Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arautos do Estendal

Ela, do alto das suas esbeltas e intrigantes pernas, veio caminhando quintal abaixo até ao estendal, dependurando a toalha onde, minutos antes, tinha limpo as últimas gotas de água. O Arauto viu, porque o Arauto estava lá. E tocou a trombeta.

Ela, do alto das suas esbeltas e intrigantes pernas, veio caminhando quintal abaixo até ao estendal, dependurando a toalha onde, minutos antes, tinha limpo as últimas gotas de água. O Arauto viu, porque o Arauto estava lá. E tocou a trombeta.

Arautos do Estendal

06
Set07

As férias não tidas

pickwick
Isto deve ser já um efeito crónico e inconsciente. Todos os anos, desde há alguns para cá, o final do Verão é um período macabro. É a sensação obscura de umas férias nunca tidas. Como se não tivesse havido Verão. Como se não tivesse havido férias. Bom, este ano, com a brincadeira do patronato, não tive mesmo usufruto dos dias todos de férias a que tinha legalmente direito, mas isso é um pormenor técnico a corrigir com firmeza em 2008. É como se o tempo fugisse à nossa frente e não o conseguíssemos agarrar. Agosto a acabar, nenhum plano concretizado, nenhum dia aproveitado, nada feito. Entra-se em paranóia e tenta-se, de forma atribulada de nada sensata, dar uso ao tempo, recorrendo a expedientes ridículos e inúteis. Ano após ano, torna-se cada vez mais irritante. Aqueles planos todos, ah e tal, este Verão é que vai ser, vou escrever um livro, vou andar muito de bicicleta, vou levantar pesos e ficar com um corpo musculado e perfeito, vou alimentar-me saudavelmente, vou desenhar, vou nadar, vou passear na serra, vou fazer isto, vou fazer aquilo, vou conhecer não sei quê, vou visitar não sei quem, vou ao banho, vou beber umas cervejolas geladas com os amigos, vou ver filmes até me fartar, vou comprar um caiaque, vou acampar, vou arrumar a casa, vou arrumar a garagem, vou limpar o jardim, vou inventar qualquer coisa, não sei quê, e ah e tal. Pois sim. Passa-se o Verão e as únicas coisas que aconteceram foram um incremento de peso, um alargamento do perímetro corporal, uma consolidação do sedentarismo, e um permanente ar de estúpido ao ver o tempo a passar. O problema será do excesso de planos ou da falta de vontade de os concretizar? Será do inconsciente a gritar: “não te mexas, é Verão, é férias, ‘tá quieto!”? Não se cumprem compromissos, deixam-se atrasar coisas para fazer, não se responde aos e-mails, não se arruma nada, e o tempo passa, devagar, dando oportunidade para tudo fazer mas não deixando espaço para nada. É triste, mas assim se acabou mais um Verão. O melhor, é não entrar na fase seguinte: a tal em que se começa a fazer planos e promessas para o que vem a seguir. Ah e tal, este ano é que vai ser, vou andar de bicicleta todas as semanas, vou escrever um livro, vou voltar a praticar Judo, vou levantar pesos, vou acampar para a serra, vou isto, vou aquilo, blá blá blá. Francamente! Vou é ver o tempo a passar, feito parvo, até chegar Junho e fazer mais uma bem intencionada lista de planos para o Verão de 2008, que depois não vou concretizar, à quase seguirá mais uma lista de planos e intenções para 2008/2009, que não se concretizarão, e por aí fora, como se isto tudo fosse uma droga que transforma um gajo aparentemente normal numa máquina fraudulenta de planeamento do futuro. Também gostava de saber porque é que o relógio marca 4h56 da madrugada, quando daqui a um bocado tenho que estar no local de trabalho, armado em dedicado membro do patronato, com umas olheiras exageradas e a arrotar de forma azeda a Bacalhau à Zé do Pipo (ainda). Por falar em planos, aqui fica uma lista íntima para 2007/2008:
- levar a bicicleta ao mecânico para substituir a roda dentada traseira e assim poder ter acesso às mudanças todas.
- limpar definitivamente o jardim.
- ir ao ortopedista ver o que se passa com o cotovelo direito.
- ir ao ortopedista ver o que se passa com o fundo das costas.
- ir ao dermatologista perguntar se vou morrer em breve com um cancro da pele ou se tenho que passar a vergonha de chegar aos 90 com a pila murcha e um par de bengalas.
- ir ao alergologista certificar-me da minha alergia a gatos e gatas com pêlo.
- ganhar o Totoloto ou o Euromilhões para poder pagar todas aquelas idas aos médicos e, ainda, trocar de casa e mudar-me para uma sem vizinhos nem vizinhas.
- escrever mesmo um livro.
- ir de minha casa a Aveiro, na bicicleta, e, ao lá chegar, ensopar-me completamente em cerveja.
- arrumar a garagem, ao fim de quatro anos e meio de desarrumação e pó.
- levantar mesmo pesos, para tentar suprimir a fisioterapia que não fiz depois das luxações que tive em cada um dos ombros.
- tirar da cozinha as centenas de garrafas vazias de cerveja que se têm vindo a acumular nas últimas dezenas de meses, fruto do consumo desenfreado dos meus amigos que me visitam, pois, como se sabe, eu nem gosto de cervejolas fresquinhas.
- comer mais legumes e frutas, e abandonar a prática negra de comprar latas de leite condensado às escondidas e mamá-las de pênalti.
- evitar, a todo o custo, elaborar uma lista de coisas para fazer no Verão de 2008. pickwick

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.