Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A deusa lenhadora

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Sexta-feira, 4 de Julho de 2008
A deusa lenhadora

Um dia destes, uma colega de trabalho convidou-me para ir espreitar o princípio da casa dos seus sonhos, num terreno em área pouco urbana, mesmo no sopé da Serra da Estrela. A localização específica do terreno que ela comprou, é que não correu assim muito bem. Durante alguns quilómetros, a paisagem era fantástica: a soberba encosta da serra, mesmo de frente, tão próxima. Ao chegar ao terreno dela, um vale, desaparece a serra de vista, enfim, fica o ar serrano, a proximidade, o ambiente. Não se pode ter tudo, mas não era eu que ia comprar um terreno a poucas centenas de metros de uma serra, e não ter vista para a serra. Pormenores técnicos, portanto.

 
A casa veio do estrangeiro, lá do norte, e é totalmente em madeira, à excepção da sapata de cimento para servir de base. A madeira, XPTO, veio lá bem do norte, tipo Rússia, toda tratada com técnicas especiais de corrida, cortada, entalhada, etiquetada, pronta a montar. Tipo puzzle. São algumas dezenas de toneladas de madeira, entre outro material. Isto é uma cena muito à frente: o projecto arquitectónico é feito por cá, mas depois o material é todo preparado lá bem longe. Depois vem tudo em camiões, incluindo trabalhadores, e planta-se tudo no terreno durante uns dois meses, até a coisa estar concluída.
 
Eu também queria uma casa assim, embora tenha ficado com algumas reticências quanto à espessura da madeira. Consta que é mais saudável, mais quente de Inverno e mais fresca de Verão, tem melhor isolamento, menos humidade, etc. Eu acho que até tem algum estilo, tirando a ansiedade diária de regressarmos a casa sem sabermos se a coisa ainda está de pé ou se já foi transformada num monte de cinzas e carvão.
 
Quando cheguei ao terreno, a equipa de montagem encontrava-se a relaxar do calor brutal que se fazia sentir nesse dia, sentados debaixo de uma sombra, dando dois dedos de conversa. A minha colega apresentou-me a um casal de holandeses, que seriam os responsáveis pela obra. Apresentou-me como um potencial interessado no produto, num futuro qualquer.
 
E é aqui que entra o principal assunto deste post, uma vez que o que está para trás é mera palha. Falo da holandesa, claro! Falo de uma loira natural, olhinho azul, metro e sessenta, corpo incrivelmente elegante. E quando eu falo em corpo elegante, em especial quando é incrível, falo de um corpo elegante, obviamente, sem gorduras, com maminhas tipo concha-da-sopa, calças de ganga justas nas nádegas, trintas e poucos, rosto bronzeado pelo contacto diário com o sol, camisolinha de alças, etc. Enfim, um mimo da natureza para com a Humanidade.
 
Mas, mais incrível ainda, é o facto de esta mulher trabalhar, lado a lado com os homens, no transporte de madeira! Tipo deusa lenhadora, ou sei lá. Deve ser por isso que tem aquele corpo incrível. Imagino-a numa forma física tipo atleta de alta competição, gordura zero, fibra por todo o corpo, ah e tal. Uma coisa fora do normal! Sim, senhora! E vivam as casas de madeira! pickwick
tags no estendal: , , ,
publicado por pickwick às 00:42
link | tocar à trombeta | favorito