Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A cor do primeiro encontr...

Na senda dos malfeitores

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Terça-feira, 19 de Junho de 2012
A cor do primeiro encontro

Ao fim de longos meses de espera, de anseio, de lábios mordidos, de talvezes, de qualquer-dias, a Liliana viu-se a braços com o facto de ter três dias para escolher a roupa para o seu primeiro encontro com o Mateus. Naturalmente, recorreu ao meu aconselhamento técnico, dadas as minhas excepcionais capacidades para debitar baboseiras sobre vestuário feminino.

 

A primeira coisa que me veio ao pensamento, foi o meu primeiro encontro com uma mocinha, lá para o ano de 1985. Era uma rapariga engraçadinha, que me enchia as medidas, com uns lábios imprevisivelmente carnudos naquelas feições orientais. Uma mulher, é sempre uma mulher, seja chinesa, como ela, ou nem por isso, com as mesmas expectativas, preocupações e anseios. Acontece que a rapariga deve ter procurado aconselhamento técnico para aquele primeiro encontro. E tal foi a intensidade do aconselhamento, que eu quase não a reconhecida, tal era a transformação. O longo cabelo negro, que eu tanto desejava afagar e sentir, estava todinho apanhado no cimo da nuca, num enrodilhado artístico que mais parecia um cocó de São Bernardo. Desilusão completa! Semanas a fio, a imaginar-me pendurado nos fios do cabelo dela, qual Tarzan romântico, deitadas pela sanita abaixo com aquela amarração escusada. O corpinho, que eu venerava, e que conhecia ora debaixo de um uniforme escolar branco e imaculado, ora debaixo de um vestuário sóbrio, estava escondido debaixo de um exercício de alfaiate muito mal conseguido. Um vestido armado ao chiquérrimo, a atirar para o balão, que tira a qualquer homem a vontade de abraçar a cintura feminina. Uma desgraça. Para completar, uma mistura impressionante de bodegas a cobrir-lhe o rosto, que hoje compreendo, mas que na altura me deu a volta ao estômago. Para mim, que aprecio a sobriedade e a naturalidade, foi uma tacada de basebol no queixo. A coisa começou logo a correr mal, muito mal, e terminou pessimamente. Nunca mais ela falou comigo, nem eu com ela, e muitas pragas me deve ter rogado. Eventualmente, poderá ter ido para freira, à semelhança da… coiso… bom… adiante…

 

Portanto, tentei orientar o meu aconselhamento técnico no sentido do desaconselhamento. Isto é, nestas coisas, mais vale uma mulher ficar “quieta”, do que meter-se com invenções e acabar num estado desagradável à vista. Apesar disso, a Liliana insistiu em ir de vestidinho. Tem corpinho para isso, obra das longas horas quase diárias que tem passado no ginásio desde há muitos meses. Só faltava escolher a cor. Preto, vermelho, branco e preto, salmão.

 

Branco e preto, não, porque baralha. Não se pode deixar um homem baralhado, quando o objectivo é não o deixar fugir. É uma espécie de gelado “Perna de Pau”: não se sabe se começar pelo chocolate, pelo branco, ou pelo vermelho, ou mudar para uma sandes de presunto.

 

Vermelho, também não. Fere a vista e atinge o cérebro masculino, podendo provocar lesões atitudinais indesejáveis. Parece um fogo que não queima, como uma roseira que não pica, pelo que o homem, seja bombeiro, pirómano, ou maricas, não terá receio algum em se atirar de cabeça para as chamas.

 

Salmão, só a partir do segundo encontro. Salmão transmite uma ideia de fragilidade. Um homem a olhar para uma mulher vestida cor de salmão, é como um urso no Alasca a olhar para as águas baixas de um ribeiro, onde um salmão de aspecto delicioso aguarda pacientemente pelo seu fim, entalado entre dois calhaus.

 

Preto, é que é. Primeiro, ninguém desconfia. Depois, impõe respeito. Não baralha. E tem a vantagem de concentrar o olhar masculino, que fica hipnotizado como que à procura do fundo num buraco negro. E, como diria o poeta, homem concentrado, é homem garantido.

 

E nem penses em levar aquela mini-saia rodada e arejada! Senão, acabas o encontro romântico no hospital, com o pobre Mateus em estado grave de encravanço cardíaco, de língua de fora, espasmos na perna esquerda, olhos revirados, súbito crescimento capilar, e um prolongado uivo disfarçado de suspiro… pickwick

tags no estendal: , , , , ,
publicado por pickwick às 09:51
link | tocar à trombeta | favorito
Quinta-feira, 27 de Setembro de 2007
Na senda dos malfeitores
(comentário sociológico… talvez as televisões estejam mais numa de entrevistarem sociólogos, em vez de políticos rascas)
Hoje as notícias traziam uma notícia humorística. Eu adoro notícias humorísticas. Falava sobre um malfeitor, tipo ladrão, que rouba as pessoas, e que tinha assaltado umas casas ou lá o que era. Um gatuno, portanto. Azar do catano, uma das casas era de um juiz qualquer. Eu não gosto de juízes. Deviam morrer todos afogados numa fossa séptica. Fiquei logo em pulgas com a notícia, porque as notícias de assaltos de há largos meses para cá, terminam sempre da mesma maneira: a polícia esfalfa-se para caçar os malandros que andam a meter-se com as pessoas de bem, apanha-os, levam-nos a tribunal, e o senhor doutor sua excelência excelentíssima manda-os em liberdade coitados, para qualquer dia se pensar em julgá-los ou pagar-lhes umas cervejinhas ou outra coisa qualquer que esteja dentro da mesma onda e tenha igual importância. Assim que vi a notícia, pensei: será que o pobre coitado vai sair em liberdade com aquela medida manhosa que permite à escumalha dar cabo da vida a qualquer cidadão e continuar a viver calmamente, com uma palmadinha nas costas? Cheirava-me que não. E, claro que não! Preventiva com o desgraçado. É preciso ter azar. Os juízes deviam ter as suas residências identificadas com um pano cor-de-verde-limão içado numa vara de bambu, mesmo no cimo do telhado. Enfim. Ou não terem residência, pronto. Ou não existirem. Ou assim. Bom, o tema e o choque que não deveria ter tido, remeteram-me, durante uns momentos, para uns pensamentos “vintage”, próprios de uma juventude cheia de hormonas inflamadas e muito pouco juízo. Nesse tempo, havia soluções rápidas para tudo. Depois de roubarem uma televisão de casa dos meus pais, era óbvio que a nação necessitava de uma perseguição eficiente e fatal. Dediquei horas a elaborar planos e perspectivar cenários. Sempre gostei de elaborar planos e perspectivar cenários. Os meus primeiros planos de sempre foram elaborados aos onze anos, encavalitado no cimo de uma parede que fazia de divisória nas casas-de-banho de uma caserna militar. Nesse tempo (a isto chama-se um “nested flashback”), e derivado da revolta que nutria por todo o ser humano que me chateasse o juízo, a solução óbvia era evadir-me para o outro lado do Atlântico. Assim, no cimo da parede, de caneta e bloco de notas na mão, fiz os planos. Material necessário, embarque clandestino num barco de transporte de contentores ou porcarias com destino ao Brasil, desembarque às escondidas, viagem para a Amazónia, construir cabana, caçar, fogueira, água, tanga à Tarzan, paz e sossego. O amigo que estava empoleirado na parede do lado e me escutava cheio de paciência, dava conselhos, punha questões, ria-se e abanava a cabeça. O bloco já não deve existir, nunca fui ao Brasil, mas a mania de planear idiotices, fugas e tropelias, tinha acabado de começar, prometendo uma carreira de sucessos. Quanto às perseguições aos malfeitores, como forma de contribuir para a limpeza da nação, mereceu planos também muito elaborados. Dupla personalidade e identidade, treino intensivo nas planícies alentejanas, armas silenciosas, métodos pouco convencionais de abater pessoas, matrículas falsas, criação de situações-armadilha para caçar gatunos em flagrante, sessões de tortura nos casos mais negros, e por aí fora. Um projecto de Pelotão da Morte, se conseguisse arranjar simpatizantes. Bairros inteiros a desaparecerem em chamas. Zonas de chuto transformadas em charco de caça aos patos. Depois ah e tal já não sei o quê as gajas e nunca mais me lembrei disto. A culpa, portanto, foi das gajas. Se não fossem as gajas a distraírem-me, a nação portuguesa seria hoje um paraíso de gente de bem, com a gatunagem erradicada. Os jornais bater-se-iam para noticiar coisas bonitas e iniciativas altruístas. Enfim, os caminhos da humanidade sofrem destes revezes. Não querendo parecer machista, embora não deixando de ser macho, relembro, a este propósito, o célebre pensamento da nação chinesa: as mulheres são a causa de todos os problemas que há no mundo. Têm toda a razão. No dia a partir do qual a ciência permita a procriação humana sem a intervenção directa dos seres humanos, as mulheres verão o peso da culpa da Humanidade sair-lhes de cima dos ombros. A partir desse dia, as provetas, ou o que faça o papel, serão a causa de todos os problemas que há no mundo. pickwick
tags no estendal: , , ,
publicado por pickwick às 22:09
link | tocar à trombeta | favorito