Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quinta-feira, 10 de Junho de 2004
Por favor... tapem-se!!!
Já devia saber que ir à cidade poderia ser bastante prejudicial para a saúde privada e pública. Um verdadeiro perigo, mas ainda assim, lá fui. Ontem. Não devia! Ó meu Deus, estava um dia de calor como haverá muitos daqui a umas semanas, mas como não havia igual há muitos meses, pelo que havia muito calor, e pessoas acaloradas, e enfim... Isto de viver num lugarejo para lá de onde o sol se põe não é tudo um mar de rosas. Para começar, não há mar. E mesmo que houvesse, aqui não há calor. Quer-se dizer... há, mas as pessoas não mostram que têm assim tanto calor. Não tanto como ontem quando fui à cidade e vi aquilo ali, assim, de um lado para o outro, vinham de todo o lado e iam para os outros lados todos. Muito calor. Há aqui uma situação típica de exploração matemática na área da proporcionalidade inversa. Que é inversa da proporcionalidade directa. Ou seja, um exemplo de directa será: quanto mais beberes, mais clones identificas. O da inversa será: quanto mais calor, menos roupa. Muito menos roupa. Eu evito descrever mais pormenorizadamente o que vi. Só me lembro de exclamar repetidamente, sozinho dentro do carro: “ó por favor, por favor.. tapem-se... vá lá... aiiiiiiii...” e virar a cabeça completamente desorientado para um lado e para o outro e pouco para a estrada. Muita sorte tive eu em não haver muito trânsito, quando não já havia lata amolgada com fartura, postes derrubados e bocas de incêndio a esguichar forte e feio como nos filmes. Vim de lá completamente fora de mim, de volta à minha terrinha pacata e onde as mulheres não sentem muito calor. Elas também são tão pouquinhas que quase nem as vejo. E talvez por isso me tenha acontecido o que aconteceu quando passei na rua principal da minha terrinha. Para além de já não vir na posse integral das minhas faculdades, eis que ao longe vislumbro a mulher mais bonita e bem feita que já se passeou por estas ruas calcetadas: 1,80m para cima, cabelo longo e castanho ondulado, um vestido vermelho impressionante e muito levezinho a esvoaçar ao sabor do vento, uma elegância estonteante, seios firmes e hirtos como nos filmes, um pé à frente e o outro atrás. Ai!... Estava estacada mesmo à beira da rua, como se estivesse para se meter a atravessar para o outro lado. Inconscientemente, engatei a rapidíssima para a frente e voei no meu bólide vermelho para não perder a oportunidade secular de me deliciar com a proximidade de tamanha deusa. Em poucos segundos estava quase em cima dela. E só já tão próximo é que me apercebi: era o raio de um manequim da loja de roupas!... Eu sei, eu sei... óculos e tal... pickwick
tags no estendal: , ,
publicado por riverfl0w às 02:23
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres