Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Arautos do Estendal

Ela, do alto das suas esbeltas e intrigantes pernas, veio caminhando quintal abaixo até ao estendal, dependurando a toalha onde, minutos antes, tinha limpo as últimas gotas de água. O Arauto viu, porque o Arauto estava lá. E tocou a trombeta.

Ela, do alto das suas esbeltas e intrigantes pernas, veio caminhando quintal abaixo até ao estendal, dependurando a toalha onde, minutos antes, tinha limpo as últimas gotas de água. O Arauto viu, porque o Arauto estava lá. E tocou a trombeta.

Arautos do Estendal

01
Jul07

Questões de pagamento

pickwick

Excepcionalmente, decidi publicar um texto que uma das leitoras deste blog (e nossa fã) me enviou, num momento de óbvio desabafo. Trata-se de uma questão pertinente, delicada, sensível, que merece uma reflexão cuidada e profunda. É um tema actual, pelos contornos sofisticados, mas, também, milenar, dada a natureza do serviço sobre o qual se debruça o texto e a sua autora. Tem a palavra:

"E porque é que eu iria pagar se o posso ter sem pagar?

Ora aqui está uma questão que se poderia colocar a propósito de vários tipos de mercadoria, como por exemplo as couves ou os nabos ali da horta. Mas não. Trata-se de um outro tipo de mercadoria. Ou de negócio. Ou nem sei…

Há uns tempos, num daqueles momentos raros de muita paciência e curiosidade, vagueava eu num certo canal da net, Mirc para ser mais rigorosa, quando fui abordada no “private” (para quem não sabe, é a possibilidade de dialogar com apenas uma pessoa de cada vez) por uma “Lolita” que queria conversa, tal como acontece quase todas as vezes que me ligo naquele canal… Enfim, são sempre as mesmas questões, independentemente do inquiridor: nome, idade, localidade, se tem namorado… Não há paciência!  Já questionei se andariam a preencher questionários para alguma entidade, assim tipo Casa do Povo ou similar, mas parece que é mesmo falta de originalidade e de inteligência para iniciar novos conhecimentos e amizades, ainda que virtuais…

Na abordagem, a “Lolita” lá me convenceu a dar-lhe o meu contacto do MSN… E, espanto dos espantos, depois de autorizar a sua adição nos meus contactos, lá recebi uma fotografia. Bem… fiquei sem palavras… Era de alguém em lingeri numa posição passível de ser considerada “provocante”! E porque haveria eu de receber uma fotografia daquelas? Justo eu, que nunca peço fotos a ninguém! Lolita, ou melhor, o Carlos, lá continuou a conversa, explicando que tinha colocado implantes nos seios, que era “acompanhante” e que recebia no seu apartamento… Enfim!!! No meio de “incentivos”, que certamente fazem parte do seu “ marketing”, tentou convencer-me a passar por lá… Mas porque pensaria ela, ou melhor ele, que eu estaria interessada em pagar para ter algo que posso ter e em muito melhores condições? Porque iria pagar para ter de fraca qualidade quando posso ter de luxo?

No meio da conversa, toda ela cheia de nomes “técnicos”, próprios do meio, fez questão de indicar um amigo, com uma outra “especialidade”, uma vez que o facto de ser negro lhe conferia outras “potencialidades físicas”… E em menos de nada já esse amigo me contactava a “oferecer” os seus préstimos profissionais, com envio de vídeo exemplificativo, certamente retirado de algum site porno…

Mas chega a tanto o descaramento?    O que eles não sabem é o quanto detesto que me impinjam produtos, sejam eles quais forem. Quando vou a uma loja e sinto que me estão a “empurrar” alguma coisa, pois é quando perco o interesse pelo produto. E neste caso, nem que me pagassem! Livra! Safa! Haja qualidade de vida, acima de tudo!

Bluestocking"

Querida Bluestocking, não me querendo impingir, pois já fiquei a perceber que seria automaticamente remetido para a esfera do desprezo, cometo o arrojado atrevimento de a convidar para um lanchinho para, na calma de uma esplanada virada ao mar, debatermos o seu conceito de luxo, no âmbito do tema em causa. Fiquei deveras curioso. pickwick