Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

Na Sopinha da Aguieira - ...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Segunda-feira, 10 de Setembro de 2007
Na Sopinha da Aguieira - 3
Já em casa, cervejinhas no congelador, batatas e chouriça para o forno, sal e salsa, e o jantar a caminho de se comer. Antes, ainda começámos a ver o filme. Tivemos que interromper para o jantar. No fim deste, gerou-se à mesa uma intensa discussão a propósito das aguardentes, cachaças e bagaços que deram entrada na minha cozinha, uns para consumo directo, outros para envelhecimento segundo técnicas requintadíssimas à base de madeira, outros para elaboração de licores ilegais. Não chegasse a discussão a nenhum resultado conclusivo, tivemos que resolver a questão através de uma sessão de provas, o que é muito bom, porque ajuda a fazer a digestão. E desentope o nariz. E alivia a tosse. Embora ninguém estivesse com problemas de saúde. Depois, já com a digestão em velocidade de cruzeiro, fomos ver o resto do filme “Flyboys”. O filme é fixe: aviões, biplanos, triplanos, mortos e feridos, decepados, tiros, fumo, um leão com coleira, franceses, francesas, revólveres, soldados, uma garrafa de conhaque com cem anos, alemães mal encarados, e a Jennifer Decker. Ah, pois é! Não fosse a Jennifer e o filme seria fantástico. A Jennifer veio estragar o filme, a fazer o papel de virgem carente, que não dá duas para a caixa em inglês mas que se apaixona à primeira vista por um piloto americano que não dá duas para caixa em francês, e fazem umas cenas românticas muito pirosas, ora debaixo de um carvalho, ora com ele a levá-la a passear de avião, enfim, do piorio. A Jennifer, que é francesa, tenta fazer o papel de virgem – entenda-se jovem mulher que nunca provou do que é bom -, mas muito mal. E, muito mal, porque não consegue disfarçar o ar real que a actriz tem por natureza: a de uma francesa ninfomaníaca, magricelas e depravada, com lábios perfeitamente adaptados ao desempenho de alguns actos de índole sexual, nomeadamente o mítico “bóbó”. Perdoem-me a franqueza, mas é mesmo assim. E mais. A Jennifer, no papel que desempenha neste filme, tem um efeito perverso nas mentes masculinas: traz à memória o sonho de se engatar uma mulher que não fala a nossa língua, nem nós a dela, com a fantástica vantagem de ela poder falar, falar, falar, falar, e isso não nos afectar minimamente, porque não percebemos chavelho do que ela diz. Aparentemente, e a menos que eu tenha adormecido nalguma parte mais monótona do filme, o piloto acaba por não lhe saltar para a espinha, o que também é bom, porque poupa o espectador a mais uns momentos de fastio. Posto isto, algumas conclusões sobre o dia.
1. Não andar de bicicleta num Domingo. No dia seguinte não haverá força nas pernas para subir qualquer lanço de escadas, nem espírito crítico para apreciar as pernas das colegas de trabalho.
2. Não discutir questões vinícolas à mesa. A coisa pode facilmente descambar para uma sessão de provas e acabar com uma violenta ressaca na manhã do dia seguinte.
3. Não ver filmes de guerra ou pancadaria que incluam virgens francesas protagonizadas por francesas com ar de tudo menos de virgens, a menos que seja um filme do Quentin Tarantino, estilo “Kill Bill” – pois, aqui, qualquer virgem pega numa espada e ceifa meia dúzia de cabeças, em vez de perder tempo com conversas da treta debaixo de um carvalho.
4. Não comprar equipamento completo de windsurf da década de oitenta por apenas cem euros.
5. Não esquecer de levar uma carabina com mira telescópica quando se vai passar um dia pacato junto a um extenso lençol de água; pode ser bastante útil para eliminar de forma eficaz e discreta alguns ruídos indesejáveis provocados pela anormalidade de alguns cidadãos.
6. Não sair de casa para um dia cansativo sem deixar o frigorífico devidamente abastecido; caso contrário, o regresso tardio ao lar poderia implicar a impossibilidade de fechar o dia com umas cervejinhas fresquinhas, o que se transformaria numa infelicidade imensa.
7. Não ligar a resultados de análises sobre a qualidade da água onde se toma banho; se seguirmos esse caminho, quando dermos por isso, estamos a tomar banho com garrafas de litro e meio de água do Luso, previamente fervida e desinfectada com lixívia.
8. Não comprar bicicletas sem motor.
9. Não passar o dia numa praia sem gajas em biquini, ou simplesmente sem gajas, como aconteceu, porque priva o homem de apreciar o que o mundo tem de mais belo.
10. Não dizer mal da Jennifer Decker, que até é elegante, francesa, engraçada e nada feia, embora pareça ter maminhas que mal dão para encher – as duas juntas - meia malga de caldo verde. pickwick
tags no estendal: , ,
publicado por pickwick às 00:10
link | tocar à trombeta | toques de trombeta (1) | favorito