Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quinta-feira, 26 de Agosto de 2004
Na solidão do túnel
Já não me lembro de quando entrei no túnel. Não foi assim há muito tempo, mas não consigo precisar. Não sei se entrei mesmo ou se pura e simplesmente dei comigo já lá dentro. Um túnel escuro. A meio, uma curva a 90º com o que parecia ser uma portinhola certificada pelo reflector a dizer “Exit”. Para além de escuro, este túnel é esquisito. Não sei bem explicar. Não é bem como os outros túneis. Este, ora parecia ser agradável de andar lá dentro, ainda que a rastejar, ora parecia tortuoso. Uma cabeçada ali, uma pedrinha aqui, uma roçadela acolá… um percurso levemente agitado, a bem dizer. Quando se está dentro de um túnel, acho que se pensa sempre no final do túnel, onde ele acaba e onde saímos. Há quem fale na “luz ao fundo do túnel”, mas eu sinceramente acho que a malta quer mesmo é chegar ao fim e sair. De preferência com uma saída airosa, assim tipo um dia de sol. E ali andei eu, armado aos cágados, dias após dias, semanas após semanas. Ou era o túnel que era comprido ou era eu que andava muito devagarinho. Das duas, uma. Recordo bem quando cheguei à curva. A portinhola. Só empurrar e estava safo desta brincadeirinha toda. Ainda tomei uma decisão: vou dar à sola daqui para fora e pronto. Mas algo me chamou, para além da curva. Algo, ou alguém, não sei bem. Olhei… se aquilo não era uma luzinha lá ao fundo, era alguém a brincar comigo. Ou um pirilampo, aqueles besouros luminosos que vagueiam pelos jardins. Ainda vacilei, não fosse ser mesmo uma brincadeirinha ou o raio do pirilampo, e ter de voltar o caminho todo para trás. Mas lá segui. A luz era mesmo a famosa luz, a do fim do túnel. Um gajo fica sempre um bocado na dúvida quando anda a rastejar dentro de um túnel, mas há que ter um bocadinho de fé. Valeu a pena. Cheguei ao fim, o dia era de sol, lindo, lindo, lindo. E o que havia à saída do túnel? Uma paisagem agradável, embora desconhecida. Respira-se bem. Há que explorar, agora. Conhecer, descobrir e desfrutar. Assim seja. pickwick
tags no estendal: ,
publicado por riverfl0w às 23:40
link | tocar à trombeta | favorito
1 comentário:
De riverfl0w a 26 de Agosto de 2004 às 23:58
Boas descobertas... um forte abraço deste teu (fugido) parceiro

tocar à trombeta