Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quinta-feira, 31 de Agosto de 2006
Depilação, lasanha e a Catwoman
A Marta gosta deles depilados. É verdade! Como é que eu sei? É fácil. Ontem, fiz uma pacata viagem de comboio, em classe InterCidades, aproveitando para adiantar uma leitura em atraso, em direcção a Aveiro, essa bela localidade. A carruagem ia cheia, ao ponto que não sobrar espaço para esticar as pernas, o que torna logo tudo muito incómodo. À minha volta sentava-se um grupo de jovens, sofisticados, provenientes de um lugarejo qualquer onde existe um clube desportivo chamado União. Se calhar seriam de Alguidares-de-Cima, que teria um clube chamado União dos Alguidares, ou União Alguidarense, sei lá. Bom, a conversa dos jovens estava animada, ao ponto de não me conseguir concentrar na leitura. Um dos temas, surgido por acaso, foi a depilação dos desportistas. O Marco (não presente) depila-se. Supostamente por causa das massagens. A Marta gosta deles depilados. Acha giro. Deve ser mas é parva! Enfim, um dos moços, certamente possuído de grande razão, adiantou uma teoria fantástica sobre a necessidade de os homens manterem os pêlos todos, pois assim haveria uma clara distinção entre homens e mulheres. Ou seja, se todos fossemos depilados, seríamos todos confundidos. Concordo e voto no rapaz. Tem bom senso. Essa Marta (nome verdadeiro), apesar de ter um corpinho que arrumar com a maior parte das mulheres-modelo das passerelles, com umas sardas todas engraçadas e um cabelo entre o ruivo e o loiro, deve ser parva. Ela estava no banco mesmo à minha frente e tive que fazer um esforço para não lhe enfiar uma patada com a bota de gortex nas mandíbulas. Não gosto nada quando aparecem estas gajas assim, ainda tão novinhas e já com estas ideias parvas de que ah e tal, hoje é normal os homens cuidarem-se e fazerem a depilação… raios, deve ser fã daquela aberração do não-sei-quê Castelo Branco. Arre! Bem, de chegada a Aveiro, juntei-me a uma pândega na espaçosa varanda da casa de um amigo, no rés-do-chão, com as vizinhas todas dos prédios circundantes a esticarem o olho à socapa para os gajos viris e musculados que se preparavam para um repasto de lasanha ao ar livre. Antes, contudo, foi necessário trocar uma lâmpada a um candeeiro de parede, na varanda, missão que levou ao envolvimento de quatro marmanjos (três dos quais licenciados em engenharia electrónica), uma cadeira, um spray milagroso W-40, um canivete suíço, uma aranha, uma caixa de ferramentas e alguns guardanapos. Durante uma boa meia-hora. Indescritível. A seguir, abriram-se os tintos dão e alentejanos, acabou-se com as azeitonas e veio a lasanha. Ao PM (nome de código), cozinheiro e anfitrião, aqui deixo a minha mensagem e aconselhamento: quando se serve um jantar de lasanha, as quantidades devem ser medidas de maneira que, caso os X convidados comam tudo até não sobrar nada, fiquem com lasanha até ao goto, até não caber mais, a tal ponto que, se taparem a boca com a mão, bastará a respiração natural para fazer esguichar lasanha pelo nariz, como a lava quente de um vulcão! Bom, depois de muito encher o bandulho, de esvaziar as garrafas todas, de muita conversa da treta sobre questões filosóficas e ah e tal, recolhemos cada um a suas casas. Eu tive que cravar alojamento e, aproveitando a onda, cravar também um filmezinho. A escolha recaiu em “Catwoman”, ou a mulher-gato. Ora bem, para quem não viu o filme, esta fantástica obra cinematográfica de grande qualidade, aconselho vivamente a perdê-la. Uma gaja com maminhas de lagartixa, fato de napa barata, uma máscara com orelhas de pulga, a abanar o rabo feita ordinária, com umas unhas compradas na loja do chinês, enfim… As legendas em brasileiro, bónus de um DivX sacado algures, rematavam a coisa. Adormeci a meio. Hoje de manhã, antes de ir apanhar o comboio de regresso ao lar, acabei de ver o filme, em modo zapping. A badalhoca da mulher-gato matou não sei quem, uma loira qualquer, ah e tal, o polícia apaixonou-se, mas ela, por ser gata, preferiu andar a miar feita estúpida pelos telhados e andaimes, com aquela fatiota preta e as bochechas do rabo a brilhar. Há pessoas que deviam ser proibidas de conspurcar o mundo do cinema! Aposto como o mundo gay já fez uma versão respectiva do filme: o homem-gato! Um gajo com ar de perfeito larilas, calças pretas em látex, depiladíssimo, um colar dourado e grosso com uma cruz, pendurado dos andaimes e parapeitos das janelas, a miar como se tivesse a boca cheia de sementes de girassol e larvas, sendo aplaudido por um bando de homens do lixo e estivadores em tronco nu e jardineiras. Uma nojeira pegada! pickwick
publicado por riverfl0w às 22:41
link | tocar à trombeta | favorito
4 comentários:
De Sandra a 1 de Setembro de 2006 às 23:06
os homens não deviam depilar-se pelo mesmo motivo que não deviam usar roupa cor-de-rosa (aahrg)!!!! ouve-se cada coisa nos comboios...

de facto, há muito que constatei que a quantidade ideal de lasanha é mesmo essa... lasanha é bom demais! ;)
De Agui a 1 de Setembro de 2006 às 17:35
A loira é a Sharon Stone... =P Tb n achei o filme nada de entusiasmante ;)
De elisa a 1 de Setembro de 2006 às 11:07
É só emoções:)!
Obrigada pelas gargalhadas e por ter alegrado o meu dia com a bela imagem mental de "homens viris e musculados" a mudar uma lâmpada e comer lasanha.
Bom fim de semana!
De claudia a 7 de Fevereiro de 2010 às 13:05
é que sinceramente, quando comecei a ler até achei engraçado. mas tipo, ouvir conversas paralelas na rua ou no comboio e comentar é uma coisa, agora andar a chamar parva e etc às pessoas, e criticar por tudo e por nada, que ate parece que anda toda revoltada com a vida ? este blog é um autentico nojo. agora voce vai ao meu blog, diz que eu sou uma pitinha qe nao sei o que é a vida e chama-me uma coisinha ou outra e pronto. e eu gosto de homens depilados.

tocar à trombeta