Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Sábado, 15 de Setembro de 2007
Luciana and her new boobies
Eu não sou de ler revistas com notícias deste calibre, mas, aconteceu. Chegou a casa mais uma edição da revista da Cabovisão, enviada gratuitamente (ou não) para todos os seus clientes, a qual abri ingenuamente. Pimba. A Luciana Abreu na rifa. Chiça! Assim, na foto, até parece uma mulher toda boazona, quase que perfeita, não fosse a experiência do apreciador já denunciar uma tendência crónica desta mulher para inchar por todos os cantos, assim que parar com o jejum. Luciana, desculpa lá, mas não consigo ser benevolente para contigo. Mesmo sabendo que, pelos vistos, foste para cima de um palco com as maminhas novas a doerem muito. Chamam-te profissional. Eu chamava-te outra coisa, mas agora não interessa. Para que é que uma miúda que veste flores vai meter borracha nas maminhas? Para que é que revistas fazem notícias sobre as maminhas de borracha da miúda? Para que é que uma miúda vai para cima de um palco com as maminhas a doerem? E como é que o pessoal que estava no concerto descobriu que ela tinha um soutien com um novo tamanho?! Estes madeirenses são do caraças! A menos que, e já nada me espanta, a Luciana tenha subido para cima do palco e levantado a blusa para mostrar a novidade a toda a gente, provocando uma ruidosa onda de uivos. Sim, uivos, que na Madeira o que há mais é grotescos comedores de garotas e esfaimadas lésbicas de férias. Nada contra, claro. E o que virá a seguir? Uma onda de histeria das pitas portuguesas a atormentarem as mães para lhes pagarem uma ida à faca e um par de bolas de borracha? Não é preciso muito! Temos a televisão, temos as histéricas e temos o dinheiro. Improvável? Não parece. Se elas querem, à viva força, ir para a escola com blusas da Floribella, com uma saia da Floribella, lápis da Floribella em estojos da Floribella, cadernos e mochilas da Floribella, meias da Floribella e o sorriso idiota e depravado da Floribella, só ficará mesmo a faltar as maminhas novas da Floribella, certo? Borracha, silicone ou massa para vidros, tanto faz, o que interessa mesmo é dobrar a espinha para trás – como a Floribella – e fazer sobressair o que quer que seja de volumoso que tragam ao peito. Pessoalmente, acho que daqui sairá uma tragédia nacional. Por um lado, qualquer viagem de transportes públicos parecerá a visita a uma fábrica de colchões de água, com um repetitivo “shlok, shlok, shlok” a soar nos peitos de todas as pitas, adolescentes, jovens mulheres e mães delas todas (que não quereriam, nem por nada, ficar atrás). Por outro lado, e tendo em conta que a esmagadora maioria das miúdas portuguesas tem maminhas de muita qualidade e volume perfeito, o resultado de uma corrida às mamas de borracha transformará o panorama feminino nacional numa manada gigantesca de réplicas da Dolly Parton. A Dolly, para quem não sabe, nos seus tempos de glória da canção, tinha o hábito de atirar as mamas para trás das costas para poder cantar com mais afinco e afino. Anos mais tarde, já quarentonas, estas agora pitas terão que se confrontar com dramas vários: os filhos desgostosos e traumatizados com meses a mamar leite com sabor a borracha, os graves problemas de coluna por causa do esforço continuado para evitar que as mamas toquem no chão, a recauchutagem da borracha por causa do desgaste, a eventual reposição do tamanho original (quando o juízo regressar) e as consequentes e horríveis cicatrizes, o prejuízo das empresas de fabrico de soutiens confrontadas com uma quebra brutal e inesperada nas vendas de soutiens XXXL, etc. E, isto tudo, porque uma tal de Luciana se lembrou de meter borracha nas mamas. Luciana, se leres isto, ainda estás a tempo, adiciona-me no MSN para desabafares um pedaço e eu te convencer a voltar com as tuas maminhas ao tamanho natural. O endereço? Ah e tal, pickwick e não sei quê do sapo. Mas não metas flores na imagem de apresentação, ok? Estou mais numa de bifes. pickwick
publicado por pickwick às 00:04
link | tocar à trombeta | favorito
8 comentários:
De catia a 15 de Setembro de 2007 às 13:38
Luciana e suas novas mamas... francamente! Era a única coisa que lhe faltava para ser mais "in"? Com franqueza, a miúda se não tinha maminhas que chegue, que comesse mais pele de galinha quando era pequena. Ficavam maiores e eram 100% natural!
Esta luciana abreu mais a sua legião de fãs pitas e histéricas irritam-me. E concordo contigo quando dizes que, mais tarde ou mais cedo, todas essas adolescentes e pré-adolescentes e criancinhas imberbes ainda agora paridas tão já a pedir, não tarda nada, um par de mamas de borracha à mãe!
De pickwick a 15 de Setembro de 2007 às 14:22
Querida Cátia,

Comer pele de galinha quando se é criança ajuda a ter umas maminhas maiores e muito naturais? Eh pá... as coisas que eu aprendo aqui. Este método deveria ser divulgado à nação. Bem, inconscientemente as mães portuguesas já alimentam as suas meninas com muita galinha, ora na canja, ora no churrasco, ora guisada, mas não devem saber dos efeitos benéficos. Talvez seja por isso que a maior parte das mulheres portuguesas tem seios excelentes, de dimensões agradáveis à vista e ao tacto. Viva a pele de galinha! Viva!
De catia a 16 de Setembro de 2007 às 21:04
Segundo a sabedoria popular (e já oiço isto desde tenra idade!) a pele de galinha faz crescer as maminhas! Talvez seja por isso que há muita mulher com os peitos bem abonados! Pelo sim, pelo não, sempre comi a minha pele de galinha bem tostadinha. Genética a trabalhar ou os benefícios dessa pele milagrosa, não me posso queixar do resultado da minha puberdade... E mesmo que fossem pequenas, sou completamente contra o implante de silicone, devemos gostar daquilo que somos e do que temos sem sermos umas barbies plastificadas e todas recauchutadas!
De pickwick a 22 de Setembro de 2007 às 20:55
As coisas que eu aprendo contigo... uiiii...

tocar à trombeta