Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arautos do Estendal

Ela, do alto das suas esbeltas e intrigantes pernas, veio caminhando quintal abaixo até ao estendal, dependurando a toalha onde, minutos antes, tinha limpo as últimas gotas de água. O Arauto viu, porque o Arauto estava lá. E tocou a trombeta.

Ela, do alto das suas esbeltas e intrigantes pernas, veio caminhando quintal abaixo até ao estendal, dependurando a toalha onde, minutos antes, tinha limpo as últimas gotas de água. O Arauto viu, porque o Arauto estava lá. E tocou a trombeta.

Arautos do Estendal

17
Dez04

Tempo para pensar

riverfl0w
Ora bem, contas feitas, acho que já passaram uns dois meses desde o último disparate digitado por dedos besuntados de gordura – a tal que é formosura. Ficaria bem assinalar esta distância temporal como a medida do pensamento, articulada entre o sono e o despertar, mas a realidade é bem diferente. Tão diferente, que nem dei por ela chegar. Ela, a realidade, claro está. Eis-nos, então, chegados de um salto ao mês D. Houve o dia D, de desodorizante, designação atribuída ao célebre desembarque bélico em virtude do pivete proveniente dos sovacos e virilhas a solicitar lavagens mais atentas. E agora temos o mês D. Eu não curto o mês D. O mês D não é de desodorizante, porque nesta época só vai suar quem estiver nos trópicos ou num elegantíssimo ginásio. Eu diria que é D de… de… vejamos… ocorrem-me pensamentos atravessados e palavras ao vento… D de… diarreia, Deolinda, desespero, deixa-me em paz, dormir… Eu sei, não condiz com a alegria e o esbanjamento incompreensível de lâmpadas, energia eléctrica e euros. É um mês que me deixa incalculavelmente atrofiado dos limites sociais, a transbordar de uma vontade mórbida de pegar no pé do primeiro tipo de vermelho e branco que me aparecer pela frente a fazer “hohoho” e espancá-lo violentamente contra a parede mais próxima. Não sei explicar. Como diria o povo, tudo o que é demais, enjoa. No entanto, é também tempo para pensar em certas e determinadas coisas. Para além do esbanjamento supracitado (aprendi esta palavra há uns anos… fica linda, não fica?), há uma série de situações que se propiciam nesta quadra. Já agora, diz-se quadra, porquê? Isto é alguma canção? Ou é a mulher do quadro que vem passar a roupa a ferro? É aquela cena da família reunida à volta da lareira, o devorar carnívoro de duas postas de bacalhau salgadíssimo, o tipo vestido de vermelho a tentar enganar as criancinhas, a troca compulsiva de prendas e prendinhas, e o discurso fácil sobre a pretensa solidariedade que puxamos a nós quando dá jeito. Dá-me vontade de dizer que nada disto faz sentido. Mas é melhor não o dizer. Há que refrear os impulsos e reflectir sobre o tudo e o nada, aceitar o branco como o branco, e o laranja como o laranja. Principalmente, aceitar. Porque, no meio de tanta aberração consumista, de tanta festa superficial, de tantas sms banais e impessoais que me vão dar cabo do telemóvel na próxima semana, de tantos desejos de boas festas e outras coisas que tais atirados como cuspidelas para o chão, o que nos falta mesmo é aceitar. Dar uma prendinha, dizer boas festas, mandar um e-mail, enviar uma sms, sorrir, é sinal de banalidade. Digo eu. Cada um torna-se secretário de si mesmo, dedicando horas à panóplia de malabarismos habituais neste mês. Somos amigos, solidários e malabaristas. Mas continuamos, nesta hipocrisia tão própria do ser humano, a fazer de conta que respeitamos e aceitamos os outros. Os outros e os seus apêndices. pickwick

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.