Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Domingo, 15 de Agosto de 2004
Pegadas na areia
Sigo os teus passos aqui e acolá, como pegadas na areia. Julgas que não, que não me importo, que no tanque do meu dia-a-dia a azáfama não deixa espaço para te perseguir, mas não é bem assim. Quando não te sigo, imagino-me a seguir-te, imagino-te aqui e acolá, entre ruas e vielas, estradas e céus. Intriga-me perseguir-te e descobrir que me persegues também, sabe-se lá com que intuito, com que razão, com que diversão, com que ansiedade. Ansiedade? Não sei. Mergulho, dia após dia, a minha cabeça no oceano da ignorância, da dúvida, da incerteza, do sonho. Sonho demais, eu sei. Mas como é bom sonhar... Sonhar com a dúvida, trocando-a pela doce certeza do que não passa do limiar da imaginação. Cuido do que escrevo nestas linhas, não vá esticar-me além do permitido pela lógica do que se conhece, não vá pisar o risco da decência, não vá estragar a amizade que julgo construída. Cuido do que escrevo, porque sei que o lês. Não o dizes, mas eu sei que lês, porque deixas pegadas, como na areia. Há palavras que destroem, há sentimentos que, por isso, não se podem trocar levianamente por palavras. Há sentimentos que devem – percebes? – ficar sepultados no berço. Contenho-os a custo. Mas, o mais certo é não te interessarem. Sinto este desfasamento de interesses. Sinto-me ridículo por sentir o que sinto. Tanto, que não sou capaz sequer de ousar levantar um pouquinho a toalha que os esconde, abrigados do medo da dúvida. Provavelmente, nunca passou pela tua cabeça o que vai para aqui dentro da minha. Tudo é um turbilhão de alegrias, dúvidas e desilusões. Sobe e desce. Às cambalhotas. Sei lá. Não consigo arrumar definitivamente as ideias, cá dentro, metê-las nas prateleiras certas, deitar fora o que não tem lugar. Parece que passam a vida a sair do sítio, as que se deitam fora teimam em voltar e reclamar um espacinho novamente. Tinha esperanças que o verão e a longa distância fizessem das suas, mas fui enganado. A distância afinal é curta, e curto é também o verão. A montanha russa continuou e continua ainda. Quero esquecer o que sinto, o que imagino, o que sonho. Quero, tento, mas volta tudo sempre ao mesmo turbilhão. Pesa-me a consciência por assim ser. Perdoa-me, por favor. Não mereces que aproveite a tua amizade para imaginar algo que não existe. Nem podia existir. Ai… se a vida fosse uma travessa de arroz doce, era tudo tão mais fácil. Mas como não é, assim ficamos. Ficas na dúvida, ou talvez não. Descontrolou-se-te o batimento do coração? Se sim, que esperas? Se não, o tempo encarregar-se-á de levar estes escritos e estes sentimentos para o distante esquecimento, a bem do descanso desta alma. pickwick
tags no estendal: ,
publicado por riverfl0w às 01:59
link | tocar à trombeta | favorito
3 comentários:
De Joana C. Lopes a 19 de Agosto de 2004 às 14:04
My thought's exactly...
De Bluestocking a 18 de Agosto de 2004 às 08:37
Mais uma vez o que escreves toca muito fundo, ca dentro... nao so pela sua beleza, mas pelo que descreve tambem de mim mesma... sim, o mesmo turbilhao de duvidas, certezas e incertezas,... sonhos e possiveis pesadelos... Nao es so tu que os tens. Nunca pensei que fosse possivel o impossivel acontecer... mas foi acontecendo... e tambem nao consigo esquecer um so segundo sequer o que era suposto nao acontecer...pelo menos da minha parte. Nao tenho o direito, eu sei, mas aconteceu. E e muito bom sonhar, mesmo que por breves momentos...
De Bluestocking a 17 de Agosto de 2004 às 11:12
Claro que descontrolou...

tocar à trombeta