Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

Que tédio – parte 1

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Domingo, 12 de Agosto de 2007
Que tédio – parte 1
Isto vai de penico para sola de sapato. Este verão está a ser uma coisa para esquecer, para atirar para o fundo inundado da sanita. Aparentemente, as alterações climatéricas e profissionais só trouxeram tédio, e mais tédio. Até uma ida ao país dos bifes tresandou a tédio! Como é possível? Não sei. Uma manta de retalhos entediante.
 
1. No patronato
Já estou enjoado desta palermice de ter alinhado numa lista para o patronato. Para além de ter ficado sem os dias legais de férias, esse tempo é passado a coçar a micose no local de trabalho, atafulhado em papéis que chegam de novo todos os dias, a ler legislação feita por parolos, a ver este e aquele a chegarem só para dizer tchau e boas férias, a ler e-mails, a consultar fóruns onde ninguém responde porque ninguém sabe respostas, a fazer telefonemas, a receber telefonemas, a formatar computadores, a coçar mais um bocado a micose, a tirar macacos do nariz às escondidas, a trocar SMS’s com amigas, a agrafar papéis, a abrir e fechar dossiers, a furar folhas, a rabiscar papéis, a receber pessoas, etc. Do melhor! Quando a visita é do sexo feminino, aproveito para dedicar uns minutos à apreciação que se impõe, mas, para meu desespero, vez após vez, os exemplares que se apresentam são tão cheios de defeitos que não há jeito de um gajo se babar um bocadinho. É aquilo a que se chama trabalhar sem condições. Ou melhor, estar no local de trabalho sem condições.
 
2. De casa pintada de fresco
É verdade. O meu irmãozinho já não tem motivos para se ir chibar para o pé da nossa mãezinha a dizer que eu vivo numa casa saída de um bairro degradado da 2ª Guerra Mundial. Pela módica quantia de 8000 euros, contratou-se uma pequena empresa para pintar todo o exterior do prédio, mais os muros dos jardins, mais os gradeamentos, mais as caixas do correio que deixaram de ser usadas, e mais não sei o quê. A cor é de um amarelo cor-de-peido, se me permitem a brejeirice, assim entre a baunilha e a bolacha Maria. Para o efeito, serve perfeitamente, dado que o prédio data de há três décadas atrás e nunca havia sido pintado de novo. Há dias, agora, em que fico confuso, se estarei a entrar no prédio certo. Mas, está bonito, há que concordar. Como diria uma amiga, já cá posso trazer a minha mãezinha… desde que não passe a porta para dentro do apartamento…
 
3. No jardim
A propósito da pintura do prédio, certo dia bateu à porta a D. Fernandina, administradora do condomínio, para solicitar à minha pessoa que se dignasse fazer um desbaste na vegetação do meu jardim, para que os senhores pintores pudessem dar umas pinceladas no muro. A D. Fernandina é uma querida. Veio dar-me a conhecer esta necessidade com um frasco de compota de abrunho numa mão, com uma etiqueta decorada a marcador pela sua mão, com flores e motivos muito femininos. De caminho, ofereceu-se para ajudar no desbaste, ao que eu prontamente declinei. Era só o que me faltava, ir jardinar com a minha vizinha de setenta e tal anos. Bom, a D. Fernandina não me foi ajudar, mas o marido apareceu de tesoura em punho, com os seus oitenta e três anos. Tipo filme. E logo eu, que detesto estas coisas de andar no jardim com outras pessoas, à vista de toda a gente. Sou muito ciente da minha privacidade, entenda-se. Já me estava a conformar com situação, quando surgiu o vizinho de baixo, profissional de seguros e amante da agricultura, de tesoura e enxada, para dar uma mãozinha. Ele gosta mesmo é de usar a enxada. Eu rangia os dentes, pior que estragado com a cena toda, rogando pragas a toda a gente por se virem meter na minha vida. Nisto, o casal da moradia do lado aproximou-se da vedação e ficou-se à conversa, ah e tal porque o limoeiro isto, e tal o damasqueiro aquilo, blá blá blá, os bichos não sei quê. À porta do prédio, para animar a festa, ficou a D. Fernandina, a quem se juntou a vizinha da frente que vinha a chegar a casa e que aproveitou para dar dois dedos de conversa, precisamente no dia e hora em que eu andava no jardim a amanhar a vegetação com dois ajudantes e outros dois assistentes. É por estas e por outras que há êxodos rurais na história! pickwick
tags no estendal: , ,
publicado por pickwick às 23:28
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (3) | favorito