Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arautos do Estendal

Ela, do alto das suas esbeltas e intrigantes pernas, veio caminhando quintal abaixo até ao estendal, dependurando a toalha onde, minutos antes, tinha limpo as últimas gotas de água. O Arauto viu, porque o Arauto estava lá. E tocou a trombeta.

Ela, do alto das suas esbeltas e intrigantes pernas, veio caminhando quintal abaixo até ao estendal, dependurando a toalha onde, minutos antes, tinha limpo as últimas gotas de água. O Arauto viu, porque o Arauto estava lá. E tocou a trombeta.

Arautos do Estendal

30
Jan11

Palito tangerina – parte 2

pickwick

Conversa havida no MSN, após recepção de uma SMS no telemóvel identificando o remetente como sendo a original e única “Palito tangerina”:

 

Pickwick – Não percebi a parte do palito, nem a parte da tangerina... isso é um desafio?

Margarida – É!! Se é! A outra não é a palito-meloa? Eu não tenho meloas, mas tangerinas! Sim?

Pickwick – Tens tangerinas????

Margarida – Tenho!

Pickwick – Mau... Assim tangerinas tangerinas, ou tangerinas laranjinhas?

Margarida – Tangerinas mesmo!

Pickwick – Estás a querer dizer-me que tens maminhas pequenininininhas do tamanho de tangerinas?

Margarida – Exactamente!

Pickwick – Achas bonito dizeres isso assim, dessa maneira tão... tão.. a seco?

Margarida – Pois, tens razão. Devia dizer-te : " Olha tenho um segredo para te contar! Tenho uma árvore dentro de mim, que dá tangerinas!"

Pickwick – Estás a arranjar lenha para te queimar... estás estás...

Margarida – Euuuuuuuuu??? O fogo fascina-me!

Margarida – Gostava de ter sido bombeira!

Pickwick – (abasteceste o frigorífico outra vez com minis, não foi?)

(…)

 

Nota da redacção: no longínquo primeiro dia do mês de Outubro do ano de dois mil e nove, num post intitulado “A crise do casamento”, fiz referência a uma colega de trabalho a quem, por pura necessidade técnico-linguística, chamei de “palito-com-meloas” (http://arautosdoestendal.blogs.sapo.pt/117712.html).

 

Nota do autor: lá mais para o verão, espera-se ansiosamente pela oportunidade de verificar, no terreno, qual é, de facto, o fruto associado ao palito em causa; porque, tal como diz o ditado popular – e muito bem -, há “sempre duas faces da mesma tangerina”... ou, “do mesmo fruto”… isto é, um fruto pode, aos olhos de alguém, parecer uma nêspera, enquanto que, aos olhos de outrem, parecer uma melancia encharcada em hormonas de crescimento... ou um Zeppelin trancado pelas amarras cruéis de um maléfico sutiã... ou um caroço de azeitona mirrado… ou… ou… ou é melhor ficarmos por aqui, está bem? Obrigado! pickwick