Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

As teorias sobre as gajas

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quinta-feira, 3 de Julho de 2008
As teorias sobre as gajas

A propósito da formação referenciada no post anterior, presenciei um episódio que, apesar de divertido, me apanhou desprevenido. Aconteceu quando o formador, a propósito de reuniões, resolveu partilhar uma teoria interessantíssima sobre a presença do sexo feminino nas mesmas.

 
Teoria: as reuniões em que só haja gajas, correm sempre mal.
 
Fiquei a olhar para ele, espantadíssimo com o atrevimento, ainda para mais quando na sala o número de mulheres superava claramente o número de homens. Vai levar com uma cadeira nos dentes, partem-lhe um braço e atiram-no pela janela para as silvas, pensei eu.
 
Mas, não. As mulheres foram as primeiras a acenar com a cabeça, sorridentes, demonstrando uma total concordância com a teoria. O formador esgalhava um sorriso daqueles que dão quatro voltas à cabeça, aliviadíssimo, com ar de quem ainda tem o coração em batimento acelerado pelo receio de ser comido vivo. Elas foram mais longe e deram exemplos.
 
Esta é uma teoria, de facto, interessante. Com base nela, o mundo deveria tender para a homossexualidade masculina, os casamentos de elementos de sexos opostos deveriam ser considerados gestos de caridade para com as mulheres carentes, e as lésbicas desapareceriam naturalmente como se representassem uma doença da sociedade. Mas, curiosamente, não. A homossexualidade masculina vai indo de boa saúde, como sempre foi, mas não prevalece (é uma forma de a natureza prendar os homens heterossexuais com alguma abundância do sexo oposto). Os casamentos heterossexuais ainda estão em maioria. E as lésbicas são mais que muitas. Este é um mundo estranho, realmente. pickwick
publicado por pickwick às 00:11
link | tocar à trombeta | favorito