Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Terça-feira, 24 de Junho de 2008
A moda em Rambo III

No fim-de-semana que findou ainda há tão pouco tempo, tive uns momentos de nostalgia pura, por ocasião da passagem do mítico “Rambo III” no canal AXN (na Cabovisão). E como é que eu vi o canal AXN? Porque estava em casa de uma amiga. E porque é que eu estava em casa de uma amiga? Porque a amiga me arrastou para lá. E porque é que eu me deixei arrastar para lá? Porque sou um franganote e o decote dela é extremamente convincente. E porque é que eu fiquei a ver o Silvestre em tronco nu em vez de comer a amiga? Bem, quem disse que eu não comi a amiga, hem?

 
Já estou a desconversar. Seja como for, a vantagem de alguns canais de televisão por cabo é que repetem os mesmos filmes em menos de 24 horas. Esta técnica de programação é excelente para os filmes que começam num sábado à noite e apanham um gajo desprevenido e cheio de sono. Nestas alturas, o cérebro entra em manobras e muitas são as cenas dos filmes que ficam na zona branca da memória. Nalgumas destas manobras, por vezes surge um vergonhoso fio de baba a escorrer pelo canto da boca. Enfim, entretanto alguém dá uma cotovelada, o cérebro tem um pico de corrente eléctrica e o corpo vai para a cama. A meio da tarde, repetem o filme. Aí, um gajo apercebe-se dos momentos em que o cérebro parou e exclama: “ena pá, eu não me lembro desta cena!...”
 
Mas, o intuito de escrever sobre este clássico do cinema, é denunciar a gadelha impressionante do Silvestre neste filme. Note-se que eu sempre fui – e ainda sou – um fã da saga Rambo. Ele encarna o meu desejo secreto de partir a cara e os ossos a uma longa série de gente. Sobre a gadelha, confesso que hoje desceu-me sobre a cabeça um balde de água gelada. Quase que uma facada nas costas!
 
Eu explico. O Rambo é assim um gajo todo macho, muito viril, de peito varonil e porte musculado, como bem sabeis. Mas, aquele penteado…
 
Bom, eu sei que foi em 1988 e por essa altura havia umas modas um bocado abichanadas, em que, supostamente, as mulheres adorariam que os homens se vestissem com roupa larilas (às flores, por exemplo) e tivessem cuidados tipicamente femininos com o cabelo, ao ponto de usarem penteados de gaja em filmes de tiros, bombas e facadas, como foi o caso deste. Quando o cabelo andava molhado, bem, ainda disfarçava, faz de conta que estava empapado em lama e sangue. Mas, nas cenas em que estava seco, por favor!, aquele aspecto larilas não se conseguia sem um mínimo de quarenta e cinco minutos nas mãos de uma cabeleireira! Só faltava cheirar a pêssego!
 
Foi sensivelmente por essa altura, segunda metade da década de oitenta, que os meus compinchas me obrigaram – com argumentos da treta baseados em tácticas de caça às fêmeas – a andar, pelas ruas da cidade mais densamente povoada do mundo, com botas à cowboy, óculos espelhados, blusão preto e mousse no cabelo. Sim, mousse no cabelo! E andava eu no ginásio a fazer musculação, diariamente, para depois fazer figuras destas em público. Tenho uma foto desse dia no meu quarto. Olho para ela. Olho para o penteado do Silvestre no “Rambo III”. Realmente, seguir a moda é o caminho mais rápido para parecermos uns patetinhas, daqui a duas décadas. pickwick
tags no estendal: ,
publicado por pickwick às 00:03
link | tocar à trombeta | favorito
1 comentário:
De Inês a 24 de Junho de 2008 às 14:20
Eu gosto do penteado do Rambo, é sexy.
Não queres publicar esse foto? :P

tocar à trombeta