Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

Estatística e Darwinismo

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quarta-feira, 25 de Junho de 2008
Estatística e Darwinismo

Outro dia, saí com uma amiga. Eu gosto de sair com amigas, como é óbvio, porque é uma forma simples de me obrigar a tomar banho, fazer a barba, lavar os dentes, vestir roupa lavada e passá-la a ferro porque ainda estava toda amarrotada após a seca. Quando a amiga é uma grande amiga, um gajo tende a desleixar-se ligeiramente, até porque já não adianta tentar disfarçar.

 
Mas, melhor que sair com uma amiga, ou com uma grande amiga, é sair com uma grande amiga com um grande decote! E foi o que me aconteceu hoje! Tem os seus riscos, claro, que um gajo é capaz de ter fama de pessoa decente e depois ser apanhado em flagrante com os olhos completamente enfiados no decote dela e o beiço de baixo descaído. Em especial, quando o decote é daqueles a esbanjar generosidade, em que o vestido é mais parco que o próprio soutien.
 
É um daqueles decotes em que um homem tem vontade de perder o tino, enfiar o nariz entre as duas maminhas e inspirar o perfume peitoral (e escrever frases disparatadas como esta, também). Ou enfiar o nariz entre as duas maminhas e adormecer, embalado pela ondulação peitoral (não melhora muito, pois não?).
 
Antes de sairmos, eu ainda lhe perguntei se não ia meter um alfinete para fechar um pouco o decote, mas o programa para hoje era mesmo uma jornada de generosidade. Eu que o diga, que passei o tempo a esticar a vista lá para dentro, completamente hipnotizado. Enfim. Sou um fraco, já sei.
 
O povo, obviamente, não ficou indiferente ao decote. Afinal, o povo é feito de seres humanos, com olhos, pescoço rotativo e radar incorporado. Curiosamente, a grande maior parte das pessoas que meteram descaradamente os olhos no decote da minha amiga, eram mulheres! É um curioso dado da estatística humana.
 
Para que raio é que uma mulher espreita o decote de outra mulher? Para comparar? Para se roer de inveja num ataque de masoquismo? Ah e tal, a da direita é quase do tamanho da minha esquerda. Carago, aquilo são balões ou são mesmo verdadeiras? Que vaca, se tivesse metade do que ela tem, também andava assim com elas a apanhar sol. Coitadinha, pára na estação de serviço para meter ar nisso, ó tábua! Enfim.
 
Os homens, esses, têm um motivo fácil para espreitarem o decote de uma mulher: a vontade imparável e infinita de enfiarem o nariz lá dentro. Afinal de contas, duas das principais diferenças entre a fisionomia do ser humano e do macaco têm que ter uma razão de existir: a mulher tem mamas proeminentes e o homem idem para o nariz, para que se encaixem na perfeição; a macaca não tem mamas (mamocas, vá) e o macaco tem nariz achatado, porque neles todo o prazer se resume ao encaixe das bacias. Coisas de Darwin, portanto. pickwick
tags no estendal: , ,
publicado por pickwick às 00:04
link | tocar à trombeta | favorito