Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Segunda-feira, 27 de Agosto de 2007
As maminhas vistas de cima

Na sequência da obsessão pelas maminhas, a qual não é exclusiva da minha pessoa ou de outros apreciadores do género, tenho mais uma constatação para trazer a esta praça. Tem que ver com a obsessão que as jovens raparigas vivem pelas suas maminhas. Jovens, raparigas, pitas, adolescentes, cachopas, garinas, etc. São elas que, mais do que ninguém, levam ao exagero a exibição continuada das respectivas maminhas, com a estranha conivência dos pais e das mães e dos avôs e das avós. Não há miúda que se preze que não traga metade das maminhas em regime de arejamento e bronzeador. A modelagem tipo bola-de-berlim-sem-creme é feita, presumo eu, na privacidade dos quartos – esses cantinhos da intimidade de cada adolescente -, através de auto-apalpadelas, tendo por base os modelos já em exibição nas telenovelas dos canais nacionais. O modelo de maminha com maior sucesso deve ser o bola-de-berlim-sem-creme-morangos-com-açúcar, obviamente. Aliás, as miúdas cada vez mais cedo aparecem com maminhas bola-de-berlim-sem-creme-XXL, em idade de terem apenas algo parecido com um Ferrero-Rocher-tímido. Explica-se? Claro, segundo a teoria do Almeida, meu ilustre colega de escola. O Almeida era perito em descobrir quem eram as miúdas lá da escola que andavam a ser apalpadas pelos namorados ou amigos secretos. Na altura ainda não se colocava a hipótese de serem apalpadas pelas namoradas ou amigas secretas, mas iria dar no mesmo. Com aquele olhar clínico, chamava-me à atenção para uma qualquer: ‘tás a ver a fulana-tal?, hoje tem as maminhas maiores do que na semana passada, por isso, anda a ser apalpada pelo namorado. E a fulana-coisa?, ‘tás a ver?, hoje tem as maminhas mais pequenas que na semana passada, quer dizer que deve ter acabado com o namorado. Eu fazia de conta que tirava milimetricamente as medidas às maminhas das nossas colegas, pelo canto do olho, acenava com a cabeça, fazia “hum, hum”, qual Dr. Watson a coadjuvar brilhantemente o Sherlock-Holmes-das-maminhas. Bom, em resumo, a teoria do Almeida era de que, quando se apalpavam as maminhas das miúdas, aquelas cresciam e assim se mantinha durante vários dias. Almeida, estavas lá, pá! Bem, no meio disto tudo, maminhas e coisas assim, há um outro pormenor que se configura, também, como um padrão. Falo das fotografias que as miúdas tiram a si próprias. Sistematicamente são tiradas num plano superior, com o objectivo óbvio de fazer sobressair as maminhas em relação a tudo o resto. Sistematicamente, as mocinhas aparecem com um decote obsceno, metade das maminhas ao léu, a olharem para cima, para o alto, para a máquina fotográfica que seguram na ponta de um braço bem esticado, como se estivessem a agarrar o Bruno Nogueira pelo cachaço e a obrigá-lo a afundar o queixo no externo, ali mesmo, entre as duas barbas de baleia do soutien. Sistematicamente, repito. Aqui há cerca de 2-3 anos, a moda era estenderem-se na cama e tirarem a fotografia no mesmo plano do corpo, como se estivessem a olhar languidamente para o namorado que vem do WC a gatinhar para a cama com as unhas em riste, a pila ao pendurão e os pêlos do peito cuidadosamente arrancados. Hoje, a fotografia tira-se de cima. Quem a vê, avalia imediatamente as dimensões das bolas-de-berlim-sem-creme, expostas descaradamente. As maminhas vistas de cima! Sem pudor. E os pais? Não sabem que as miúdas portuguesas tiram milhares de fotografias eróticas às respectivas maminhas semi-cobertas, para depois as colocarem na Internet? Os pais, pagam as máquinas fotográficas, pagam os computadores e pagam a Internet. E as mães? Essas, vão com as miúdas às compras e pagam-lhes os tops minúsculos, os soutiens sofisticados e as blusas decotadas. Ah e tal, está na moda! Não quero ser conservador, mas isto vai de mal a pior, digo eu. E alguém sabe de onde veio esta moda de tirarem os auto-retratos de cima, com as maminhas ao léu? É de alguma telenovela? É das revistas para pitas? Quem começou esta coisa? E qual vai ser a próxima moda dos auto-retratos? Foto do mamilo tapado com um malmequer? Foto do umbigo com uma framboesa em calda? Enfim… pickwick

tags no estendal: , , ,
publicado por pickwick às 00:10
link | tocar à trombeta | favorito
2 comentários:
De Ana Patrícia. fã nº 3789 a 3 de Setembro de 2007 às 19:17
ENFIM, sr. pickwick.
tenho a dizer, como jovem rapariga qe sou, qe isto é.. vá lá... um bocadinho exagerado. as fotografias tiradas de um plano ligeiramente superior não são todas tiradas com brutais decotes.. isso normalmente sao só as raparigas descomprometidas e à procura de alguém que lhes satisfaça o seu impeto sexual.
ou as raparigas comprometidas à procura de alguém que lhes satisfaça o mesmo impeto.
meninas da borda da estrada...
enfim.
mais uma vez o seu génio criativo provocar-me milhões de gargalhadas alucinadas, sozinha, à frente de um monitor.
mto obrigada.



a sua fã nº 3789
De pickwick a 8 de Setembro de 2007 às 16:23
Querida Ana Patrícia,
Não sei que lhe diga sobre a personalidade das meninas que insistem em fotografar as próprias maminhas. Realmente, há delas que não usam decote, é verdade, tem toda a razão. Mas, as que usam, abusam! Enfim, o que vale é que ainda há gente neste mundo com disposição para denunciar estas coisas! Beijinho e volta sempre, mesmo que mudes de número de fã. ;-)

tocar à trombeta