar? Como é possível? Mesmo com potes de barro onde verter as águas, eles eram tantos que o pivete em menos de nada invadiria as narinas dos que passassem perto. E seriam descobertos. Isto já para não falar nos que sentissem uma necessidade incontrolável de defecar, dado que a comida naqueles contextos devia ser uma bela porcaria. E os gases? Ui!... Esta história do cavalo está muito mal contada, para ser franco. Aposto como foi tudo inventado, só para vender mais. pickwick