Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Domingo, 10 de Setembro de 2006
Abibu e a amarração de mulheres
Certo dia, assim tipo fim-de-semana, ia esta alminha descansada a sair da Estação do Cais do Sodré, na conspurcada capital portuguesa, quando é abordado por um jovem de raça negra oferecendo papelinhos. Detesto que me interpelem na rua, ou que me telefonem, a oferecer o que quer que seja. É pancada forte, mas é assim mesmo. Houve até uma brasileira que ligou a oferecer uma viagem de graça, que só era preciso ir levantar o vaucher não sei onde, ao que respondi que não estava interessado, de forma alguma, facto que a brasileira encarou como um grande sinal de demência. Não digo que não, mas não gosto mesmo que me ofereçam coisas. Bom, o papelinho oferecido, que aceitei apenas por delicadeza, rezava assim:
“Professor Mestre Abibu
Encontra-se no nosso País um Grande Mestre Professor de Astrologia, Internacionalmente reconhecido com 23 anos de experiência. Ajuda a resolver problemas dos mais difíceis ou graves com urgência e honestidade como são: Amor, Amarração da Mulher em 7 dias e do Homem em 8 dias, Impotência Sexual, Mau Olhado, Depressões, Negócios, Justiça, Inveja, Doenças Espirituais, Emprego, Vícios, Drogas, Alcoolismo. Lê a sorte e faz-te saber o teu Passado, Presente e Futuro. Faz consultas pessoalmente ou à distância. Atende todos os dias das 8h às 22h.
”
Saltou-me logo à vista a questão da “amarração”. O resto, enfim, é aquela base do mestre maravilha, que tirou licenciatura e depois mestrado, pelo que então é um professor mestre, resta saber onde, quando, como e em quê. Faz lembrar as licenciaturas e mestrados das universidades portuguesas, tipo mestrado em focas marcianos ou doutoramento em buracos negros. O nome não ajuda nada, digo eu, pois Abibu quase que se confunde com um pássaro chamado abibe que tem um penacho piroso à mandarim. Soa a nome de cachorro, como Bóbi ou Bibú ou Bubú. Estou mesmo a imaginá-lo, quarentão, muito charlatão, barbinha à mete-nojo, túnica branca lavada com lixívia “Xau”, conversa de alguidar e sandálias de sisal. E desde quando é que o Amor é um problema? O problema são os amantes, as amantes e o excesso de peso! E o que é uma doença espiritual? Será quando o espírito da avozinha fica mal disposto e começa a vomitar pelos corredores da casa assombrada? Bem, quando ao estrondo das capacidades do mega-professor, é mesmo a “amarração”. Repare-se: o homem leva mais um dia a amarrar do que uma mulher. Porque será? Por ser mais alto? E se for uma comilona com 120 kg? Leva menos tempo a amarrar que um franzino com 1,55m? E porquê um dia de diferença? Tem alguma coisa que ver com a Bíblia? E o que é uma “amarração”? É prender com cordas para ficar imobilizado? Hum… isto cheira-me a sexo e a sadomasoquismo. Será que o professor tem uma equipa tipo A-Team que sai para a rua numa carrinha Hiace preta com vidros fumados, cheios de artilharia, pistolas lançadoras de redes, espingardas com dardos tranquilizantes, sprays hilariantes, sei lá, para amarrarem as vítimas, raptá-las e entregá-las aos clientes ansiosos? E como é que se fazem consultas à distância? Ligo para lá e digo: ah e tal, olá, hoje ia no comboio da linha das beiras e uns bancos à frente ia uma poderosa moçoila de dezoito anos, calças de cintura muito caída, lingerie verde alface com elásticos lilás, sem equipamento de suporte para uns incrivelmente grandes seios, cobertos apenas por um ridículo e transparente top de algodão cor-de-rosa que deixava vislumbrar uns círculos escuros muito provocantes, e ah e tal, queria amarrar a moça. Pode ajudar-me? O professor Abibu, que também é mestre, dava imediatamente ordem à sua A-Team para apanhar rapidamente a A1, depois o IP3, e vasculharem a Beira Alta e a Beira Baixa em busca da pretendida moça, segundo a detalhadíssima descrição fornecida por este seu cliente. Pois claro! pickwick
publicado por riverfl0w às 18:10
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres