Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

Marte não é verde?!

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quinta-feira, 28 de Junho de 2007
Marte não é verde?!

Ontem foi noite de convívio. Assim que me despachei das burocracias, rumei ao Feira Nova para me abastecer do essencial para uma jantarada: chicha e álcool. Daí, andor para casa das miúdas que não sabem cozinhar: a Maria e a Carlota (nomes de código, obviamente). Objectivo: fazer o jantar para sete pessoas. Em casa só estava a Carlota, que não percebe nada de culinária e ficou a observar aqui o artista: fura o lombo, enfia linguiça toda lá dentro (ui), enfia também uma cenoura, ensopa em sal, azeite e cebola, fatias de bacon a rechear, batatinhas cortadas ao meio ainda com a casca, uma película de alumínio por cima et voilá. Sem palitos! Sem nada para fazer, começámos a ver o Piratas das Caraíbas 2 no portátil, para tentar fugir ao tédio das telenovelas que estavam a começar na televisão. Entretanto, chega o Fil. Ah e tal, estão a ver os piratas? Eu tenho ali o Homem Aranha 3. Busca! Nem a um quarto do primeiro filme íamos e já estávamos a mudar para o segundo. E que segundo: filmado com uma câmera dentro de um cinema, mais cinzento do que aquilo não era possível. E, ainda nem a um quarto do segundo filme íamos, quando surge o resto dos convivas, mais cedo do que o esperado. Ah e tal, que o lombo ainda não estava no forno e o povo com fome. Acende-se o forno, mas passada meia hora ainda nem o azeite fervilha. Bela porcaria de forno! Já não há gajas com fornos que aquecem? Ou só lhes aquece o outro forno? Hem?! Para passar o tempo, que a assadura ainda demorava, começámos a jogar Trivial Pursuit, com a edição Genius que me lembrei de levar. Mais valia ter estado quieto! Devo andar mesmo arredado do mundo, nestes últimos meses. Ao fim de uma hora, os meus adversários tinham os queijos quase todos e eu ainda com o barco vazio, a apanhar moscas. Onde raio é que meti a cultura? Mas que perguntas maricas foram aquelas que me calharam? E, já agora, saber o nome do guarda-redes do FCP na época mil novecentos e troca o passo é cultura? Não me parece! Enfim, mais envergonhado eu não poderia ficar. É o que dá restringir as vivências e as leituras a um mundo demasiado estreito e limitado. É o que dá a especialização cultural. Um gajo depois passa vergonhas e não sabe coisas simples... Ah e tal, então qual é a cor de Marte? Ah e tal, respondi eu, os marcianos são verdes, portanto, Marte é verde. O pessoal olhava para as garrafas de Super Bock vazias à minha frente e ria-se. Algumas eram de Super Bock Green, o que poderá ter influenciado a minha brilhante resposta. A minha mãezinha espancava-me se soubesse destas figuras. Enfim. Deprimente. Por falar em deprimente e em Super Bock, experimentei a Green e até não dá vómitos. Escapa, portanto. Por falar em escapar, a colega da cueca laranja escapou-se. Ah e tal, se beber um copo respondo a todas as perguntas que me fizerem e conto tudo o que quiserem saber, disse ela há umas semanas atrás. Ui! Quem responde a tudo, também salta para cima da mesa e faz um strip ao som da banda sonora de uma novela pirosa qualquer, pensei eu. Não a estava a ver nesses preparos, mas nunca se sabe… a cerveja tem razões que a própria razão desconhece. E a colega da cueca laranja escapou-se porque o carro dela enguiçou e deixou-a a pé algures na A25. Por falar em saltar para cima da mesa, chegou-me agora à alembradura que o recheio da casa da Maria e da Carlota deixa muito a desejar. Para começar, não tem pratos e talheres e copos suficientes para meia dúzia de pessoas. Portanto, era comer lombo de porco recheado em cima de pires e pratos de sobremesa, espetar a carne com garfinhos para ervilhas, servir da travessa com uma tenaz da salada, comer o gelado num púcaro, e por aí fora. A desgraça era tanta que, já depois da sobremesa, a mulher do Clau – grávida de oito meses e com uma barriga que mais parecia ir parir um boi daí a minutos -, que estava sossegada na sua cadeira, estatelou-se ao comprido no chão da sala, com bocados de madeira a saltarem e o pânico a instalar-se nos convivas. Convenhamos que uma mulher muito, muito, muito grávida, acabada de jantar por dois, a dar um trambolhão do cimo de uma cadeira que se desfez em paus por obra e graça do espírito do caruncho, não é propriamente uma situação para relaxar e beber mais um copo. Aparentemente, não houve azar e daqui a um mês o Clau vai ter que andar a limpar a caca do traseiro de um bebé. Por falar em copo, levei uma garrafinha de 25 cl de licor de uva, uma especialidade caseira produzida aqui neste ninho dos disparates onde habito. A Maria, que já tinha bebido uma ou duas Green’s, parece que gostou da pomada. Tanto gostou, que esvaziou a garrafa. E tanto esvaziou a garrafa, que descobrimos que, nela, a quantidade de asneiras (leia-se palavrões e obscenidades) que lhe salta dos beiços é directamente proporcional ao álcool ingerido. Melhor dizendo, não é bem um caso de proporcionalidade directa. Se assim fosse, para zero centilitros de álcool ingerido, saltariam dos beiços zero asneiras. Na verdade, e porque devemos sempre honrar a verdade, a Maria debita asneiras até com água mineral. Juntando a isso o facto de fumar LM Light (se fumasse Kentucky mata-ratos, eu ainda a desculpava, mas LM é que não), temos aqui uma forte candidata a tia solteira ad eternum. Para mais, ela passou a noite a responder a uns telefonemas estranhos e compridos e melosos e suspeitos, sendo que ficou a sensação que seria um rabo de saias do outro lado das ondas, o que a projectaria para o universo das lésbicas. Era bonito, não era? E mais, num dos telefonemas, refugiou-se no quarto para uma maior privacidade, mas o Clau não resistiu (e eu segui-lhe as pegadas) e foi espreitar à porta do quarto para ver o que se passava. Imagine-se, de um lado para o outro, com um pau de incenso a arder. Quem é que acende um pau de incenso só para atender um telefonema, quando no piso de baixo estão os convidados para um jantar de convívio? Quem? Hum?... Ah, pois é!... pickwick

tags no estendal: , , ,
publicado por pickwick às 22:53
link | tocar à trombeta | favorito