Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Domingo, 27 de Agosto de 2006
Chicken piri piri - 1
Há muitos anos que não ia de férias para o Algarve. Quando era pequeno e andava a aprender a ler e escrever, era costume ir com a família passar umas duas semanas para aquela faixa de areia e calhaus ao sul do país. Por essa altura, era até divertido. Havia praias enormes, dava para ver o fundo do mar, apanhar conchas, pontapear uma bola e ver os dias a passar. No parque de campismo, em Lagos, onde costumávamos ficar, chocava-me constantemente com aquelas estrangeiras atrevidas que iam do banho para a tenda embrulhadas numa espécie de roupão de verão, só com dois botões, deixando qualquer minúscula rabanada de vento levantar o tecido e mostrar a estes olhinhos uma misteriosa mancha peluda pouco abaixo do umbigo. Nas praias, ficava de boca aberta quando, as mesmas estrangeiras, ou outras de calibre idêntico, despiam os bikinis ali mesmo, para vestirem roupa seca. Cenas fascinantes! Havia filas para tudo e mais alguma coisa, desde o pão até ao banho. De vez em quando uma tenda pegava fogo e havia muita animação no parque. A nossa tenda era gigante e os petiscos da minha mãe estavam sempre em consonância com o apetite que eu trazia da praia. A areia colada à camada de bedum anti-sol que era obrigado a trazer pelo corpo todo, não fazia qualquer diferença. Um belo dia, o meu pai resolveu dar outro grande passeio a pé comigo, pelo areal, até uma praia vizinha, onde toda a gente andava sem roupa! Tantos pêlos, caramba, e tantas mamas aos saltos num grupinho que jogava voleibol. Bom, isto durou até aos meus nove anos. Depois, veio uma casa nova, grande, e o dinheiro não esticava para se chegar ao Algarve. Aos catorze, salvo erro, fomos de férias até Penacova, onde a tenda serviu pela última vez. Foram quinze dias de calma, de relaxe, de pesca no rio, sem filas, sem pressas. Uma nova perspectiva de férias que me cativou para sempre. Anos mais tarde, já maior de idade, alinhei numa semana de férias no Algarve com a família, à patrão, num aparthotel todo abichanado, com piscina e muita relva. Não se conseguia ver o fundo do mar, as praias pareciam mais pequenas, as filas tinham aumentado por todo o lado, havia mais carros do que pessoas e tudo soava a porco, com muito pó e muito lixo. O único toque de continuidade, em relação à minha infância, parecia serem as estrangeiras, que teimavam em trocar o bikini em público no fim de um dia de praia, que adoravam passear-se sem roupa interior, que tinham os seios ainda maiores. Ao fim de três dias, já agonizava ali, naquele fervilhar de gente, encontrando refúgio apenas na piscina do complexo onde estávamos instalados, e apenas àquelas horas do entardecer em que o povo debanda, por falta de sol. Enfim. Este ano, a minha fã número um convidou-me para uma semana no Algarve, aproveitando um alojamento à borla. Parecia mal dizer que não. A insubstituível companhia haveria de compensar aquele cantinho de Portugal tão deprimente. E compensou. Mas nem por isso consegui evitar choques diários com aberrações da civilização. O maior, acho, foi mesmo o do “chicken piri piri”. Tabuleta sim, tabuleta não, há um “chicken piri piri” afixado com letras pomposas, esquina sim, esquina sim. Em cada, dava comigo a tentar perceber o fenómeno por detrás daquela situação. Não consegui perceber. Apenas senti. É muito deprimente… Uma faixa de Portugal, transformada na terra do “chicken piri piri”. pickwick
publicado por riverfl0w às 12:48
link | tocar à trombeta | favorito