Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quinta-feira, 19 de Junho de 2008
Sacana da Paula

A Paula (nome de código) é uma miúda porreira, lá do trabalho, com quem eu simpatizo e por quem tenho bastante estima, acrescendo de forma positiva o facto de ser bem apetrechada frontalmente, pese embora a falta de sintonia e estética abaixo do umbigo. A propósito da ida do parque mencionado no post anterior, mostrei-me completamente renitente em participar na coisa. Ela insistiu, ah e tal, anda lá, deixa-te de fitas, não sei quê da piscina, blá blá blá, deixa-te disso e tal. E eu respondia, que não, que não gosto de más companhias.

 
É que, entre o magote de gente, iria uma das peruas – ainda por cima, a mor – que me têm deixado o sistema nervoso infestado de pulgas ao longo deste ano de iniciação ao patronato. Confesso que é daquelas pessoas a quem eu partiria o pescoço com o maior das descontracções. Tem focinho de pintassilgo, ombros estreitos tipo canguru, e umas nádegas da largura do Mississipi. Ah, e também tem graves problemas de memória. Bom. Eu, que já não gosto de patuscadas de âmbito profissional, ainda menos gosto quando me apetece partir o pescoço a um dos participantes.
 
A Paula, que é boa rapariga, lá insistiu, e tal, que não sei quê depois das boleias para voltarmos todos porque não sei quem ia para não sei onde e tal e coisa. Quando dei por isso, já estava entalado ao volante do carro com nove frangos assados atrás do banco e um fedor a molho barato por todo o lado.
 
Dada a dimensão do magote, quase que não dei pela perua, o que me permitiu esfrangalhar com gosto as coxas e peitos de frango. E assim foi durante o resto da tarde, inclusive dentro da piscina. Aliás, neste ambiente aquático azulado, a minha atenção estava completamente focalizada no controlo e fiscalização de fraudes, pelo que quase não dei por ela. Vá, minto. Dei uma vez, quando saiu para fora de água e mostrou aquele corpo foleiro e disforme. Um nojo. Adiante.
 
Quando eu pensava que a tarde até ia acabar bem, chegou a hora do regresso. Ah e tal das boleias, fulanos vão com sicranos, A e B vão com C, etc. Ainda não consegui perceber se a Paula fez de propósito para se vingar das minhas iniciais reticências à participação no evento… mas, com tanto carro e tantas boleias, acabei com a perua sentada no banco do morto no meu carro! No meu carro, carago! No banco de trás ia a ruiva, uma colega simpática, que se deve ter divertido à brava com o esquema. Aliás, lá atrás devia dar para ver bem a espuma a sair-me pelo couro cabeludo. Não descansei enquanto o silêncio não se abateu naquele espaço apertado entre quatro portas. Raios me partam a sorte!
 
Uns bons minutos depois de termos regressado todos à instituição, um grupinho de colegas fêmeas divertia-se a relembrar a situação. Parece que seguiam num carro uns metros atrás, onde reinava a galhofa às custas da minha triste sina… sacana da Paula… amanhã faço-lhe a folha… pickwick
tags no estendal: ,
publicado por pickwick às 00:01
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres