Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quarta-feira, 9 de Abril de 2008
Quatro nonos
Algures num dos dias úteis da semana passada, esteve muito calor. Exemplares do sexo feminino, num simpático gesto de boas vindas à Primavera e ao sol e ao calor, apresentaram-se em público com as camisolinhas de quando tinham oito anos, que, como se isso não bastasse, encolheram três vezes na máquina de lavar.
 
Eu, como é hábito, estive atento às movimentações, não fosse alguma querer dar um golpe de estado no Sócrates, ou assaltar um hipermercado Continente. Tanta atenção a estas coisas da vida, leva-me a mente por trilhos ainda por desbravar, entre arbustos de mistério e penedos obscuros.
 
Estive atento, e inventei uma medida padronizada, digna de menção no Sistema Internacional de Unidades. Chama-se “quatro nonos” e representa a fracção de maminha que fica a apanhar ar num dia de muito calor.
 
“Quatro nonos” é uma unidade de medida única, sem sub-unidades, sem escalas, sem nada. Ou tem quatro nonos da maminha ao léu, ou não tem, e neste caso não interessa. Como cheguei a esta fracção? Bom, podia começar por que dizer que ah e tal, são muitos anos de experiência, mas prefiro contar a verdade.
 
E a verdade é que este resultado aparece depois de longos anos de intensas observações e gigantescos estudos estatísticos. Assim, concluí que, se dividirmos a maminha em nove partes iguais, cobrir cinco dessas partes com tecido é o derradeiro gesto para esconder, à tangente, à justa, ao milímetro, o moreno mamilo do pudor. Sim, porque o que provoca pudor não é uma mama-melon-size, nem a exposição de generosos balões, mas, tão só e apenas, a exibição dos mamilos. Ou seja, a mama pode mostrar-se toda, o mamilo é que não. Se o mamilo se vê, pronto, já está nua. Se o mamilo ficar coberto por uma rodela de kiwi, ah e tal, que menina tão pura, está tão vestida!...
 
Andreia, querida, se a tua tia te apanha nesses preparos, espeta-te três bufardos nas mandíbulas e põe-te a cavar batatas com as unhas durante um mês! Põe-te fina! pickwick
tags no estendal: ,
publicado por pickwick às 20:52
link | tocar à trombeta | favorito