Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

Maria H., és uma vaca

Poema ligeiro das Sofredo...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quarta-feira, 29 de Agosto de 2007
Maria H., és uma vaca

No “Conta Coisas” conheci a Carlinha. Bom, “conheci” não é o termo mais correcto, dada a minha pouca predisposição para a conversa com raparigas desconhecidas vestidas de preto, por mais simpáticas que sejam. Aliás, minha falta de predisposição para a conversa aplica-se a quem quer que seja, vista preto ou branco. Deve ser um qualquer trauma de infância. Seja como for, a Carlinha é autora de dois livros, o que é muito bom, já que eu sou autor de zero livros. Um dos livros chama-se “Estrela Sem Norte” e é “composto por poemas, caracterizados por uma certa soturnidade e melancolia, quase como um reflexo do lado mais negro da vida”. Eu gosto especialmente da parte do lado negro da vida. Fascina-me, pronto. O outro livro chama-se “Alma de Fogo” e é uma história de fantasia, envolvendo magia, amor e vingança, num universo completamente diferente do nosso, onde quase tudo é possível. Gosto particularmente da parte da vingança, a tal que se quer servida fria. Pessoalmente, não gosto de poesia. Faz-me bocejar, pronto. Não critico, mas não tenho paciência. Embora haja momentos, claro. Se for necessário, também escrevo poemas, e, se tiverem que ser sobre o lado negro da vida, ui!, no problem, também cá se arranja! Para o provar, e também como um tributo à Carlinha, que é uma miúda simpática, vou compor já de seguida um poema sobre o lado negro da vida. Aqui vai. 

Maria H., és uma vaca

 

És uma vaca, por certo,

Tão certo como o vermelho do sangue

Que fizeste escorrer do coração do teu maior amor.

 

Queres tanto dos homens,

Como os homens querem de um Porsche,

Mostrar, exibir, passeá-los pela rua.

 

Não olhaste a sentimentos,

Não olhaste ao coração alheio,

Não olhaste a nada, para além de ti.

 

És uma vaca, portanto.

Com um lado mais negro

Que uma vaca alguma vez poderia ter.

 

Trocaste o amor

Pelo espelho de valores vazios,

Pelo retrato que a sociedade demanda.

 

Trocaste o amor

Pela falta dele, pela sua aberração,

Pelo desprezo do teu companheiro.

 

Trocaste o amor

Por uma obrigação,

Por um estatuto.

 

Enfim, és uma vaca,

Porque preferes o material

Em detrimento do sentimental.

 

E, tal como as vacas têm sorte,

Tu também a tiveste,

Em abundância.

 

Tiveste sorte, muita sorte,

Porque, se o teu amor fosse eu,

Esperava-te aí, numa rua escura,

Enchia-te de pancada,

Partia-te os dentes,

Arrancava-te os cabelos,

Furava-te os olhos,

Quebrava-te uma rótula,

Esborrachava-te o pâncreas,

Chamava-te vaca,

E deixava-te para aí,

Caída, moribunda,

A chorar, a mugir,

E ia comer umas febras com batatas fritas.

(este poema é dedicado a um amigalhaço, que muito sofreu com o lado negro - muito negro - de uma mulher) pickwick

tags no estendal: , , , , ,
publicado por pickwick às 00:10
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (2) | favorito
Domingo, 24 de Junho de 2007
Poema ligeiro das Sofredoras

És bonita, que linda,

Que feia até podias ser,

Anjinha é que não,

Porque essas não o têm

Em rigorosa definição.

 

Sendo como és, sofres,

Por o seres, ou porque não,

Uma por a Benetton, essa,

Fechar de Sábado,

E outra, que nem por isso,

Não sabe onde cair morta.

 

Todos sofrem, perto ou longe,

Molhado ou seco, na brasa.

Apelam à compreensão celeste,

Mensagem na mão terrestre,

Meu amigo escutante,

Acode-me que a dor vai longe.

 

E eu digo, na nébula maior

Dos pensamentos subtis:

Porra! Havia de estudar PDS!”

 

Nota do autor:
Esta obra-prima da poesia erótica remonta a 21 de Maio de 1994. Encontra-se arquivada numa pasta da estante da minha sala, misturada com centenas de outros disparates da época. Sinceramente, não me recordo quem era a contemplada nos versos, nem se era apenas uma ou meia dúzia. Seria uma gaja que trabalhava na Benetton? Francamente, não faço a mais pequena ideia. Mais de metade dos versos também não faço ideia do que querem dizer. Devia ser um momento de grande iluminação, certamente. Ou não! Certo, certo, é o contexto em que foi escrito o poema: devia ser véspera de um exame da cadeira de PDS - Processamento Digital de Sinal, do 4º ano. Para não variar, em vez de estar a marrar afincadamente nos livros, estava a pensar em gajas inatingíveis e de moral duvidosa. Enfim, há coisas que não mudam… pickwick

publicado por pickwick às 00:05
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (1) | favorito