Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arautos do Estendal

Ela, do alto das suas esbeltas e intrigantes pernas, veio caminhando quintal abaixo até ao estendal, dependurando a toalha onde, minutos antes, tinha limpo as últimas gotas de água. O Arauto viu, porque o Arauto estava lá. E tocou a trombeta.

Ela, do alto das suas esbeltas e intrigantes pernas, veio caminhando quintal abaixo até ao estendal, dependurando a toalha onde, minutos antes, tinha limpo as últimas gotas de água. O Arauto viu, porque o Arauto estava lá. E tocou a trombeta.

Arautos do Estendal

26
Set07

O poder da queca

pickwick
(comentário político… isento, imparcial, apartidário e sem cebola) 
Notícia:

O Tribunal de Relação de Coimbra atribuiu a custódia da pequena Esmeralda ao pai biológico, Baltazar Nunes, no âmbito do processo de regulação do poder paternal que o opunha ao casal que tinha a menor à sua guarda. A decisão será hoje enviada às partes envolvidas no processo.”

Eu até gostava de me pronunciar sobre casos mediáticos, como o da menina Esmeralda, que não conheço, e da menina Madalena, que também não conheço. Gostava, mas evito. No entanto, há algo nesta notícia que me espanta, mas não deveria espantar. Não tem que ver com a própria Esmeralda, coitada, que não conheço, nem com os adultos envolvidos na palhaçada em que a coisa toda virou, às custas de jornalistas ávidos de qualquer porcaria que possa ser publicado e, de preferência, que possa assanhar e estragar a vida de alguém. E, também, às custas do ser humano parolo e pobre de espírito que habita no corpo e mente de oitenta por cento dos portugueses. Tem que ver, isso sim, com o poder da queca. Ah pois é! É que, quando falamos de um “pai biológico”, estamos a falar, precisamente, do poder da queca. O amigo Baltazar, que, mesmo sem o conhecer, aparenta ser um bandalho equiparado a chimpanzé, deu um dia uma queca, limpou-se ao guardanapo e meteu-se ao fresco. Os pormenores não interessam. O facto é que deu uma queca e engravidou a moçoila que viria a parir a Esmeralda. Todos nós, rapazes bem dispostos, gostamos de dar uma queca. Dá saúde e proporciona bem estar. Eventualmente, essa queca pode transformar-nos em pais biológicos. Se, depois, vamos ser pais ou não, isso não interessa. Pais biológicos somos logo à partida, mal a moçoila esvazie a barriga. É impressionante! O poder da queca, no entanto, revela-se ainda mais impressionante quando surgem situações como esta, que envolve a menina Esmeralda, em que uma simples queca tem mais valor do que anos de amor, carinho e afecto. Não faz muito sentido. Imagine-se, o Baltazar, seboso, porcalhão, mal cheiroso e extremamente grosseiro, já a perder o tino depois de meia grade de Sagres, apanha a Aidida a jeito, rasga-lhe o saiote e zás!, penetra-a com a suavidade de um martelo pneumático a abrir caminho numa parede de cimento armado. Em dezoito segundos vêm-se dentro da Aidida, dá um arroto, chama nomes feios à rapariga, peida-se à valente, e atira o corpo nojento para cima de um colchão fedorento, adormecendo profundamente. A Aidida chora, coitada, por não lhe ter saído na rifa um rapaz decente e simpático. É a vida! Noutro mundo, à parte, mais adiante, um casal minimamente estável trata o fruto daquela queca da treta com todo o amor, carinho e afecto de que é capaz, como se uma sua filha se tratasse. Anos mais tarde, uma sua excelência da treta mete nos pratos da balança a queca, num, e o amor e o carinho, no outro. Com um estrondo fantástico, o prato da queca estatela-se na mesa, com evidente supremacia de peso. Amor, carinho, afecto? Pffff… que é isso?, gente! Se deu a queca, isso é que conta! Isso é que vale. É o pai biológico e não se fala mais nisso! O amor e o carinho são banalidades, insignificâncias, parolices cor-de-rosa. Coisa de homem é dar a queca, engravidar a miúda, gritar ahhhhhhhh e bater os punhos no peito como o Tarzan! Baltazar, nós sabemos o que tu queres! Disfarças mal, é o que é. Queres uma pita em casa para lhe fazeres festinhas ao colinho, para… enfim… já ia para aqui começar a disparatar, mas não vale a pena. No meio disto tudo, só tenho pena de duas pessoas: a Esmeralda, coitada, que vai sofrer no corpo a tua doença mental e a tua preversão; e a sua excelência da treta que adulterou a medição da balança, pervertendo os valores mais básicos que nos distinguem dos animais bravios, sinal evidente de uma grande pobreza de espírito e de uma muito má formação pessoal. Esmeralda, se me estás a ler, cuidado: se o teu paizinho biológico começar a querer fazer-te festinhas, afinfa-lhe com um golpe de alicate universal nos testículos! Perde logo a vontade de querer ser homem. pickwick

2 comentários

  • Imagem de perfil

    pickwick 27.09.2007

    Caro Zé da Burra,
    Não tem que concordar ou deixar de concordar com a minha opinião sobre a entrega da Esmeralda ao pai biológico. Não tem, porque a minha opinião não foi sobre essa decisão. Aliás, não tenho opinião sobre essa decisão, sequer. A minha opinião foi, simplesmente, sobre o evidente excesso de peso e direito que é dado pela lei a quem basicamente fecunda uma mulher. Não neste caso em particular, mas em todos no geral. É uma lei animalesca, onde predomina o animal selvagem e se despreza tudo o resto, especialmente o que deveria fazer de nós uma suposta sociedade evoluída. Obviamente que, para abordar o assunto, tal como faço com outros assuntos, sigo caminhos que, quando levados a sério por leitores sérios, dão lugar a interpretações que nada têm que ver com aquilo que penso. Este não é, claramente, um blog sério. Para leituras sérias, há outros blogs, muitos até. Seja como for, obrigado pelo esforço de ler o texto até ao fim. Volte sempre, pois é sempre bem vindo.
    Cumprimentos.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.