Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quarta-feira, 13 de Setembro de 2006
Entretenimento para reuniões
Alguém comentava, ainda hoje, como era uma grande seca estar horas a fio em reuniões. Visto que hoje mesmo participei em duas, não pude evitar relembrar como resolvo esse problema da falta de água no ambiente das reuniões de várias horas. Habitualmente, começo por fazer uns rabiscos no caderno. Dependendo do estado de espírito, os rabiscos podem variar entre monstros, criancinhas mal feitas, espadas, facas, machados e fogueiras. Às vezes também desenho assim umas coisas sem sentido, mas rapidamente se transformam em armas mortais. Quando me enfado dos desenhos e o ambiente não humedece, só tenho uma solução: apreciar a paisagem. Hoje, foi isso que acabei por fazer, uma vez que se entrou naqueles impasses compridíssimos. Ao meu redor, era só mulheres, exceptuando quatro homens a um canto. Ao meu lado direito, a Dulce. Ah, os nomes aqui usados, caso coincidam com a realidade, é mesmo só por coincidência. Para todos os efeitos, tratam-se de nomes de código, para preservar o anonimato das respectivas. Continuando, a Dulce. Trintona, super elegante, desportista, bronzeadíssima, vestida de preto, com os cabelos pretos lisos e compridos. Carregadíssima de maquilhagem, caramba! Pelo menos, umas oitocentas gramas de pó de arroz e uma cena verde e brilhante nas pálpebras, com um ar muito asqueroso. É uma fulana simpática, embora ninguém pareça gostar dela. Ontem estava sentada na sala, com uma saia, de perna traçada à homem. Se usasse uma sirene dos bombeiros a tocar dentro das cuecas não conseguiria chamar mais à atenção. Embora seja elegante, tem os mínimos toráxicos, o que, por via do calor que ainda se faz sentir, obriga ao uso de um decote adequado à temperatura. Muito bonito! Falta apenas acrescentar que a Dulce tem uma dentadura perigosa, capaz de arrancar a tampa a uma lata de vinte litros de tinta. A chamada “dentuça”. À minha esquerda, a Alexandrina. Nova na casa, deve ter tido uns quilos a menos, no passado. Agora, trintona a mãezinha, resta-lhe aquelas camadas de gordura tão típicas. Ainda assim, e também por via do calor, apresentava um decote generoso, muito generoso, mostrando ao mundo que Deus, na altura de distribuir maminhas, lembrou-se dela, e estava um mãos-largas! Um belo decote. Muito bonito! Escusava era de andar com aquelas bugigangas todas nos pulsos, nos dedos e no pescoço. Parece uma árvore de Natal à espera de ser iluminada. À minha frente, a Maria-não-sei-o-quê. É nova na casa e ninguém percebeu o que vinha a seguir a Maria. Mas não interessa. Senhora casada, trintona ou recém quarentona, cabelo loiro e bem arranjado, liso, corpo inflacionado pelas vicissitudes da idade, apresentou-se de forma muito discreta e reservada, com um peito abundante tapado a rigor até ao pescoço por uma t-shirt verde e muito justa. Passava a vida a olhar para mim quando discursava, se calhar porque mais ninguém lhe dava importância quando abria a boca e mostrava que não percebia muito do que quer que seja. Loira, portanto. Em tempos, deve ter sido uma daquelas bonequinhas de deixar os homens todos desorientados. O justo do vestuário compensava a falta de decote. Muito bonito! Será que algum dia vai chegar ao trabalho toda endiabrada com uma mini-saia de fazer corar qualquer galdéria? Ainda à minha frente, a Carla. Ora, a Carla também é nova na casa e também parece ser loira. Deve ter vinte e poucos anos, pelo que a barriguinha de pele que salta entre a t-shirt e as calças fica-lhe muito mal. Ainda tão nova e já a deixar-se relaxar. Que mal. Não fosse este excesso de alargamento e seria uma perfeição, com aqueles cabelos loiros. Curiosamente, o rosto só tem dois modos: ou sisudo, como se estivesse enjoada com o almoço, ou com um sorriso rasgado, tipo pato Donald, com os dentes todos à mostra. Usa uns óculos muito foleiros, se calhar para se armar em gaja-fashion, sendo que as hastes ligam às lentes em baixo, em vez de ligarem em cima, como acontece com todos os outros óculos do mundo inteiro. Ainda tive para a avisar que tinha os óculos ao contrário, mas ela parecia tão confortável e concentrada que optei por ficar caladinho. Sob a t-shirt clara, reinava a abundância. Muito bonito! A cabeleira por vezes elevava-se nos ares, dando-lhe um ar terrivelmente selvagem, como uma juba, estilo leoa mascarada de leão. Será lésbica? Ouvi-a na conversa com outra colega, passadas umas horas, a tratarem-se por “amor”. Depois havia mais umas mulheres, que até são muito porreiras, colegas e tal, mas para as quais olho e não encontro uma única virtude. Por isso, tive que recomeçar a apreciação individual, desde o princípio. Ainda dizem que as reuniões podem ser uma seca... Não percebo como! Amanhã tenho outra reunião, de madrugada, às 8h30. A Carla, a Dulce, a Alexandrina e a Maria-não-sei-o-quê também lá vão estar. Espero que esteja calor, senão a reunião pode transformar-se mesmo numa seca! pickwick
publicado por riverfl0w às 13:11
link | tocar à trombeta | favorito
1 comentário:
De Coohen a 13 de Setembro de 2006 às 16:58
Com tão lino e interessante quadro pintado por ti, começo a sentir uma vontade enorme de participar na tua reunião de amanhã!!! Parece que com tantas colegas novas este ano vai ser só cambalhotas!!! upi upi upi

tocar à trombeta