Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quarta-feira, 15 de Agosto de 2007
Memórias à esquerda
Outro dia fui a Inglaterra. Como quem vai ali a Coimbra beber uns copos. Vai-se bem de avião até Inglaterra, naqueles voos suspeitos, baratos, com mais hospedeiros do que hospedeiras. Aliás, nestes voos, não há hospedeiras. Há, apenas, umas sopeiras que se vestem como quem vai para um desfile de Carnaval, com roupas pedidas às amigas e primas. Numa companhia de aviação a sério, a circulação das hospedeiras pelos corredores tem mais audiência do que qualquer outro acontecimento a bordo. Nestes voos baratos, bem, só nos resta olhar para os decotes das companheiras de viagem, quando as há, ou mirar pela janela, para o infinito, entre dois suspiros de infelicidade. Nestes voos baratos, não há sofás: os bancos têm ar de bancos de jipe, duros e desconfortáveis, com cintos de resistência duvidosa. Não oferecem comida, nem bebida, nem sequer um copinho de Coca-cola; uma sandocha ordinária custa tanto como uma ida a um rodízio à brasileira. Tudo tem um ar suspeito e, tanto na ida, como na vinda, ia jurar que um dos hospedeiros de bordo era larilas. Se calhar fiquei com essa impressão por causa daqueles gestos que são obrigados a fazer para fingirem que explicam como é que os passageiros se salvam no caso de o avião cair ou chocar contra o Big Ben.
 
À saída do aeroporto, já agoniado com tanta gente doente com quem me cruzei e que abunda naquelas paragens, esperava-nos um carro alugado. Uma bomba, um Fiat Punto novinho em folha. Já passava da meia-noite, o que era uma vantagem para quem se ia iniciar na condução à esquerda.
(Bom, iniciação, não é bem. Em tempos idos, há mais de duas décadas, vivi uns anos num lugarejo onde se conduzia pela esquerda. Na altura, ri-me que nem um perdido no banco de trás do Honda da família, enquanto a minha mãezinha treinava a condução à esquerda, a bater constantemente com o braço direito na porta à procura da manete das mudanças, a guinar o carro de um lado para o outro e a praquejar como se fosse a conduzir uma carroça puxada por mulas teimosas. Depois habituou-se. Eu, na altura, também me habituei a conduzir a bicicleta pela esquerda, até porque, quando se é jovem, tudo é mais fácil de aprender. Embora, devo confessar, o regresso a Portugal tenha sido marcado por alguns incidentes menores, com a minha pessoa a protagonizar momentos de grande emoção ao entrar rua-sim-rua-não em sentido contrário, a pedalar ferozmente na minha bicicleta, completamente baralhado com os sentidos.)
 
Sair do parque de estacionamento até não foi muito difícil. O carro cheirava a novo, o que ajudava a aumentar o stress. Logo na primeira estrada que apanhámos, o meu co-piloto deu largas à fome que o vinha a assaltar desde a saída de Portugal, engolindo de forma selvagem apetitosas batatas fritas de origem suspeita. Eu só queria que o meu co-piloto me co-pilotasse e me repetisse “pela esquerda! pela esquerda!” para eu não fazer nenhuma asneira… mas não… limitou-se a encher-me a boca com batatas fritas e a voltar a encher a dele com o mesmo repasto. Às tantas, sucumbi ao stress de conduzir pela esquerda, de noite, a bater constantemente com o braço direito na porta, com um fedor a fritos no ar; e parei o carro. Para comer, claro. Finda a comida, arrancámos, sendo que o meu co-piloto prestou-se ao auxílio que lhe competia, com um sorriso sádico em face da minha atrapalhação ao volante. Até que entrámos numa auto-estrada. A partir daí e praticamente até acabar os 250 km de viagem até à costa, o meu co-piloto não fez mais nada senão roncar. Enfim. Achas bem, ó co-piloto?
 
Chegámos ao destino por volta das cinco e tal da madrugada. A cidade portuária dormia. Só umas gaivotas se armavam aos cágados, a darem às asas feitas doidas. Dei uma volta pela cidade, para fazer o reconhecimento ao local, ver pontos-chave para o dia, fixar referências e apreciar os barcos. Fui estacionar o bólide já na periferia do centro, numa zona habitacional, onde não se podia estacionar mas eu só ia parar para roncar um bocado. Lá para as 8h00, já não se podia. A calmaria da cidade foi substituída pela rotunda do Marquês do Pombal em hora de ponta. Que confusão. E tudo pela esquerda. Felizmente, o programa do dia era para andar apeado, daí que fomos deixar o carro ainda mais além, perto de umas casas, onde, finalmente, não havia proibição de estacionar. Desde o ali até ao mais além, note-se, foi um caso sério, um drama rodoviário, com cruzamentos pela esquerda, rotundas pela esquerda, setas pela esquerda, pombas e gaivotas, avenidas e bicicletas, uma grandessíssima confusão!
 
A pé anda-se melhor, naquele país. Fomos apanhar um barco para uma ilha, onde fica uma espécie de reserva natural que queríamos visitar. Era Julho, estávamos em Inglaterra, mas havia mesmo necessidade de chover torrencialmente e fazer uma violenta ventania e o mar estar todo picado e o barco ir carregado de pessoas e bagagens? Claro que não. Mas foi assim mesmo! Sem condições! Na ilha, não havia animais. Só pavões pirosos. E árvores. E gente. Fomos enganados. Os ingleses não têm noção do que é uma reserva natural. Tem que ter javalis, raposas, ratos, cobras, sapos, mais javalis, doninhas, mais ratos, lagartos, caçadores, piqueniques, carros com casalinhos em movimentos suspeitos, lixo, mais ratos, pescadores, preservativos usados, açores, pardais, codornizes, patos bravos, garrafas de água vazias, melros, latas de atum ferrugentas, formigas, rãs, beatas, etc. Os ingleses não percebem nada disto! Enfim.
 
E comida? Bem, para começar, em Inglaterra não há ingleses. É tudo um mix de gente. Logo, não há gastronomia britânica. Se houver, por favor, não lhe chamem gastronomia. Chamem-lhe outra coisa qualquer. O remédio, era mesmo comer no belo do Mac. O menuzinho Big Mac, a cocacolinha frescola e a batatinha fritola. E o café! Que nojo! Servem os cafés logo pela manhã em baldes, com sabor a… a… a baldes de meter a esfregona e limpar o chão, é o que é! Aquilo não parece um país. Parece é o Algarve. Ou o Allgarve. Ou whatever! Até no supermercado tudo tem um ar suspeito. Bom, tudo, não. No supermercado, o que choca mesmo é a falta de guardanapos, esse instrumento de utilidade múltipla e fineza imensa. Francamente, um gajo ao fim de oito minutos dentro de um supermercado naquele país fica com uma vontade quase incontrolável de começar a derrubar prateleiras, pegar fogo às hortaliças e estilhaçar tudo o que é de vidro. Mais valia ir daqui com umas latinhas de Bom Petisco e três chouriças para assar.
 
Preços e lojas são mais duas coisas que se me ficam aqui atravessadas. Tudo é caro. Um gajo quer sacudir a pilinha num mictório, toma lá 20p! Um pêssego, toma lá quinhentos paus. À hora de começarmos a descobrir as lojas que interessavam, estão elas a fechar, ainda a meio da tarde, com os vendedores a rumarem não sei para onde, provavelmente para o descanso das suas casas. Onde é que os ingleses passam o tempo?
 
Resta terminar com a constatação de que a cueca-fio-dental está em Inglaterra para ficar. Descaradamente! Daqui a muitos anos, o estudo universitário de um conceituadíssimo cientista revelará alterações evolutivas no corpo das mulheres inglesas, resultantes da fricção sistemática do fio dental da cueca com o mesmo nome. Em que se vai transformar toda aquela depressão geomorfológica entre-nádegas que abrange o mítico buraquinho-onde-o-sol-não-brilha? Uma imensa crosta? Mulher que se preze, não deve insistir na cueca-fio-dental. Se gosta da sensação, que convide o parceiro, amigo ou vizinho, tanto faz, para, com o suave toque das pontas dos dedos, fazer-lhe o gostinho. pickwick
tags no estendal: , , , ,
publicado por pickwick às 00:10
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres