Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Domingo, 19 de Dezembro de 2004
Bang! Bang!
Lucky Luke? Não! Coelhos! Sei lá… Hoje fui ao mato. Fazer o quê, isso agora não interessa nada. Há muitas coisas que um gajo vai ao mato fazer. Umas interessam, outras também não. A de hoje, não me lembro se interessava ou não, ou então não me apetece dizer. Tanto faz. Mas, mal entrei uns metros por ali dentro, pelo mato, eis ao longe a silhueta mal disfarçada de um fulano trajado de camuflado e boné cor-de-vomitado-de-cerelac. Viu-me e embrenhou-se um pouco mais nos arbustos. Hoje é domingo, o que faz do fulano um caçador. Ou, pelo menos, armado em caçador. E armado, também. Eu não curto caçadores. Têm todo o direito de existir, como as pulgas e os postais de boas festas, mas isso não me obriga a gostar deles, nem sequer a evitar um trejeito de indisposição. Não bastando andarem a desfazer animais minúsculos, como coelhos-anões-lusitanos e perdizes-minorcas, com tiros de caçadeira, é gente que vê demasiada televisão e pode, de um momento para outro, confundir um prato de arroz de marisco com um cágado voador, disparando centenas de chumbos em todas as direcções. Pior ainda, confundir um ser humano com um javali-cor-de-rosa. Poucos minutos depois, chegaram dois carros, três fulanos. Dois deles iam também de camuflado, mas todos com um ar demasiado jovem para terem a noção do que é pegar numa arma de fogo e puxar o gatilho. Com aquele ar muito másculo de quem pensa que é a mesma coisa que puxar o autoclismo lá de casa. Mais uns minutos passados e começou o festival. Bang bang para aqui, bang bang para ali, mais uns minutos de silêncio, e bang bang, e mais bang bang. Mas que praga! Deviam pensar que ali havia veados, bisontes e elefantes, com certeza. Mais uns minutos, metem-se nos carros e vão-se embora. Das duas uma, ou mataram a bicharada toda da zona, ou andam a correr todos os trilhos que partem da estrada alcatroada para darem uso à ferramenta e se sentirem ainda mais homens, passando depois no talho do Pingo Doce para levarem carne para casa. Ás tantas, até são capazes de passar no talho antes, estendem depois os bifes num tronco, mandam umas chumbadas, e vão para casa todos satisfeitos com as peças de “caça”. Bom, eles que sejam felizes. O que eu não gosto mesmo, é aquela sensação de se estar à mercê de uns irresponsáveis, sujeito a servir de alvo a um descuido ou, pura e simplesmente, a uma anormalidade intelectual. É que, bem vistas as coisas, eles andam por todo lado, como as carraças e as baratas, inundados em direitos, e um gajo pode ver-se apanhado de surpresa a meio de um piquenique. Está mal feito. Aos domingos, os caçadores deviam pegar em pistolas de água do Carnaval, juntarem-se todos no largo da feira e fazerem “tiro” uns aos outros. Divertidíssimo! Depois convidavam umas artistas do cinema porno, para aparecerem em trajes meio transparentes e serem também alvo das pistolas de água. Molhavam-se todas, depois uma delas trazia shampô, aparecia uma mangueira e começavam a lavar os carros dos caçadores. Eles manipulavam artisticamente as mangueiras, entretanto acabava-se o tempo do contrato delas, iam todos ao talho, compravam bifes ou lombo de porco e iam para casa ter com as suas mulheres gordas e peludas e os filhos a jorrar ranho pelas narinas. Felicidade a rodos! pickwick
tags no estendal: , ,
publicado por riverfl0w às 21:38
link | favorito
De struggle a 23 de Dezembro de 2004 às 02:04
Isso da dignidade dos animais é muito engraçada, so k kuando os "pobrezinhos" dos animais estao mortos no nosso prato e ja cozinhados com um molhinho saboroso a dignidade desaparece 1bokado... Enkuanto k n mexa com a nossa vida todos enchem a boca pa falar dos direitos dos animais mx kuando xega a altura d alterar realmente alguma coisa e como da algum trabalho assobiamos pro lado. O animal so é bom vivo kuando é fofinho, mas para nos alimentarmos de 1cadaver ja eh na boa... Ou a dignidade é so "morrer bem"...? (um pouco d coerencia) Pensem nisso, ser vegetariano n eh assim tao dificil... www.peta.org
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres