Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Sexta-feira, 9 de Fevereiro de 2007
Misógino, misoginia e a mulher mistério

Por estes dias, recebi um e-mail muito interessante e simpático, que rezava assim (depois da devida correcção ortográfica):

Olá Pickwick,

Estava a ler blogs "random" e achei o teu. Fiquei a ler o primeiro post sobre os penteados das mulheres. E perguntei-me porque fala tão mal das mulheres?! És misógino?? Não leves a mal esta minha pergunta. Só é que fiquei curiosa. Mas gostei da tua maneira de escrever. Peço já desculpa pelo meu português e pela falta de acentos. Aguardo uma resposta atenciosamente. PV

Querida PV, já me obrigaste a ir descobrir o que raio quer dizer “misógino”. Foi uma estafadeira! E misoginia, também. Uma tímida busca na Internet resultou em:

- que tem aversão às mulheres.

- desprezo ou aversão ao sexo e/ou ao género feminino.

- do grego 'misogynía'

Por favor? Eu?! Oh PV! Mas que conversa é essa? Eu?! Eu, que sou um dos maiores admiradores e fãs do sexo feminino, dos seios firmes, das ancas torneadas, dos cabelos caídos, dos lábios pecaminosos, dos tornozelos com tatuagem, das cuequinhas atrevidas, das pestanas compridas, da pele de seda, das nádegas fibrosas, da voz fina, e de mais uma infinidade de atributos e produtos agregados à condição de mulher, que tanto apraz ao género masculino! Como é possível que confundas, com tanta facilidade, a busca incessante pela qualidade e beleza do sexo e género femininos, com misoginia?! A única aversão que tenho, mesmo, mesmo, mesmo, mesmo, é àqueles defeitos de fabrico, àquelas ultrapassagens de prazos validade sem controlo de qualidade, e àquelas mentes estupidificadas pela condição de gaja pindérica com manias de fineza foleira. Aí, sim, sou um misógino ferrenho e incontrolável. Mas, francamente, se forem a um restaurante e vos sair uma barata escondida numa lula, também não reclamam e apontam o dedo? Pronto, eu faço o mesmo, transformando em baratas as borbulhas mal cuidadas, os pêlos grandes e desprezados, a estupidez crónica, as vestimentas e maquilhagens pindéricas, o volume de celulite exagerado e esquecido, e demais deformações, sendo a lula a mulher perfeita que deveria habitar em todos os exemplares do género e sexo femininos. Está bem? Limito-me a tornar público um processo pessoal de controlo de qualidade. Com boas intenções. Já sei que as gajas não vêem aqui nenhuma boa intenção, mas, a bem dizer, gaja que é gaja vê maldade até numa tampa de sanita esquecida na posição vertical. Quanto a ti, PV, lamento ter descoberto que não pareces ter uma conta no “aifáive”, para grande pena minha. A minha incansável missão levar-me-ia a pesquisar, cientificamente, se a simpatia, simplicidade e delicadeza com que escreveste este e-mail, fazem parelha com uma mulher de atributos ao mesmo nível. Não é todos os dias que uma mulher escreve assim, como tu, com suavidade, porém curiosa e algo magoada, delicadamente, com muita educação, como se estivesses a tocar num baralho de cartas de cristal empilhadas em castelo. Por momentos, quase senti os teus dedos tocarem ao de leve na minha alma, com o indicador a tocar com jeitinho naquela parte do cérebro que comanda o olho atento sobre as mulheres. Quem és tu, PV? Uma mulher misteriosa? De que cor é o teu cabelo? E os teus lábios, são carnudos? Choras na solidão de uma almofada? Andas pelas esquinas, escondida dos olhares? Ou passeias-te pelas passerelles ao fim-de-semana, entre aplausos e bocas abertas de espanto? Onde vives? Partilhas este país de brutos, ou vives nalgum paraíso além-mar? Corres o areal da praia num vestido branco enquanto o sol se põe e o povo já debandou? Escreves poemas sobre sonhos e paixões, que escondes na gaveta da privacidade? Quedas-te a olhar a lua, a tentar encontrar o reflexo de um rosto que se enchesse de sorrisos só por te saber existir? Olhas-te no espelho, sem coragem para rodopiar? PV, quem és tu?, ó mulher misteriosa! Onde andas? Que fazes? Que cantas? Que te move? A que cheiras? Quantas vezes sorris num dia? (suspiro) Bem, não respondes? Pronto! Vou comer um iogurte e não se fala mais nisso! pickwick

tags no estendal: , ,
publicado por pickwick às 00:10

editado por riverfl0w em 19/06/2007 às 19:17
link | favorito
De JG a 9 de Fevereiro de 2007 às 01:29
Oh amigo Pickwick... Nunca pensei dizer isto acerca de um fã de Dickens mas o teu post è marcadamente misógino. Desculpa dizê-lo de forma tão grosseira.
Repara: amar corpos ideais, seres inatingíveis não è ser admirador de mulheres. Amar uma mulher è amar a curvinha 1 cm abaixo do umbigo, amar a ruga no canto da boca, amar o cheiro ferroso que ela tem quando está menstruada e o cheiro doce de quando dorme. Amar verdadeiramente mulheres è ser arrastado para lojas de roupa e não reclamar, quando se queria estar em casa a humilhar os amigos no Counterstrike. Vós, meu amigo, não amais mulheres, amais algo que não è mulheres. "Ceci n'est pas une pipe"

PS: Repara que não estou a dizer que devas passar as noites naquele jardim do outro lado da estrada a partir do Drinks.
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres