Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Domingo, 26 de Agosto de 2007
A obsessão pelas maminhas

Tenho andado a reparar que há uma obsessão teimosa e generalizada pelas maminhas, esses seres maléficos e endiabrados que se apresentam aos pares. Julgava eu, na minha inocência, que a ávida e selvagem obsessão pelos pares de maminhas era coisa só minha, um monstro psicológico criado na infância em resultado directo do contacto demasiado frequente com maminhas ao léu nas praias e parques de campismo do Algarve. Não, não é um monstro. Não, não me afecta só a mim. Para além de também afectar outros apreciadores da especialidade, afecta, em grande escala, as suas portadoras. Isto é, as portadoras das maminhas. Ou seja, as senhoras. Ou seja, o que eu quero dizer, sem querer ofender ninguém, isto é, sem querer ofender nenhuma senhora, ou menina, ou cachopa, seja galdéria ou mais séria que uma Santa, é que, a bem dizer, o sexo feminino tem uma obsessão intensa pelas respectivas maminhas. Cada qual, com as suas, mas, também, cheira-me, com as das outras, ou não fosse a mulher comum uma magnata da cobiça. Veio-me esta crença à lembrança depois de um estudo rigoroso e científico, ao longo de vários meses. E, pergunto a mim mesmo, como nasceu a queda para esta crença? Bom, acredito que tenha começado de forma inconsciente, pelo contacto mundano e quotidiano com incontáveis seios arredondados, em forma de bola-de-berlim-sem-creme, esferas perfeitas, quais bolas de cristal forradas a pele com aroma a baunilha e morango e rosas e outras mistelas com que as mulheres se perfumam. Semi-esferas carnudas, constantemente a apanharem sol e aragem, firmemente suportadas por evoluídas armações e complexos sistemas. Evolução e complexidade, é o que é. Pelo menos, é o que se deduz com uma leitura atenta de algumas descrições. Ah e tal, “invisível graças às suas copas moldadas”. Não sei quê, “alças amovíveis multiposições, duas posições de alças para cada copa à frente, para variar a profundidade dos decotes”. E tal, “barbas de baleia dos lados e barra antideslizante para assegurar um bom suporte”. Pois, e “colchete triplo atrás”. E também, “forro fino em microfibra”. Já agora, “muito elástico e com memória de forma, adapta-se às suas formas, segue todos os movimentos, realça o peito para um decote bonito e, finalmente, é completamente invisível sob a roupa”. Depois, “alças amovíveis com pequena mola atrás que permite transformá-lo em costas à competição”. Não há que ter dúvidas: há uma obsessão profunda das mulheres pela aparência das suas maminhas, e o resto é conversa. Tanta esfera, só podia ser. Aliás, é incrível como praticamente não se vêem maminhas espalmadas! Claro, há excepções, como o caso dramático e enjoativo da minha colega de trabalho, a tal loira dentuça, que continua a insistir na dispensa do uso de suportes, deixando que as maminhas descaiam quase até aos joelhos, dentro de vestidos e blusas escandalosamente decotados. Mas, bom, essa é uma excepção à generalidade, para a qual já deixou de haver esperança: nem para as maminhas, nem para aqueles dentes em forma de carapau-frito-em-curva. Fora esta excepção, a generalidade é mesmo as bolas-de-berlim-sem-creme. É bom para a vista, tenho que reconhecer. Dá um aspecto agradável, tipo teenager-18-maminha-rija. No capítulo dos sonhos, saltita entre aquele sonho que todos temos de comer alarvemente duas bolas-de-berlim-com-creme no meio da praia à mistura com incomodativos grãos de areia e um aroma no ar a protector-solar-20-aroma-pêssego, e aquele sonho que todos temos de que a consistência das maminhas aos dezoito anos seja eterna ou pelo menos até aos quarenta e nove anos. Antigamente, quando esta obsessão não estava tão implantada, circulava-se na rua ou no trabalho e, cá para com os nossos botões, comentávamos: ui!, tão direitinhas!, oh!, chegam ao umbigo!, eh lá!, que par!, chiça!, que foleiras!, e por aí fora. Não havia monotonia, portanto. Ora se chocava com a decepção da maminha-espalmada, ora se tonificava o olho com a alegria proporcionada por duas bolas-de-berlim-sem-creme. Hoje, a vida é um tédio. O cérebro dos apreciadores e das apreciadoras desta temática parecem a praia numa tarde de verão, com os vendedores de bolas-de-berlim a fazerem-se anunciar repetidamente, sem concorrência. Bolas-de-berlim, bolas-de-berlim, bolas-de-berlim… Não há um palmier, nem um caracol, nem um pudim tremelicando debaixo de uma blusa. pickwick

publicado por pickwick às 00:39
link | tocar à trombeta | favorito
8 comentários:
De Bluestocking a 26 de Agosto de 2007 às 01:17
Bolas de Berlim? Cuidado para não engasgar... :P
De pickwick a 8 de Setembro de 2007 às 16:24
Nada disso... morde-se com carinho, para o creme não espichar... ;-)
De Mário a 26 de Agosto de 2007 às 14:06
Haver há, mas, com uma boa embalagem qualquer sardinha em tomate parece caviar.
De pickwick a 8 de Setembro de 2007 às 16:26
Humm... andamos a ser todos enganados pelas embalagens? Sacanas das gajas... eu já me parecia que era fruta boa a mais... bem... deixa-me ficar na ignorância, fazendo de conta que nada é embalado e tudo é ao natural... a ignorância é um dos caminhos mais largos para a felicidade...
De Alex a 26 de Agosto de 2007 às 14:41
Permitam-me comentar: como portadora de bolas de berlim, palmieres, ou lá o que sejam, é meu dever opinar sobre a matéria escrita: seja obsessão, feminina ou masculina, o que é certo, é que sem elas não vivemos - tenham as formas que tiverem, independentemente da embalagem.
Não obstante, continuam a andar na boca do povo (salve seja!). E se não as houvesse?? Postavas sobre o quê?? Parece que as maminhas são uma grande obsessão pra ti, não? Cumprimentos berlinescos!
De pickwick a 8 de Setembro de 2007 às 16:28
Querida Alex,
Não considero que as maminhas sejam uma grande obsessão para mim. São, antes, uma enorme fonte de prazer, pela perfeição estética que proporcionam quando o olho se dedica à observação...
Se não houvesse maminhas, bem, provavelmente a felicidade seria uma coisa rara e o sol só brilharia algumas vezes por ano...
De contacoisas a 26 de Agosto de 2007 às 18:27
Vejo-me aqui meditando sobre estes bataites do teu já frutado reportório...
Lembro então algumas das maminhas que roçaram não só o teu imaginário mas também os teus másculos peitorais...
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Vejo-me aqui meditando sobre estes bataites do teu já frutado reportório... <BR>Lembro então algumas das maminhas que roçaram não só o teu imaginário mas também os teus másculos peitorais... <BR class=incorrect name="incorrect" <a>Hummm</A> - não sei se exclame , não sei se questione... <BR>Mas certamente levar-te-ei a pensar. <BR>As voltas que as mamas dão! <BR>Mas, confirma-se, também muito trabalhão! <BR><BR>Aquele Abraço <BR>
De pickwick a 8 de Setembro de 2007 às 16:30
Caro contacoisas,
As maminhas que roçaram nos meus másculos peitorais, não foram todas de qualidade irrepreensível. Umas mais espalmadas e caídas que outras, umas com mais pêlos que outras, enfim, não se pode ter tudo num pacote perfeito...

tocar à trombeta