Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

Hou leng

A Rici é uma balofa

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Terça-feira, 22 de Julho de 2008
Hou leng

No pretérito fim-de-semana, como diriam alguns amadores de repórteres, desci até à capital, para mais um banho de ociosidade, mulheres e alarvice. É sempre bom ir visitar a família, portanto.

 
Viajei de comboio, aproveitando o contraste entre o preço do bilhete ida e volta e o balúrdio que teria que pagar de combustível para fazer a mesma viagem no conforto do meu espectacular automóvel. Viajar de comboio é muito bom. Um gajo liga o computador portátil, adianta alguns trabalhos, ouve uma musiquinha, deita o olho às meninas que vão sentadas nos bancos à frente, deita o olho às meninas que circulam pelo corredor, e enfim, é um gosto.
 
Estas idas à capital implicam, na esmagadora maioria das vezes, uma refeição chinoca, dado que o meu paizinho é um fã dos restaurantes chineses e eu não me faço rogado, embora a comida chinesa dos restaurantes na Europa não tenha nada que ver com a comida chinesa que se come nos restaurantes chineses da China. Mas isso são pormenores. Ora, mais uma vez, lá fomos a um restaurante chinês, ali para os lados da Parede, que eu desconhecia por completo mas que já era local de romaria para o meu paizinho.
 
A dona do restaurante era uma senhora dos seus quarenta anos, mais década menos cinco anos, magrinha e pequenina, com uma fronha de poucos predicados e um sorriso repetitivo. Daquele tipo de mulheres que a gente olha, tira as medidas, e pede à Nossa Senhora para que não a faça cruzar-se muitas vezes no nosso caminho. Enfim, simpática, mas um atentado à beleza feminina.
 
A trabalhar com ela, estava outra chinesa, bem jovem, mais encorpada, mais alta, mas toda jeitosa, sem excessos. Daquelas mulheres que a gente olha, tira as medidas, mas parece que é preciso estar sempre a medir outra vez, para eventuais ajustes e acertos. Trajava à mulher europeia, com umas sapatilhas e uns calções, com um ar de grande descontracção. Não se mostrava muito à vontade com a língua portuguesa, ao ponto de ter confundido uma Fanta Laranja com um Ice Tea. Um senão: uma borbulha feiosa mesmo em cima de uma das narinas, a borrar de vermelho escuro um rosto que até era muito agradável à vista.
 
No final da refeição, e chegada a hora dos pagantes, o meu paizinho lá foi ao balcão, solicitar a conta e apresentar o cartãozinho. Eu fui atrás. Mas, o pagamento foi adiado pela tendência crónica do meu paizinho para meter conversa com chinesas. Neste caso, com a menina da borbulha, que ele ainda não conhecia.
 
Nestas situações imprevistas, eu ainda tento ser um pouco optimista e imaginar que a coisa ficará por uns poucos segundos, meia dúzia de palavras de circunstância e está feito. Sou mesmo ingénuo…
 
Bom, acho que a conversa começou mesmo com o meu paizinho a querer saber de onde ela tinha vindo, que não a conhecia de lado nenhum. Vinha da China (grande novidade!) para trabalhar numa multinacional com delegação em Lisboa, mas, nos tempos livres, vinha ajudar a amiga no restaurante. Ora, convém referir que o meu paizinho tem problemas sérios de audição, não domina o inglês oral, não domina o cantonense (dialecto outrora implantado no sul da China), não domina o mandarim (dialecto oficial que já meteu o cantonense na reforma), e tem uma lábia do outro mundo. A jovem apenas dá um jeito no português para o desenrasque, domina o inglês e, claro, domina a língua materna – o mandarim. Portanto, condições instaladas para uma conversa às apalpadelas.
 
Depois, ela quis saber por que cidades chinesas o meu paizinho já tinha andado, e lá fez ele um esforço de memória para relembrar nomes chinocas. E depois, ela quis que o meu pai dissesse qualquer coisa em chinês. Veio-me logo à ideia que ele ia aproveitar para mandar um piropo, mas, pensei, talvez não, que não fica bem a um senhor de setenta e quatro anos andar a mandar piropos a meninas de vinte e poucos. Acho que até fechei os olhos, como que a pedir a intervenção divina para que ele não se esticasse, mas parece que a oração não é algo em que possa ser mestre. Com um sorriso mafioso nos lábios, o meu paizinho lá disse em cantonense: “hou leng”! Fechei os olhos, desesperado. Como toda a gente sabe, “hou” quer dizer “muito” e “leng” quer dizer “bonita”.
 
Como se não bastasse, a rapariga não percebia mesmo nada de cantonense, logo não percebeu nada, logo foi necessário traduzir, em voz (muito) alta, em pleno restaurante, ao que se seguiu uma exibição do meu paizinho na escrita de caracteres chineses, aproveitando o facto de o mandarim e o cantonense serem dialectos completamente distintos mas que partilham a mesma escrita.
 
Por vontade do meu paizinho, ficava ali o resto da noite a desenhar caracteres chineses e a mandar piropos à rapariga, mas, se por um lado eu me afastei uns centímetros para mandar uma SMS de socorro a ver se alguém me ligava e assim tinha desculpa para bater em retirada, por outro, a rapariga começou a sentir-se mal por estar ali a dar conversa a um velhote quando se tinha comprometido ajudar a amiga nas lides do restaurante e aproveitou essa desculpa para zarpar do balcão e terminar a conversa. E pronto, viemos embora.
 
Nestas coisas, definitivamente, eu não saí ao meu paizinho. Sou mais do tipo de me armar em “sniper” e ficar, de forma muito camuflada, a abater alvos à distância. Enfim, gostos… pickwick

 

tags no estendal: , , ,
publicado por pickwick às 21:18
link | tocar à trombeta | favorito
Domingo, 9 de Dezembro de 2007
A Rici é uma balofa
Há já muitas semanas que a Sandy se foi. A Sandy, era a minha colega podre de boa, que pecava apenas pelo natural facto de estar prenha. Isto não é um comentário machista e pouco humano, mas, antes, um simples desabafo técnico. De um momento para o outro, e tal como já prevíamos, chegaram as ordens superiores para a rapariga ser transferida para outra instituição, à pala de uma gravidez de risco, devendo, portanto, ser substituída. À ansiedade que tomou conta de alguns trabalhadores durante alguns dias, seguiu-se o desalento e a desmotivação laboral. É que, para desilusão geral, a Sandy foi substituída pela Rici. Ora, é certo que antes a Rici que um gajo barbudo. Ou, num patamar mais básico, antes uma gaja que um gajo! É certo. Mas, podíamos ter tido um pouquinho mais de sorte. Mas, não tivemos. Saiu-nos na rifa uma tripeira balofa! Nos tempos da Sandy, ainda podíamos vislumbrar a lingerie que usava, por exemplo – se a memória não me falha, era sempre um soutien requintado e umas cuecas muito rascas e excessivamente usadas. Com a Rici, bom, para além de não dar vontade de saber que lingerie traz, também não dá para ver, já que a moça apresenta-se sempre de forma imaculada e conservadora. Ali, não há rego do cu que apareça para tomar um pouco de ar fresco. É uma espécie de convento-ambulante. Um convento rechonchudo, já que falamos nisso. A toda esta conjectura, chama-se um “grave decréscimo nas condições laborais”. Já não bastava a progressão na carreira congelada durante décadas e os aumentos salariais anuais de fazer rir, agora ainda temos que gramar com uma colega balofa. E eu ainda vou mais longe nas críticas: era preciso, também, ter uma pronúncia exageradamente tripeira?! O “B” não se diz “bê”, mas “biê”. O “3” não se diz “três”, mas “triês”. E por aí fora. Eu já nem ligo. Não ligo à pronúncia, nem às formas balofas do seu corpo que parecem querer saltar para fora da roupa, como que banha espremida por um cinto apertado. Formas e linguagem à parte, tenho a dizer que a Rici ainda é uma jovem, muito jovem, quase que acabada de sair da fase pós-teenager, mas que tem uma postura demasiado rígida e séria para uma moçoila daquela idade. Devia sorrir mais, abanar mais as nádegas – sem exagerar, para não partir nenhuma mesa ou portada -, e dizer umas piadas. É demasiado profissional naquilo que faz, não fraqueja, mantém tudo “na linha”, e é inegavelmente dedicada ao trabalho. Mas, não era isto que queríamos. Pelo menos, não era isto que eu queria. Eu queria uma colega jeitosa, airosa, arejada de roupa, sem chicha em excesso, com o elástico da cuequinha sempre à mostra, o decote sempre cheio de calor, com um sorriso maroto e que marchasse com as nádegas a dar-a-dar. Deveria ser menos profissional, para que pudesse ser repreendida segundo o secular método das palmadinhas no rabo enquanto sentada no colinho. Enfim. Ando a ver filmes a mais, parece-me. Ainda tinha algumas esperanças na Caty, outra das colegas novas deste ano, mas aquele metro e setenta de gaja parece-se cada vez mais com um cadáver a caminhar em cima de umas andas de cana rachada. Profissionalmente, não há ambiente! Há anos assim! Este é um deles! Ora bolas! pickwick
publicado por pickwick às 15:43
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (1) | favorito