Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Terça-feira, 8 de Junho de 2004
Folha em Branco


Esta noite é de contemplação. Limito-me a fazer como certo dia vi num qualquer documentário da National Geographic. Os índios Iroquois reservam uma noite de tempos a tempos para... ficarem em absorto silêncio. Pintam a cara de preto (de modo a não serem reconhecidos na penumbra), vestem as suas melhores peles e juntam-se no cume de um monte, em completo emudecimento, numa meditação que dura até o raiar do Sol. Comigo é imperativo fazer algumas alterações, não vá ser levado para o hospital psiquiátrico mais próximo; pego no meu melhor charuto, à falta de peles; sento-me numa cadeira à varanda, no modesto 1º andar (o monte cá do sítio); e, com uma folha em branco e uma caneta, vivo um momento de tranquilidade que é só meu. Chega por vezes a assemelhar-se a uma cena de teatro, quiçá um pouco dantesca: uma luz tremeluzente misturada com um fumo espesso a iluminar uma folha em que se escreve tudo e não se escreve nada, em devaneios inconstantes.



A cada golfada fumarenta sugada, inúmeros pensamentos me cruzam o espírito: a qualidade dos charutos cubanos, em quem vou votar nas Europeias, ou que ruídos estranhos são aqueles que ouço vindos da janela ao lado. Talvez este último dê menos que pensar. Enfim, não me quero alongar acerca da prosmicuidade dos vizinhos. Apago o meu cubano bem a tempo de ouvir um gemido discreto a duas vozes. São dois prazeres perfeitamente legítimos numa madrugada de segunda-feira: desfazer uma cama a dois ou escrevinhar numa folha em branco a tragos de charuto. riverfl0w

tags no estendal: ,
publicado por riverfl0w às 01:29
link | tocar à trombeta | favorito
4 comentários:
De Bluestocking a 8 de Junho de 2004 às 20:19
Bem, se os cubanos dão esse efeito, então imaginem as cubanas...
De pickwick a 8 de Junho de 2004 às 09:12
Caro colega: eu também vivo num modestíssimo 1º andar, embora sem varanda, mas não ouço vozes a dobrar nem a triplicar quando me aprochego da janela. Será da falta do cubano cujas qualidades tão apaixonadamente apregoas? Será por a média de idades no meu prédio andar nos 50, já comigo e com as crianças incluídas? Serão estes dois pormenores - o visual e o sonoro - a causa desta falta de inspiração que me atormenta? Já agora, talvez valha a pena pensar nisto: de que marca era mesmo o cubano?
De riverfl0w a 8 de Junho de 2004 às 03:07
Defacto, muito obrigado pelas palavras. Os cubanos que me fazem escrever estes delírios vendem-se em Lisboa. :P Um abraço d'um arauto alucinado!
De Defacto a 8 de Junho de 2004 às 01:36
Tou a ver que o menino anda bastante poeta... poix bem... gostei muito do post... num sei se foi por não estar habituado a cenas tuas completamente diferentes... ou se pela originalidade do texto... continua... si sr...
Lol

tocar à trombeta