Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

Deslumbramentos

O humor do alce

Fábula erótica – volume d...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Domingo, 21 de Abril de 2013
Deslumbramentos

Era sábado e a Honda estava com uma campanha de coiso e tal e portas abertas, check-up à borlix. Aproveitei, marquei audiência com o mecânico, e lá fui. Seria uma ida pacífica, não fosse ser atendido pela menina do stand, uma trintona que, por ocasião da compra da mota, já me tinha deixado extraordinariamente bem impressionado, com as suas calças pretas justas e um corpo muito bem conservado para a idade, tendo em conta já ser mãe. Desta feita, mesmo conversando do outro lado do balcão, deu para perceber de relance que havia perdido uns estratégicos quilinhos deste Setembro do ano passado. Nada como umas boas calças de ganga para tirar medidas. Estava simplesmente deslumbrante! Podia ter-se ficado por ali, atrás do balcão, permitindo apenas um fugaz olhar inspectivo. Mas, não. Saiu de trás do balcão e foi buscar a minha mota. Fui atrás dela, como que robotizado. Pegou na mota e empurrou-a os metros que faltavam até à oficina, comigo atrás, muito totó, só me faltava mesmo andar como um robô a babar óleo lubrificante pelas juntas das beiças. Que figurinha triste. Depois adeus e até qualquer dia.

Isto foi de manhã.

À tarde, apanhei boleia do Carlos e fomos à Guarda, supostamente para almoçar com a Liliana, conforme combinado. Ela tratava dos sólidos e nós dos líquidos. Depois de trepar pelas escadas a um quinto andar com uma arca cheia de gelo, água, Lambrusco e cervejas, tive uma folga de minuto e meio até a Liliana abrir a porta do apartamento. Foi a porta abrir e o oxigénio a varrer-se dali para fora em tons de salmão. Aquele sorriso bem disposto, os caracóis arruivados, um vestido curtinho cor de salmão e uma meia preta fantasiada a subir por umas pernas esculpidas em pura fibra.  Mais uma cinturinha onde apetece meter as mãos e uma inflamação pulmonar na medida adequada. Acho que me descuidei e houve um lapso de tempo em que não consegui reagir como uma pessoa normal. Lá está: falta de oxigénio.

Nos minutos seguintes, enquanto a Liliana acabava de preparar o almoço, metendo no forno um petisco manhoso (mas delicioso) com pão e legumes salteados e fazendo uma saladinha, virada de costas para nós, eu debatia-me com um dilema sério: se devia, ou não, ir ao pé dela e susurrar-lhe ao ouvido “oh mulher de Deus, mas eu fiz mal a alguém para estar aqui neste sofrimento, com a vista quase inutilizada de tanto te tirar as medidas?!”

Optei pelo silêncio e por um sorriso amarelado de quem já está no limite do sofrimento mas não quer dar parte fraca da coisa. Foi assim, até depois da meia-noite, quando nos despedimos e viemos embora, finalmente. Foram demasiadas horas a ferir a vista. Se ela tivesse engordado uns 20 kg, tudo seria mais fácil. Mas não, continuava com aquele corpinho de fazer engolir em seco. Podia ter vestido umas calças largas? Podia, mas acho que não tem.

Quase no final da tarde, a Liliana achou que eu ainda não estava a sofrer o suficiente. Sei lá, ainda não tinha caído para o lado com um colapso cardíaco ou coisa que o valha. E, vai daí, do outro lado da SportZone, chama-nos para avaliarmos as calças de licra que queria comprar para usar no ginásio. Completamente coladas ao corpo, como que uma segunda pele. Deviam ter um nome técnico, mas o cérebro parou-se-me. Primeiro o modelo em roxo-choque. Depois o modelo em preto. Então, que tal? 360º para podermos tirar as medidas. Eu queria bater palmas como os leões-marinhos no zoo, mas estava com uma electrocussão sanguínea entre a unha do dedo grande do pé direito e um dos dentes caninos que teimava em abanar sozinho. Nem uivar conseguia.

Comecei a ficar chateado. Não sei explicar porquê. Qualquer coisa como estar em jejum forçado quase há três anos numa ilha deserta e aparecer um chef abrigado no interior de uma versão anfíbia do papamóvel, acenando-me com uma torrente de petiscos e sobremesas para que eu fizesse um comentário imparcial e cientificamente bem fundamentado sobre o seu repertório gastronómico.

Quem é que se lembra de fazer uma coisa destas? Só alguém com muita maldade na mente. Minutos mais tarde disse isso mesmo à Liliana, para ver se ela caía em si, mas respondeu-me com um daqueles seus sorrisos bem dispostos e indestrutíveis. Era para continuar a sofrer, sim. Até ao fim. pickwick

tags no estendal: , ,
publicado por pickwick às 15:37
link | tocar à trombeta | favorito
Quinta-feira, 12 de Abril de 2012
O humor do alce

Há dias em que uma das minhas convicções pessoais sobre a vida e as gentes toma uma solidez impressionante: há cada vez mais gente avariada da cabeça.

 

Na última oportunidade que tive para ficar boquiaberto, dialogava com uma empresária farmacêutica trintona, muito bem arranjadinha e prendada, aparentemente moça simpática. E digo aparentemente, porque, logo desde o início do diálogo, achei-a muito fofinha e comecei a debitar algumas graçolas que não tiveram o retorno habitual. A maioria das pessoas com quem convivo, tem capacidade para perceber quando estamos a atravessar umas piadinhas no meio da conversa, assim como que para descontrair.

 

Por exemplo, posso gracejar que o meu carro tem o motor quase a cair para o chão, que é como quem diz que já tem uns quilómetros jeitosos no pêlo. A moça responde a isto com um ar entrunfado, ah e tal, estás sempre a gozar. Estou nada, digo-lhe eu, estou só com uma gracinha, até parece que não estás bem humorada hoje! Eu tenho bom humor, diz ela, só que bom humor não é sinónimo de gozo! Cheio de oriental paciência, ainda lhe tentei fazer ver que uma coisa é estar com piadinhas pelo meio e que outra coisa é gozar com a cara das pessoas, mas ela sugeriu-me perguntar a opinião a qualquer pessoa, em especial alguém que fosse expert na língua portuguesa, como uma professora de português, por exemplo. Eu nem me atrevo a tal!

 

Mas, isto anda tudo a ficar maluco?

 

O gajo que faz humor, nunca goza, porque gozar é feio. Por outro lado, o gajo que goza, nunca tem humor, porque é feio e o que é feio não tem humor. Deve ser assim o pensamento elevando da moça. Cá para mim, isto não é um caso isolado.

 

Há uma quantidade absurda de gente que se acha inteligente, mas que é incapaz de perceber uma ironia, por mais óbvia e vistosa que seja. O “achar-se inteligente” já é um sintoma de uma qualquer falha, nem que seja apenas um défice daquela virtude maior que é a humildade. Mas a incapacidade para processar uma frase irónica é algo que me deixa mesmo muito pasmo. Fico logo com a comunicação toda avariada. Um gajo tem que fazer o esforço para não conversar como conversaria com qualquer pessoa normal, mesmo com um miúdo de dez anos, e procurar expressar-se para um misto entre um atrasado mental e um penedo cheio de musgo. Deve ser o tal povo bronco que abunda e domina a nossa sociedade lusa. Sinto-me desolado, quando é assim.

 

Eu gosto de sorrisos. Gosto de dizer umas piadinhas para ver se me rodeio de sorrisos. Os sorrisos femininos, em particular, são aquela coisa deliciosa tipo chocolate cor-de-rosa a derreter-se debaixo de um sol de agosto. Uma gargalhada também é bom de ouvir. A vida vive-se melhor assim, digo eu. Corre-se o risco de deixar alguém mal disposto, porque dizer uma piadinha é estar a gozar, mas, lá está, é como o alce: um bicho careta daqueles, não tem mesmo motivação alguma para arreganhar as beiças. pickwick

tags no estendal: , , , , ,
publicado por pickwick às 22:09
link | tocar à trombeta | favorito
Quinta-feira, 11 de Outubro de 2007
Fábula erótica – volume dois

(continuação)

- Olha, para te ser franca, nunca tinha pensado nisso. Já tinha passado uns meses numa vacaria, com umas dezenas de outras vacas, todas a serem apalpadas nas tetas com tubos de plástico. Nessa altura, lembro-me de me passar pela cabeça como seria meter-me com as tetas de outra vaca, mas, como imaginas, não era capaz de sequer o tentar.

- Bem, mas uma coisa é uma vacaria com dezenas de vacas, outra coisa é um local paradisíaco como este, a duas, longe dos olhares indiscretos de terceiros.

- Pois, é capaz de ser mais fácil, realmente.

- É muito íntimo e o prazer inimaginável.

- Oh, mas aqui não costuma aparecer mais nenhuma vaca.

- Mas aparecem raposas!

- Sim, pois aparecem, mas são tão pequenas…

- E então? Qual é o problema? Eu também sou pequena!

