Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Segunda-feira, 30 de Agosto de 2004
Saudade é...
“Saudade é o ar que vou sugando e aceitando como fruto de Verão nos jardins do teu beijo...” é o que diz aquela cançãozinha que agora está na moda, dos Laranja ou lá que fruto são eles que agora não me lembro. Não percebi nada do que eles querem dizer com esta frase, mas enfim, o poeta é um bom poeta. Entretanto, e porque fiquei curioso, assaltei as prateleiras da Internet em busca da definição. É uma colagem, eu sei, mas não resisti a ler o que outros escreveram sobre o assunto. E aqui vai:
Saudade é o abraço ausente de alguém que está presente em você. Saudade é solidão acompanhada, é quando o amor ainda não foi embora, mas o amado já. Saudade é a 7ª palavra mais difícil de traduzir. Saudade é amar um passado que ainda não passou, é recusar um presente que nos machuca, é não ver o futuro que nos convida. Saudade é sentir que existe o que não existe mais. Saudade é o inferno dos que perderam, é a dor dos que ficaram para trás, é o gosto de morte na boca dos que continuam. Saudade é doce contacto da ausência de quem queremos. Saudade é presença ausente de alguém que queremos junto. Saudade é querer sempre com alguém estar. Saudade é verdadeiramente um vazio que teima em ficar. Saudade é um doce ácido que dói, uma dor extremada. Saudade é sentar-se à sombra, triste e ficar aguardando a amada. Saudade é sentir com a alma o coração que faz falta sentir. Saudade é querer ficar na calma, mesmo precisando ir. Saudade é lembrança de alguém distante. Saudade é querê-la perto sabendo que a ausência é constante. Saudade é sentir a tua falta quando não estás aqui comigo. Saudade é olhar em seus olhos, com o sentir maior do que amigo. Saudade é procurar suas palavras gravadas em algum papel. Saudade é sentir felicidade mesmo provando do fel. Saudade é saudade que, doce mesmo não é. Saudade é saber viver trazendo no coração a fé. Saudade é um pouco de fome, só passa quando se come a presença. Saudade é um aperreio p’ra quem na vida gozou, é um grande saco cheio daquilo que já passou. Saudade é canto magoado no coração de quem sente. Saudade é o trajecto do mar em nosso peito, o desassossego em nosso olhar, quando tu não estás. Saudade é um sentimento que nem a dor é capaz de apagar.
Bem, é óbvio que é quase tudo dos brasucas, os tais que confundem saudade com um biquini tanga numa praia qualquer. Mas, se queres mesmo saber como é esta saudade que eu sinto, aqui fica, no original:
Saudade é uma válvula entupida neste coração que salta descontroladamente entre o colchão da memória e o trampolim do sonho. Saudade é o dizer que basta tocar-te ao de leve no rosto para acalmar esta explosão, quando afinal nem um abraço infinito chegaria. Saudade é ter medo de esquecer o teu rosto, o teu corpo, o teu sorriso, a tua alegria, o teu olhar. Saudade é encher o peito de ar até mais não, só para depois poder suspirar prolongadamente na esperança de me libertar deste aperto, desta espécie de dor. Saudade é ter já vergonha de mostrar e dizer que a sinto desesperadamente, não vás tu enjoar ou achar-me infantil. Saudade é querer chorar por não estares aqui, mas não conseguir. Saudade é saber que estarei ao pé de ti daqui a menos de meio-dia, mas sentir como se faltasse ainda meio ano. Saudade é não resistir a escrever: até já! pickwick
tags no estendal: , ,
publicado por riverfl0w às 00:22
link | tocar à trombeta | favorito
2 comentários:
De af a 30 de Agosto de 2004 às 01:11
Não tenho mesinhas. O texto é demasiado grande.
De riverfl0w a 30 de Agosto de 2004 às 00:51
Só espero, caro comparsa, que não chegues aqui amanhã com o título "Insconciências 2". ;)

tocar à trombeta