Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quarta-feira, 25 de Outubro de 2006
Técnicas para engatar professores de natação
É mesmo professores e não professoras. Não, não virei para o outro lado. Mas é que uma das nossas leitoras está aflita por não conseguir engatar o seu professor de natação, que tem uns olhos verdes giríssimos e uns faróis que ui ui. Alguém sabe o que são os faróis de um professor de natação? Eu não sei. Nas mulheres, os faróis são os penduricalhos utilitários que cobrem o tórax, tudo bem, mas nos homens é um mistério. Bom, dispus-me a preencher esta lacuna no pavilhão do conhecimento desta leitora, idealizando algumas técnicas de sucesso garantido para engatar o seu professor de natação, o tal com uns faróis que não sei o quê e o qual ela não consegue convidar para tomar um café.
Técnica 1 – A canela
A Sofia (nome de código da leitora) sai do balneário, entra na área da piscina coberta e dá uma canelada na esquina, logo a seguir à zona chuveiro. Posto isto, só tem que mostrar como está aleijada e dorida, muito sofrida, desolada e fragilizada. O professor virá em seu auxílio, a saltitar de azulejo em azulejo, ajoelhando-se aos seus pés, doidinho por fazer uma massagem na canela em busca de uma cura milagrosa por via dos dedos. Esta técnica baseia-se no par vítima-atenção, em que a vítima, por ser vítima, chama a atenção. Irresistível. No caso de não chamar a atenção logo à primeira, recomenda-se que a Sofia repita a manobra, desta vez com mais convicção, pontapeando violentamente a esquina com a canela, rachando a tíbia e jorrando sangue pelo recinto, ao que pode adicionar uns gritinhos e umas cambalhotas pelo chão. Ele vem, toca-lhe, blá blá blá, ficam grandes amigos e pronto, já podem ir tomar um café a seguir.
Técnica 2 – A nódoa vermelha
Baseada na técnica anterior, esta é mais refinada e menos sujeita a que se descubra o engodo. A Sofia usará um emplastro bem grande num braço, ou num ombro, ou no pescoço, durante algum tempo, findo o qual retirará o emplastro desastrosamente, deixando uma nódoa avermelhada, derivada do sangue a afluir desesperadamente à zona dorida. De seguida, corre para a piscina, dentro de cujo recinto entrará com um ar de mártir, beicinho tremido, a segurar a nódoa para não cair, como se isso aliviasse a dor. Vale deixar cair uma lágrima ou parar para fazer um ar de quem acabou de ficar sem o carro que foi comido por um crocodilo. O professor reparará na Sofia, sentir-se-á preocupado e irá ter com ela, para saber o que se passa. A Sofia contará como foi agredida violentamente pelo ex-namorado, que a quer de volta para que lhe passe a roupa a ferro, cozinhe uns jantares, limpe o apartamento e aqueça a cama. O ex-namorado persegue-a, faz-lhe a vida num inferno, e a Sofia nem sequer tem um ombro amigo para chorar, pois o malandro tratou de lhe dar cabo das amizades todas. O professor terá pena dela, afaga-lhe o cabelo, diz-lhe umas palavras bonitas e carinhosas, ficam grandes amigos e já podem ir tomar café.
Técnica 3 – Sem elástico
Esta técnica é bastante agressiva e pode ter resultados imediatos. A Sofia vai para a aula de natação de biquíni. Previamente, retirou o elástico da cuequinha do biquíni. Já dentro da piscina, trata de mergulhar de cabeça o mais perto possível do professor. Vale dar um gritinho como se tivesse perdido o equilíbrio ao saltar. A cuequinha voará com o impacto na água e o professor ficará tão impressionado que não tirará os olhos da Sofia durante o resto da aula. A Sofia aproveitará para treinar melhor o mergulho e até poderá pedir dicas ao professor, aproveitando o facto de ele estar atento aos seus saltos para a água. Ele dará umas dicas, trocarão uns olhares cúmplices, ele dá-lhe mais uns conselhos, depois brincam sobre a malandreca da cuequinha, ficam grandes amigos e já podem ir tomar café.
