Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

Mimi Privavera

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Sábado, 13 de Outubro de 2007
Mimi Privavera

Há, de facto, uma mulher com este nome. É verdade. Pensei que era uma graçola, mas é assim mesmo. Não a conheço pessoalmente, mas é por um triz que ela não trabalha na minha instituição. Por um lado, ainda bem. Se trabalhasse, era provável que eu me escangalhasse a rir à frente dela. Há nomes e há nomes, mas este não é, sequer, humano. Mimi é o nome que se dá a uma gata siamesa bisgarolha ou a uma cadela perneta. Ou a um prato de codorniz guisada. Mas, não se dá um nome destes a uma criança, que um dia será adulta, nem que seja apenas de corpo, e que terá que carregar o fardo de usar um nome infeliz. Os pais, neste caso, deviam ser espancados. Foram cruéis e egoístas. Até certo ponto, foram uns porcos! Ah pois é. Não podiam ter-lhe chamado Maria Madalena? Ou Felismina das Dores? Claro que podiam, mas não o fizeram. Não o fizeram, porque na altura do registo da criança deviam andar a tomar drogas e lá achavam que Mimi e Primavera eram as coisas mais lindas que podia haver à face da terra. Mimi dá vontade de dar beijinhos. Primavera é flores. Droga, beijinhos e flores. Depois, temos mais uma pessoa desequilibrada a partilhar o mundo connosco, que acha que o seu nome é o máximo, que é original e bonito, e que ela própria é bonita e maravilhosa, mesmo que seja uma brutamontes peluda e mal cheirosa sempre com dois macacos à porta do nariz. Se nasceu como cabelo escuro, será pintado obrigatoriamente com uma cor de laranja para cima. As calças (se tiver feito dieta e conseguir vestir umas) serão tipicamente com flores e franjas. Provavelmente, achará que a natureza deve seguir o seu curso e passará dias seguidos sem se lavar. Provavelmente, encontrará um maluco qualquer que lhe achará piada e lhe fará dois ou três filhos, que herdarão da mãe a parvoíce das flores e dos beijinhos, e do pai o dramático mau gosto. Enfim. Eu continuo a achar que as pessoas deviam ter autorização para procriarem. Sexo, tudo bem, é sempre a abrir. Mas, ter filhos, calma aí. Só com autorização. Há males que se podem evitar atempadamente, portanto, não há motivo nenhum para que aconteçam. Mimi Primavera… francamente! Se fosse um gajo, seria o quê? Pipi Morangos? Isso é que haveria de ser uma coisa linda… pickwick

publicado por pickwick às 00:10
link | tocar à trombeta | favorito