- Pois mas tu e uma raposa, são praticamente do mesmo tamanho. Agora, eu e uma raposa, é bem diferente! Já viste a diferença de tamanho?

- Ora, é como com uma lontra. O que interessa é o prazer e não o tamanho.

- Pois, dizem que sim, mas…

- Devias experimentar, um dia destes.

- Talvez. Mas também não tenho lata para falar nisso à Ana Teresa. E se ela fica zangada, me chama nomes e me manda para a outra banda?

- Não exageres…

- A sério, não sou capaz de lhe tocar no assunto.

- Se calhar, era mais fácil experimentares com alguém com quem já tenhas abordado este assunto, não achas?

- Mas eu não costumo abordar este assunto com ninguém. Só contigo.

- Pois, já reparei que sim.

(silêncio no lameiro, som da água a correr e das folhas das árvores a serem batidas pelo vento)

(Magufas pisca o olho a Rebomilda e exibe um sorriso maroto)

- Ai, oh Magufas, estás a deixar-me sem jeito…

- Anda lá! Uma vaquinha tão linda e tão sexy como tu, não pode ficar assim…

- Oh…

(Magufas aproximou-se da vaca, rebolando os quartos traseiros para um lado e para o outro, provocadora)

- Hum… olá!...

- Olá… ai… eu não tenho jeito nenhum para isto, oh Magufas…

- Não tenhas problemas. Vais ver como é bom.

- Aiii…

(Magufas colocou-se debaixo do corpo de Rebomilda, estrategicamente. Ergueu-se em cima de duas patas, apoiando-se nas pernas traseiras da vaca, e começou a lamber, de forma suave e terna, as suas tetas. Uma após outra. Devagar, sem pressas. As pernas da vaca tremiam, umas vezes com mais intensidade, outras com menos.)

- Muuuuuu… - mugiu baixinho Rebomilda, quase a perder a compostura, com os olhos a revirarem de prazer e um fio de baba a escorrer pelas mandíbulas abaixo..

(Às tantas, as pernas de Rebomilda não aguentaram mais com o prazer tão intenso e deixou-se cair na erva, com as tetas excitadíssimas a mergulharem na erva molhada do lameiro. Respiração ofegante, língua de fora, a cauda sem forças para enxotar moscas. Magufas sorriu, a sabidona. Pacientemente, esperou que Rebomilda se recompusesse.)

- Agora, fofinha, é a tua vez de me dares prazer. – disse, piscando o olho, com o ar de general que comanda as operações.

(Magufas avançou para a cabeça de Rebomilda, ergueu-se e apoiou as patas dianteiras nos chifres, oferecendo as suas tetas. Rebomilda, possuidora de uma língua extraordinariamente comprida e áspera, não se fez rogada e tratou de pagar na mesma moeda. Em poucos minutos, Magufas estava estendida na erva, completamente exausta, consumida por um prazer universal e imenso.)

- Ai, oh Magufas… foi tão bom!

- A quem o dizes, sua maluca!

- Oh, eu não sou maluca!

- És, és… não viste o que me fizeste?

- Oh, então… foi só…

- Pois foi só…

(Entretanto, o sol desapareceu no cimo dos montes, dando lugar ao cair da noite. Magufas aconchegou-se numa espécie de regaço no corpo da vaca, ainda deitada na erva. Assim passaram a noite, naquela posição de intimidade. O dia seguinte trouxe felicidade, paixão e muito sexo. E o outro a seguir, também. E o outro e outros tantos mais. Até que Magufas achou que estava na hora de partir para outras paragens. Sabendo que a despedida seria um momento demasiado pesado, aproveitou um momento gastronómico da vaca, mergulhada na erva fresca, para se pisgar por onde havia chegado, desaparecendo ribeiro acima. Claro que Rebomilda sofreu como nunca, quando percebeu que a sua companheira de sexo lésbico havia desaparecido para sempre. Foi um sofrimento de pouca dura, contudo. Dois dias depois, apareceu no lameiro a Ana Teresa, com um ar acanhado. Contou como tinha visto as duas a consumirem-se em prazeres carnais, dia após dia. Contou como sempre tinha nutrido um fraquinho por Rebomilda, embora nunca tivesse coragem para o assumir. Agora, era o momento. Ana Teresa e Rebomilda meteram de lado a vergonha e a timidez e assumiram a sua relação lésbica até ao fim das suas vidas. Até Rebomilda virar Bife à Caçador e Ana Teresa ser embalsamada e exibida por cima da lareira de um malvado caçador.)

(fim) pickwick

publicado por pickwick às 00:10
link | tocar à trombeta | favorito