Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Sexta-feira, 17 de Novembro de 2006
Mas quem era aquela monga?!
Bem, acabei de receber um daqueles telefonemas transcendentais que deixam um gajo entre a vontade de rir e a de partir as fuças a uma certa e determinada gaja. É início de serão calmo aqui nesta residência. Toca o telefone fixo. À partida, é suspeito, porque hoje ninguém liga para telefones fixos. Atendo. Voz de gaja com pronúncia mete nojo. Boa noite, ah e tal, sou da empresa “não-sei-quantos”, é natural que não conheça porque acabámos de chegar a Viseu e estamos a divulgá-la. Eu já suspirava… empresas… Continuando, ah e tal, comercializamos um aparelho que não-sei-o-quê-para-doenças-respiratórias, o senhor tem alguém com problemas respiratórios? Não, não tenho. Ainda bem, graças a Deus, não é? Sim… É casado? (Mau, mau Maria) Não! Vive sozinho? Sim… Bem, finda a descrição breve do âmbito profissional, vem a bomba. O senhor gostaria de me ajudar? Estaria disponível para receber um colega, menino ou menina (confesso nesta parte da menina tive um flash repentino de uma mocinha de 19 anos com uma saia muito curta a vir a minha casa promover as maravilhosas capacidades de um aspirador com pega baixa), para lhe fazer uma demonstração do aparelho? É o que tenho pedido às pessoas da sua região, para me ajudarem. Não custa nada. Não estou interessado! Não está interessado em ajudar-me?! Não, não estou! Mas, é só para receber um colega meu aí em casa para fazer uma demonstração! É que o nosso patrão paga-nos por cada demonstração que façamos, e se o senhor não me ajudar, ele não nos paga! Não me vai ajudar?! Não, não vou! Mas não lhe custa nada ajudar-me! Pois não, mas não estou interessado! Olhe, espero que quando o senhor precisar de ajuda, não lhe voltem as costas como o senhor me está a fazer a mim. Boa noite! Bang! Ora bem, mas que m**** vem a ser esta?! Ah e tal, ajude-me senão o meu patrão não me paga?! Mas que raio de parvoeira anda a passar pela cabeça desta gente?! Que raio de gajas, galdérias, mongas, rameiras do caraças, andam ao serviço de empresas foleiras que vendem aparelhos suspeitos e misteriosos? Devem ter levado uma lavagem ao cérebro e emprenhado uma cassete pirata pelos ouvidos sebentos, para terem aquele discurso todo de lambe-gervásios, mas que se desmorona completamente quando aparece um gajo mal-disposto como eu a dizer que não, com voz de quem está a achar muita graça ao pedido de ajuda. Só lhe faltou soltar umas carvalhadas violentas e mandar-me para o outro lado do rio. Este é o tipo de miúdas que nasceram num daqueles lares sem referências, cujos progenitores deviam ter sido proibidos - logo na adolescência - de procriarem, para não deitarem cá para fora estes must-be-abortos que depois ligam para casa das pessoas a pedirem ajuda para os patrões lhes pagarem! Este é o tipo de miúdas que, se ainda não pariram, estão para o fazer brevemente, já que a barreira com o animalesco é muito ténue naquelas cabecinhas, vindo a deitar cá para fora, por sua vez, aberrações ainda maiores, enchendo este país com estupores de saias curtas, cérebros de galinha e muitas teias de aranha nos pontos mais altos e ocos do corpo. pickwick
publicado por pickwick às 00:02
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres