Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

As túlipas negras

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quinta-feira, 17 de Janeiro de 2008
As túlipas negras
Há uns bons anos atrás, a Ana ofereceu-me um livro chamado “A Túlipa Negra”. Adorei o livro. É muito difícil eu adorar um livro. Não passei da segunda página do “Senhor dos Anéis”. Outros nem encontrei coragem para abrir na primeira página. Outros, foram devorados em regime non-stop, apesar da imensidão de páginas em letra miúda. Depende do estado de espírito, depende da onda, depende do vento, depende do tempo livre, depende das gajas, e de mais uma infinidade de factores. Enfim, são gostos e desgostos, como se costuma dizer. E eu que pensava que a túlipa era uma daquelas ervas daninhas tipo Sardinheiras e Malmequeres. Li, aprendi e diverti-me à brava. Não me lembro minimamente qual o enredo nem quais os protagonistas. Também não interessa, que os livros são para voarmos e não para tirarmos apontamentos mentais de vidas alheias. A Ana, foi minha vizinha durante dois anos, numa daquelas caves arrendadas a estudantes pindéricos. Já falei dela muitas vezes. Sempre nutri um carinho especial por ela, embora não traduzisse esse carinho em actividades carnais. É verdade. Sempre reinou, ali, o respeitinho. Depois ela “chateou-se” por não obter de mim o que nós sabemos que ela queria, “chateou-se” com o meu companheiro de quarto por motivos idênticos, e com mais não sei quem, e com os gajos que só queriam dela o prazer momentâneo de uma noitada de sexo. Chateou-se e hoje é freira. A sério! Era uma porreira, a Ana. Querida Ana, se me estiveres a ler, aí na tua simpática clausura, o meu mais sincero obrigado pelas longas conversas que tivemos, durante as quais tentaste – insistentemente e em vão – educar-me para a boa moral, para as boas maneiras, para o respeito pelo sexo oposto, para a importância superior do amor em relação ao consumo carnal, e para a moderação alimentar. Ainda hoje penso nas tuas lições. Sempre. Bom, esta conversa toda sobre a Ana e as freiras e as túlipa negras, serviram apenas como vulgar introdução para os factos que me trazem à luz deste blog. E os factos são que a Rici – a minha colega rechonchuda e séria – mudou claramente a sua forma de estar no mundo. E essa forma de estar no mundo passa, para começar, pela pintura do cabelo, impecavelmente liso, numa cor preto-ruivo-brilhante. Um gajo olha e, assim de repente e numa fracção minúscula de uma milésima de segundo, fica a pensar que deu de caras com um borracho. Eu sei que “borracho” é um termo em desuso, caduco, típico de arrastadores de tijolos nostálgicos, mas a Magda fez o favor de me lembrar da sua existência. Um borracho é que a Rici não é, certamente. É mais para o bolachuda, pronto. Eu gosto dela, atenção! É querida, simpática, responsável, profissional, etc. Além do cabelo, também tem um dente desalinhado, daqueles que podem entrar de imprevisto numa das narinas. Presumo que terá sido o resultado de um tabefe mais viril proporcionado pelo namorado, numa noite de prazer mais intenso. Além do cabelo e do dente desalinhado, a Rici também aderiu à moda da pele ao léu. Timidamente, mas aderiu. Apesar do frio intenso que se tem sentido aqui nas fraldas da Serra da Estrela. Assim como que a medo, tem deixado escapar, para fora da roupa, um engraçado pneuzinho de gordura. Disfarça, tapando logo a seguir com a camisola pouco comprida, mas eu já conheço esta peça de teatro. Lá para Abril já andará com pêlos púbicos entalados no cinto. Isto é que foi um avanço! Mas, além do cabelo, do dente desalinhado, do pneu ao léu, e, porque não, de uns sorrisos a que não estávamos habituados, a maior novidade é a cuequinha dela, trazida à luz do dia num daqueles momentos em que deixava o pneuzinho vir espreitar o ambiente. Eu até fiquei sem jeito. Foi inesperado! Muito inesperado! “Diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és”, passou a uma nova versão: “mostra-me um pedacinho das tuas cuecas e irei para o meu blog escrever disparates sobre o assunto”. As cuequinhas da Rici eram brancas, naquele tecido rasca de cueca-da-feira, compradas um ou dois números acima para poder acolher desvios volumétricos indesejados. Brancas, mas com uns motivos pequeninos a preto, que mais pareciam pontos uniformemente espalhados. O elástico era preto, também. Fiquei curioso quanto aos motivos. Seriam as iniciais do nome do namorado? Seriam ursinhos? Pulgas? Rodelas de micro-salpicão? Caveiras? Não resisti ao desafio. Fiz de conta que dava uma volta pela sala, com ar distraído, até lhe passar à porta dos quartos traseiros, à distância de três palmos. Foquei o meu olhar de lince, regulei-o para intensidade máxima, seleccionei o dispositivo de reconhecimento de padrões para o modo padrão-de-cueca e fiz as contas. Caramba! Eram túlipas! Dezenas de minúsculas túlipas negras!... pickwick
publicado por pickwick às 21:35
link | tocar à trombeta | favorito