Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arautos do Estendal

Ela, do alto das suas esbeltas e intrigantes pernas, veio caminhando quintal abaixo até ao estendal, dependurando a toalha onde, minutos antes, tinha limpo as últimas gotas de água. O Arauto viu, porque o Arauto estava lá. E tocou a trombeta.

Ela, do alto das suas esbeltas e intrigantes pernas, veio caminhando quintal abaixo até ao estendal, dependurando a toalha onde, minutos antes, tinha limpo as últimas gotas de água. O Arauto viu, porque o Arauto estava lá. E tocou a trombeta.

Arautos do Estendal

08
Set07

Na Sopinha da Aguieira - 1

pickwick
No passado fim-de-semana, combinei uma ida à Barragem da Aguieira com o Nando e o Miguel. Porquê? Porque sim, e porque o Miguel queria ir treinar windsurf, e porque a água é salobra e dá vontade de ficar-se por lá de molho, como numa sopinha, e porque ainda é Verão. Para condimentar a coisa, obriguei-me a fazer o percurso de bicicleta, que é coisa de homem, até porque a distância de minha casa até ao sítio combinado é de cerca de 36 km. O Nando, que arranjou maneira de habilmente não trazer a bicicleta dele, ofereceu os seus préstimos para servir de “carro de apoio”. É bonito, ter-se um “carro de apoio”. Ah e tal, porque eu não sou como vocês, eu trabalho e preciso de descansar e mais não sei quê. Pois sim. Bem, os primeiros quilómetros da jornada correram bem, pelo menos até chegar à Lapa, num sítio onde a estrada passa por cima da linha e que, por isso mesmo, se eleva em altura, facto que serviu de pronta desculpa para desmontar da bicicleta e ir a pé. Vá lá, foi a única vez em todo o percurso que sucumbi à tentação de poupar-me ao esforço. Enfim. A sorte, é que o percurso tinha sido cuidadosamente estudado, havendo a certeza de que era quase sempre na horizontal, o que é muito bom para a saúde e facilita. As partes irritantes foram aquelas em que se atravessavam aldeias e aldeolas, trocando-se o piso de alcatrão perfeito por um montão de “paralelos” de pedra, obrigando a um passo de caracol e à sensação de que a bicicleta se iria desmembrar toda a qualquer momento. Não se pode ter tudo, é sabido. Em jeito de reclamação, tenho a dizer que fiquei extremamente desiludido por não haver exemplares do sexo feminino nas ruas das aldeias por onde passei. É desmoralizante! Só gajos com mau aspecto e automóveis estacionados. Assim, não estão reunidas condições para um passeio de qualidade! Adiante, mais à frente, já quase a chegar à barragem, e na dúvida sobre qual o caminho a tomar para rodear as bombas de gasolina e atravessar a ponte, liguei para o meu “carro de apoio”. Do outro lado, um toque de conforto: “estou perdido”. Excelente! Não sei quê IP3, nomes de aldeias para aqui, nomes de aldeias para acolá, mas, pronto, lá nos encontrámos e rumámos ao local combinado com o Miguel. Contudo, achei por bem obrigar o “carro de apoio” a pagar um fino no “Lagoa Azul”, até porque estava muito calor, a garganta estava seca e uma cervejinha cai sempre bem a qualquer hora. O Miguel, já na “praia”, tinha acabado de chegar com o seu C3, prancha de windsurf no tejadilho e um desejo enorme de se fazer à água. Fomos testar a qualidade da sopa, que se mantinha a uma temperatura agradável, convidando-nos a ficar a boiar, como se fossemos feijões e ervilhas. Ui! Do melhor! Não sabia que montar o equipamento para a prática de windsurf dava tanto trabalho! É só mecanismos esquisitos, fitas para aqui, esticadores para ali, encaixa dali, estica de acolá, enfim. O Miguel já suava por todos os cantos. Um caiaque acho que dava menos trabalho. Mas, pronto, gostos são gostos. Levámos a prancha para a água, para encaixar o mastro da vela, e puf. O encaixe da vela na prancha partiu-se. Ah e tal, isto tudo custou-me 100 euros em segunda mão, material de mil novecentos e oitenta e não sei quê, tinha o Miguel anunciado minutos antes. Eu ainda gostava de saber quem foi o anormal que inventou um encaixe daqueles, em plástico, com cerca de quinze milímetros de diâmetro. É normal? Claro que não é normal! Não lembraria a ninguém! No mínimo, um encaixe em aço, com trinta milímetros de raio, que é para não se partir e estragar o dia ao dono e aos amigos do dono que tinham vindo de tão longe para apreciar a arte de surfar com a força do vento. Por falar em vento, esse estava de férias, de tal maneira que um barquinho à vela que velejava algures no meio da barragem, ficou sem energia e os desgraçados ficaram ali incontáveis minutos completamente parados no meio do nada. Com tanta energia dispendida na montagem do equipamento (o Miguel a montar e nós a darmos apoio moral), e com o choque psicológico de vermos o encaixe partido, fomos atacados por uma fome horrível. Corremos para a pseudo-sombra de umas mimosas e começámos a tratar do almoço. Ementa: presunto, chouriço assado, pão e batatas fritas. Acompanhamento: três garrafas de tinto. Sobremesa: licor de uva caseiro. Há uma grande vantagem em não se fazer um piquenique com gajas. A ementa é muito mais restrita e limitada, sendo possível, assim, apreciar com mais rigor a qualidade e o sabor dos itens disponíveis. Não somos obrigados a comer rodelas de tomate, a catar lascas de cenoura, a debicar folhas de alface, a provar a colheita de sumo de laranja e a mordiscar uma maçã, só para ficarmos bem na foto e sermos simpáticos. Não há rissóis, croquetes, empadas, doces caseiros, rolinhos de fiambre e queijo, e outras iguarias perfeitamente dispensáveis. No fim, até podemos terminar tudo com uma boa cigarrilha. E a meio, quando nos apetece, como aconteceu, podemos levantar da “mesa” e ir a correr para a água refrescar o corpo aquecido por um intenso dia de Verão. Só tivemos um pequeno deslize, cuja culpa nos é alheia: uma das garrafas de tinto estava estragada, sendo que o líquido sabia a groselha com detergente para a loiça e fazia muita espuma. Azar. pickwick