Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Terça-feira, 29 de Agosto de 2006
Chicken piri piri - 3
Não se pode falar de Algarve, ou chicken piri piri, sem falar em mulheres. Gajas, portanto. Das 7846 mulheres que tive a delicadeza de apreciar, durante a minha estadia, apenas 12 estavam em conformidade com a generalidade dos requisitos a preencher para a promoção a comestível. Uma das 12 era, precisamente, a minha companheira, sorte a minha, o que faz com que sobrem apenas 11 das 7845 que foram alvo da avaliação. Para os mais letrados, isto corresponde a uns míseros 0,14 %. Ou seja, estamos em crise. Os alertas deixados neste blog, de forma construtiva, ao longo dos meses e anos da sua existência, parecem não ter dado os frutos desejados. Elas estão cada vez mais descuidadas, mais balofas e mais ordinárias. Está mal. Está muito mal. Entre as estrangeiras, encontramos do melhor e do pior. As piores são, de facto, as baleias. Designa-se por “baleia” um exemplar do sexo feminino cujas dimensões ultrapassam o sobrenatural. Em termos de medidas, num banco de trás de um espaçoso Mercedes, apenas cabem duas, muito apertadinhas. Conseguem ter muito mau gosto, usando bikinis e até, pasme-se, fazendo topless em locais públicos, aterrorizando as criancinhas e tirando o apetite aos apreciadores de peitos de frango. Instaurei um concurso para a Maior Baleia, anonimamente, claro, tendo ganho uma estrangeira que passava o dia esparramada em cima de uma pobre espreguiçadeira de plástico barato, sendo que as pregas das banhas caídas lateralmente quase chegavam à relva do chão. Ah! E, ainda por cima, desapertava o bikini, para bronzear o costado e ficar ainda mais sexy não sei para quem. Fui sabiamente alertado para o fenómeno das 18h30, entre as inglesas. Por volta dessa hora, recolhem aos quartos e apartamentos, onde dedicam um tempo desconhecido a transformarem-se nas gatas da noite, empapando-se em maquilhagens, ensopando os sovacos com perfumes, aperaltando-se com as melhores roupas e sapatos. Findo o tempo desconhecido, invadem as ruas, empestando os ares com aqueles perfumes misturados com a segregação das glândulas sudoríparas. Por essa hora, os transeuntes dividem-se em dois tipos: a gente aparentemente normal, de chinelos e calções; e as inglesas aperaltadas, como se fossem para uma cerimónia dos Óscares. Muito foleiro, anote-se. Bem, aparte estes pormenores culturais, passemos aos pormenores antropológicos. Com tantos ginásios, com tantos areais, com tantas escadas, com tantos nutricionistas e dietistas e outros curandeiros acabados em “istas”, não era já tempo de as mulheres andarem todas por aí com um corpinho elegante e firme? Não havia necessidade de se passearem pela rua com uma vergonhosa camada de celulite agarrada às coxas e nádegas. Já inventaram os soutiens milagrosos, que transformam seios-até-ao-umbigo em seios-quase-a-bater-nos-queixos. O que é que a ciência espera para combater de vez esse cisco no olho do homem chamado celulite, vencendo-o sem piedade? pickwick
publicado por riverfl0w às 12:47
link | favorito
De Coohen a 5 de Setembro de 2006 às 11:20
Parece-me a mim que a autoria deste post pertence a outra pessoa que não o André, mas só queria fazer um pequeno reparo, é que essas mulheres não são BALEIAS, mas sim SEREIAS, ou seja, metade mulher, metade baleia... ai ai ai, que mauzinho que estou. Aquele Abraço.
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres