Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quinta-feira, 7 de Setembro de 2006
Os treinos, os maiores e outras sardinhadas…
Este post é um post sério, ok? É um post sobre sardinhadas, basicamente! Eu não aprecio sardinhadas. Como diria um amigo cinquentão: o melhor das sardinhadas, são as febras! Ele também não aprecia sardinhadas, nem sardinhas. São gostos e desgostos como outros quaisquer, aos quais temos direito, como todos os outros animais que habitam este planeta foleiro. As sardinhadas vêm a propósito, não das sardinhas com sabor a petróleo de traineira, mas desse momento tão português que é assar as sardinhas nas brasas. Ora, como as sardinhas são muitas e as brasas são poucas, ou vice-versa, há que “puxar a brasa à sua sardinha”, como diz a famosa expressão popular. No presente caso, que deu origem ao post anterior, aos respectivos comentários, e a este mesmo post, trata-se da milenar guerra entre machos e fêmeas, entre os maiores e as maiores, entre os treinos e os treinados. Confesso que é uma coisa que me diverte imenso. Quando alguém começa a puxar a brasa à sua sardinha, neste tema, ou noutro do mesmo calibre, de forma séria e convicta, não consigo evitar dar liberdade a uns quantos disparates. É mais forte que eu. Enfim. Bom, tudo isto dos homens e das mulheres nada em teorias e comprovações duvidosas, normalmente limitados a um universo minúsculo, tão minúsculo como os nossos horizontes, que costumam ser pequenininhos e insignificantes, quando comparados com a imensidão do mundo e da mente que tão pouco conhecemos. Estas teorias são tão boas, que há quase tantos casos a contrariá-las, como a comprová-las. Tudo depende, claro, da direcção para onde esteja voltado o nosso nariz, o pedaço do nosso corpo mais influenciável de todos. Independentemente das teorias e das comprovações, ou não, o que é mesmo mais divertido, é a atitude. A classificação dos outros. É mesmo animalesco! Os homens e as mulheres, os pretos e os brancos, os do Benfica e os do Sporting, os do norte e os do sul, os alentejanos e os não-alentejanos, os do partido A e os do partido B, os cosmopolitas e os campónios, os inteligentes e os básicos, os gordos e os magros, os bimbos e os fashion, e por aí fora. Às vezes, é irresistível entrar nesse jogo idiota e puxar a brasa à nossa sardinha, eu sei. Está na nossa natureza e fica bonito em certas ocasiões tribais, ou como alívio para a nossa própria parvoíce. Uma das sardinhadas que mais me diverte, entre todas, é o das idades e dos tempos, quando se começa com o discurso de ah e tal no meu tempo era assim e hoje é tudo assado. Há cinquenta anos atrás alguém fez o mesmo discurso, sem tirar nem pôr, há cem anos atrás idem, e há mil anos atrás também. Um discurso intemporal e sempre actual. E tão inútil para qualquer debate de argumentos, embora tão excessivamente usado. O clube de futebol de cada um é outro caso caricato de sardinhada. Frequentemente aparecem aquelas perguntas de ah e tal, de que clube eu sou, eu respondo que não sou de clube nenhum, e algumas vezes tentam fazer-me passar por mongolóide só por não ter um clube, ao que eu respondo perguntando porque é que o inquisidor é do seu clube, ao que ele responde em branco, está claro, pelo que insisto em saber porque é que eu havia de ser do clube dele ou de outro qualquer, e acabamos a conversa com um chorrilho de pragas e dedicatórias silenciosas a fazerem ricochete na carapaça da minha indiferença e do meu divertimento. De regresso à divertida guerra dos sexos, em que quase toda a gente gosta de participar, aqui ficam uns humildes conselhos para quem prefere não entrar nelas. Em resumo, entre homens e mulheres, há pessoas com bom senso, há pessoas com falta dele, e cadernos de encargos. Ter pirilau ou passarinha é completamente insignificante. Vale o bom senso e o nosso caderno de encargos. Ora, e o que é um caderno de encargos numa relação entre homens e mulheres? Nada de especial. Apenas um conjunto de cedências que estamos dispostos a fazer e exigências das quais não abdicamos. Portanto, face à existência deste caderno de encargos, ou se aceita, ou não se aceita. Ou há relação, ou não há relação. A tampa da sanita levantada, ou entra nas cedências, ou nas exigências. Assim, se fizer parte das cedências, não há que passar a vida a reclamar, mas se fizer parte das exigências, não tem que haver uma relação! Infelizmente, não costumamos fazer cadernos de encargos. Atiramo-nos de cabeça para tudo e mais alguma coisa, completamente desprovidos de bom senso, dedicando-nos posteriormente a reclamar por tudo e mais alguma coisa que deveria estar convenientemente descrito no caderno de encargos. Não esteve? Azar! Agora, não se queixem de ser infelizes! A infelicidade é um estado de vida tão fácil de abraçar como é fácil uma criança de dois anos meter-se a atravessar uma auto-estrada em hora de ponta. A diferença, é que nós deveríamos ter noção das consequências. Mas, eventualmente até tendo, pensamos sempre que somos capazes de escapar sem um atropelamento. Somos os maiores! pickwick
publicado por riverfl0w às 12:37
link | tocar à trombeta | favorito
2 comentários:
De cris a 7 de Setembro de 2006 às 21:10
Adoro "sardinhadas".Provocar a pessoas para um tema do qual sei que a sua opinião é totalmente contrária á minha, e quando não o é? Simples! Mesmo que concorde com o que estão a afirmar, contradigo...Só porque sim...É tradição de sardinhada uma Festa de Amizade...*
De Sandra a 7 de Setembro de 2006 às 18:57
Uma criança de dois anos gravita literalmente em volta dos pais e não atravessa sozinha uma auto-estrada em hora de ponta. As crianças não são tolas, são pequenas. Muito bem, um post sério.

tocar à trombeta