Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Segunda-feira, 15 de Maio de 2006
Os amigos da Meia Via
Há passeios românticos, numa solarenga tarde de primavera, que facilmente se transformam em passeios nostálgicos. Por certo haverá casais de licenciados que passearão por ruas outrora calcorreadas com uma capa nojenta às costas, apontando para ali e para acolá, entre espasmos bestiais (de besta, entenda-se), recordando em voz alta as efemérides e as companhias que deram azo a cenas tristes de vómitos ao virar daquela ou de aqueloutra esquina. É uma forma de realizar um passeio nostálgico. Cada um tem a sua. Eu cá, foi mais de um saltinho à Meia Via. Para os menos sabidos e menos doutos em geografia nacional, a Meia Via é uma pacata aldeola ribatejana, banhada agora pela moderníssima A23, e alvo do malfadado progresso que assolou todo (ou quase) o país, remetendo para um outrora longínquo a paz e o sossego que faziam de nossa vida uma vida com qualidade de vida. Portanto, uma vida de qualidade. A Meia Via também devia ser assim. No passeio, recordei-me de alguns fogachos, à guisa de “felaches” e picos de acesso ao Memory Stick. Muito cansativo, digo já, ou não tivessem passado mais de três décadas sobre a última vez que estive na Meia Via. Como o tempo voa. Ou, adaptando à modernidade, o tempo agora passa a vida a andar de avião. Bom, entrado na Meia Via, o único pedaço que de lá me poderia recordar era mesmo a escola. Não que lá tivesse estudado, mas porque a minha mãezinha lá trabalhou durante um ano e eu tinha de ir com ela para lá, fazer tempo, entregue à liberdade condicionada do recreio de uma escola primária. Ao dobrar a curva, mesmo antes de bater de frente no edifício escolar, uma encosta suave fazia descida para a auto-estrada. Eu não sou muito de pesadelos, mas há que referir que tenho sorte por nunca ter tido sonhos atribulados com uma cena foleira que me aconteceu naquela encosta. Acho que foi o primeiro dá-de-frosques da minha vida, um verdadeiro brilharete dos “100 metros encosta acima”. A cena foleira deu-se numa tarde qualquer, tinha eu seis anos. Como puto que é puto a sério, e não os pedaços de carne amorfa e enjoada de que são feitas as crianças hoje em dia, não tardei enquanto não quebrei a liberdade condicionada, atravessei a estrada e abalei encosta abaixo, na ganância de explorar novos territórios de baldios, pinheiros e mata rasteira. A coisa é que correu mal, pois um cigano dos seus dez anos, que não tinha mais nada para fazer, topou-me ao longe e em pouco tempo estava também na encosta, aproximando-se de mim com um arame ferrugento nas mãos, esticando-o repetidamente e exibindo um ar sinistro e pouco amigável. Não me lembro bem, mas mandou umas bocas quaisquer sobre enrolar-me o arame ao pescoço e ah e tal. E eu, nem esperei para lhe responder educadamente que fosse à m****, até porque só umas semanas mais tarde é que devo ter aprendido a ser assim educado, vai lá saber-se com quem tive as lições. Em três tempos tinha esgalhado a encosta toda e saltava ligeiro por cima do muro da escola, provavelmente branco que nem umas ceroulas, e muito ofegante, com o coração a saltar-me pelas narinas. É fixe ser-se ameaçado com um arame e escapar. É bonito, até. Lembro que, a seguir ao muro, o conforto veio mesmo dos meus únicos amigos de então. Naquele pátio enorme aos olhos de um puto de seis anos, mas pequenino como agora pude constatar, costumava passar muito tempo com os alunos mais velhos, os da “tele-escola”, tudo acima da barreira dos 12 anos. Uns matulões, pensava eu, lá de baixo da minha minorca estatura. O “russo”, era como me chamavam, a propósito da cor do meu cabelo. Acho que só passados muitos anos é que percebi essa expressão, mas pronto, eles eram felizes assim, a chamar-me destas coisas. Fui ter com eles e fazer queixinhas. Tipo apresentação de queixa de tentativa de agressão numa esquadra da GNR, mas com a diferença que ali se obtinham efeitos práticos. Tal como eu entrei de um salto por cima do muro para dentro da escola, assim saiu um bando de matulões em direcção à encosta baldia. Não assisti a nada, mas desde aí nunca mais voltei a ter problemas com arames e tal. Só com ciganos atrás da minha bicicleta, mas isso é outra estória, noutro local. Uns gajos muito fixes, esses amigos da Meia Via. É curioso regressar a um local passados tantos anos. Especialmente pela nova perspectiva arquitectónica da coisa, pairando os olhos ao dobro da altura de antigamente. Um recreio gigantesco, agora tão mediano. Foi nesse recreio que andei “à porrada” a primeira e única vez da minha vida. Por acaso, mas só por mero acaso, foi por instigação dos meus amigos fixes da Meia Via, curiosos por verem como é que um puto pãozinho de leite com seis anos se safava embrulhado à pancada com um gandulo de dez anos, da aldeia. Lindo serviço! Mas safou-se bem, graças à boa alimentação caseira e à azelhice bilateral. Uma daquelas cenas de pancadaria muito violentas, em que os dois contendores se abraçam, espumam, gemem, rebolam, urram, fingem que matam o outro, mas não acertam uma. No fim, sobram umas caras muito vermelhas, um nariz alheio amassado com a pressão dos abraços, talvez um bocado de ranho a escolher pelas beiças, as gadelhas todas alvoraçadas, as fraldas de fora e a cabeça a andar à roda. Altamente! Teoricamente, como o outro é que teve o azar de ficar com o nariz amassado, sobrou-lhe a derrota. Eu cá não dei por nada, de tão desorientado que estava. Os meus amigos é que estavam todos contentes, que paródia! E o dia estava a correr muito bem, até chegar a minha mãezinha e prometer ajustar contas comigo em casa. Pior, foi chegar a casa e ela ajustar mesmo contas comigo! Foram tantas neste coiro que jurei para nunca mais na vida alinhar numa daquelas. Mas pronto, foi pelos amigos da Meia Via. Uns gajos fixes. pickwick
tags no estendal: , , ,
publicado por riverfl0w às 22:03
link | tocar à trombeta | favorito
3 comentários:
De uschita a 19 de Maio de 2006 às 19:05
andar à porrada é fish! entao porrada de gajas! já entrei também numa dessas uhuhuh
De bluestocking a 17 de Maio de 2006 às 00:22
And would it make any difference?
De riverfl0w a 16 de Maio de 2006 às 11:32
pickwickzito... nunca te disseram que é feio bater nos outros meninos?

tocar à trombeta