Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quarta-feira, 5 de Setembro de 2007
O Forno e o Zé do Pipo
Aproveitando a proximidade das fraldas da Serra da Estrela, demos um pulinho à bela e apetecível Praia Fluvial de Loriga. Água límpida, extremamente potável em comparação com o caldo suspeito que corre das torneiras das vilas e cidades, cheia de relva e com escadinhas a dar para a água. Uma coisa lindíssima. Ah e tal, splash, mergulho, spaf, spaf, braçadas, ui e tal, salta para fora da água que o sol já se pôs e a ventania não agrada. Mais uma paragem ou duas, para visitar este e aquele ermo, e fomos parar ao belo do lugar da Senhora do Desterro, ali mesmo à beirinha de São Romão, Seia. A Senhora do Desterro é conhecida por ter quase mais capelas do que casas. Em tempos idos contei pessoalmente nove capelas, mas, desta feita, vi um quadro com fotografias de dez capelas. Enfim, deve ser mais um daqueles produtos das mentes pirosas dos novos-ricos. À beira da ponte, como que a chamar por nós, estava o restaurante “O Forno”, o qual faz parte do roteiro turístico da zona. Ainda vacilámos, entramos, não entramos, entramos, não entramos, pois uma tasca num lugarejo no sopé da serra tanto pode ser uma surpresa agradável como um poio mal cheiroso onde pomos o pé por engano. Enfim, dada a hora da noite, optámos pelo risco, como se a ida a um restaurante desconhecido fosse uma actividade radical com requisito de uso de capacete. Cá fora, uma placa de ardósia anunciava a modalidade de 12,50 euros para pagar entradas, pratos, sopas, sobremesas. Bebidas à parte. Dava a entender que o serviço seria abundante. É o preço normal para um rodízio à brasileira com infinitas fatias de carnes e infinitos feijões pretos. Ah e tal, a casa funciona assim, explicava a senhora que nos atendeu. Éramos os únicos clientes. Azar do caraças, o único prato – o prato do dia – era Bacalhau à Zé do Pipo. Torci o nariz ao ver frustrados os meus intentos de comer um mega-bife e afogar as mágoas num balde de batatas fritas. Ainda assim, imaginei uma mega-posta de suculento bacalhau, que, com um bocadinho de imaginação, poderia passar por bife de novilho. Vieram as entradas. Frustração. O presunto não se serve com coirato! Tive uma sensação idêntica à que teria um dinossauro esfomeado a invadir uma aldeia alentejana e a meter à boca todos os habitantes, os quais tinham o estranho hábito de estarem sempre agarrados a uma enxada com cabo em madeira maciça. O queijo não se serve rançoso. Serve-se fresquinho, com ar de quem foi cortado agora mesmo, e não com ar de sobra de um pequeno-almoço qualquer algures em Janeiro. Os croquetes, esses, não se podem parecer com caganitas de raposa mergulhadas em pão ralado e atiçadas no óleo a ferver de uma frigideira. O pãozinho, escusava de parecer aquele pãozinho cheio de hélio que se compra na cidade, até porque, no sopé da serra, o pão tem obrigação de ser excepcional. A sopa, mesmo sendo um creme de cenoura, deve vir na malga até cima, e nunca, mas nunca, a cinco centímetros da borda da malga, como que a dar o aspecto de que já não havia mais. Quanto ao Bacalhau à Zé do Pipo, tenho algo a dizer ao fulaninho que deu o nome a este prato.
Senhor Zé do Pipo: o prato com o seu nome é uma fraude! O senhor engana o povo com postas de bacalhau estragado, habilmente disfarçadas debaixo de uma camada de substância suspeita, que mais parecem borras de natas estragadas. Para além de estragado, o bacalhau apresenta-se, também, com textura de platex, tornando-se simplesmente intragável, ainda que ensopado na tal substância suspeita, ou misturado com o puré ou molhado em Super Bock. Não há volta a dar-lhe. Como se não bastasse, metade da posta é feita de espinhas, e eu, trabalhador por conta de outrem, não acho muita piada dar o meu dinheirinho - que tanto custa a ganhar - para andar a catar magras lascas de bacalhau no meio de uma multidão absurda de espinhas e tudo isto encharcado numa mistela branca queimada. O senhor pensa que disfarçando a coisa toda com a substância branca consegue enganar o bom apreciador de gastronomia, mas não consegue. O bom garfo, só funciona com nacos generosos e limpos. Fique sabendo.
Já no capítulo das sobremesas, a modalidade era arrear as nádegas da cadeira, ir à mesa das ditas e servir a gosto, sob o olhar pouco discreto do dono do restaurante. Não gosto de gente a olhar enquanto me sirvo. E não gosto de sobremesas feitas em 1987 e servidas em 2007, com um ar ressequido e suspeito, desidratadas pelo tempo. Enfim, um restaurante onde nunca regressar, apesar de a decoração ser bem gira, com muito granito, muita madeira e muitos artefactos tradicionais da zona. E nem os guardanapos de pano dobrados em forma de lírio me convencem. Da próxima vez, não arrisco estes pretendentes a restaurante. Da próxima vez, vou direitinho ao “Mocas”, em Folgosinho, e não se fala mais no assunto. pickwick
tags no estendal: , , , ,
publicado por pickwick às 00:10
link | tocar à trombeta | favorito
4 comentários:
De Obelix a 6 de Setembro de 2007 às 18:11
Folgosinho? Esse restaurante é um que serve 4 pratos durante a refeição? Em que é comer até cair para o lado? Vou lá sempre jantar uma vez, todos os anos, quando tou na Serra da Estrela!
De pickwick a 8 de Setembro de 2007 às 16:15
Não, Obelix. O que serve 4 pratos (um deles é de javali, portanto já percebi porque vais lá todos os anos) chama-se "O Albertino" - publicidade à parte. Comer até cair para o lado é uma boa perspectiva. Ou até rebentar, que também serve.
De Obelix a 11 de Setembro de 2007 às 12:24
É isso, exactamente !!!! Obrigado pelo reavivar de memória!
De Anónimo a 28 de Abril de 2008 às 02:26
Meu caro amigo, em vez de estar a denegrir a imagem de Sao Romao atraves da sua conversa repleta de paneleirices, tivesse ficado em sua casa e tivesse comido o pao que o diabo amassou. N passa de um abutre nojento

tocar à trombeta