Técnica 4 – A do Bastos
Não era um gajo chamado Bastos que dizia aquelas graçolas de “onde estavas no 25 de Abril” e “há que dizê-lo com frontalidade”? Se não era, passou a ser. Esta técnica baseia-se, portanto, na frontalidade. A Sofia perde a timidez, dirige-se ao professor de natação e, com um sorriso angelical, diz-lhe umas coisas bonitas, assim como se fossem em jeito de gracinha, mas cheias de verdade. Gaba-lhe os faróis (os tais que ainda não sei o que são), ah e tal não sei o quê os olhos verdes não sei que mais, que ele é muito simpático, muito musculado, pisca-lhe o olho, dá-lhe uma palmadinha na nádega, etc. Ou seja, é atacar à tubarão. Com frontalidade. Para que não haja dúvidas que é mesmo para o engate e que a Sofia não anda ali para enganar ninguém. Ele sucumbe a tanta sinceridade, conta à Sofia como sonha todas as noites com ela e com os seus atributos mais vistosos, ficam grandes amigos e lá vão eles tomar café.
Técnica 5 – O distribuidor, versão gaja-gaja
Depois de mais uma aula a dar aos braços, a Sofia sai e vai ao seu carro arrancar uma das chupetas do distribuidor. Basta abrir o capot do carro e procurar assim uma cena parecida com aquelas que se usam para tirar o leite das tetas das vacas. Se o carro não tiver disso, por causa destas modernices todas dos fabricantes, também vale arrancar discretamente um dos cabos da bateria. Depois, com muita serenidade, de capot bem aberto, espera pacientemente que o professor de natação apareça, sendo que o carro da Sofia deverá estar estacionado estrategicamente mesmo ao lado do carro do professor. Obviamente. Quando ele aparecer, é só dar aquele ar de aflição, que ah e tal o carro não pega. Ele tenta ajudar, espreita aqui, espreita ali, faz uma festinha no radiador para dar a impressão que percebe de motores, trocam uns comentários sobre o infortúnio da situação e o tempo passa. Eventualmente, o professor dará conta que a chupeta ou cabo está fora do sítio. Se não der conta, a Sofia pode aproveitar um momento de distracção para repor a coisa no sítio, dispondo-se logo a seguir a fazer mais uma tentativa, que correrá bem. A Sofia fica aos pulos, super alegre, comenta que foi da presença dele que o carro ficou bom, ele é um anjo, os anjos são muito amigos, e vão tomar um café.
Técnica 6 – O distribuidor, versão maria-rapaz
Situação idêntica à técnica 5. No final, a Sofia descobre, espantadíssima com a sua própria perspicácia de gaja, que está uma chupeta fora do sítio, ou cabo, ou whatever, pelo que tratará de meter no lugar, fazendo com que o carro pegue logo. De seguida, perante o pasmo do professor, a Sofia vai contar a história da sua vida, de como aprendeu a consertar motores e mudar o óleo e tal. Ele fica impressionado com a história, ouve-a até ao fim, sorri com as aventuras dela, ficam amigos e lá vai um cafezinho.
Técnica 7 – Netjacking
Esta técnica é muito refinada, exigindo conhecimentos técnicos e alguma paciência. Partindo do nome do professor de natação, a Sofia usará a Internet, com todas as suas potencialidades, para conseguir os contactos do professor: e-mail, Messenger, hi5, etc. Depois, usando um nick muito sexy e um avatar que apanhe entre o pescoço e o umbigo, entrará em contacto com ele via Messenger. Um avatar, como todos sabem, é uma foto que se usa para mostrar os atributos de quem está por detrás de uma identificação misteriosa na Internet. Há quem meta patinhos amarelos, mas isso já é uma técnica muito mais refinada de apelo à curiosidade ou ao fetiche, como forma de engate. Através do Messenger, a Sofia irá cativar irremediavelmente o seu professor. O avatar fará desta aproximação um sucesso garantido! Passadas umas semanas de muitas conversas virtuais, haverá lugar a revelar que, afinal, a Sofia é aluna de natação. Pode ser tipo surpresa mútua ou tipo timidez abundante que ah e tal tinha vergonha de o contactar directamente e que ele ficasse com uma ideia errada dela e não sei que mais que se costuma dizer quando se pretende disfarçar um engate. Por essa altura, já serão uns grandes amigos, e já podem deixar-se de computadores e enredos virtuais e irem tomar um café frente a frente.
E pronto, Sofia, é tudo por agora. Boa sorte com isso. Ficamos a torcer por ti. pickwick
publicado por pickwick às 19:17
link | tocar à trombeta | favorito
5 comentários:
De Pai Babado a 26 de Outubro de 2006 às 10:55
Epá, uma ajudinha tudo bem!
Agora uma tese de mestrado sobre como engatar gajos???
Nunca me enganaste......
De pickwick a 26 de Outubro de 2006 às 18:18
Pá... francamente... um gajo a tentar ser simpático e aconselhar uma leitora... e tu vens ah e tal tese de mestrado... ora tenta lá tu ajudar uma leitora a engatar o professor dela, vá!!!

tocar à trombeta