Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quinta-feira, 10 de Agosto de 2006
Sonho
Lisboa, 2 da manhã. Dirijo-me para a estação de metro dos Anjos, quando reparo que houve um acidente enorme na Avenida Almirante Reis. Curiosamente, estava apenas um carro envolvido, mas imensos sem-abrigo tinham sido atropelados e todos tinham perdido metade da perna esquerda. Ainda mais curioso, os cotos saravam em questão de segundos. Não me alongo muito em observações, enquanto me continuo a dirigir para as escadas do metro. Aparentemente o túnel de acesso só dá para passar uma pessoa de cada vez, o que forma uma fila dantesca de aleijados a avançar de canadianas e andarilhos metro adentro. Eu estou muito bem vestido, se me recordo. Finalmente chego a uma zona mais larga, e começo a ultrapassar a filinha indiana. Estou atrasado para chegar a qualquer lado. Cruzo-me com um sujeito em passo acelerado, que tem o braço direito do tamanho do corpo todo, de tal modo que só usa uma canadiana - do lado esquerdo – e usa o braço gigante para se apoiar no chão. Quando passo por ele, fita-me com os olhos brilhantes e pergunta, triunfante: “Puto, já te prostituíste?”.

Nota: Paga-se em chocolates belgas a quem apresentar a melhor interpretação onoríca, desde que não se incluam as palavras “falta”, “de” e “sexo” na mesma frase. riverfl0w
tags no estendal: , ,
publicado por riverfl0w às 14:27
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres