Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quinta-feira, 13 de Julho de 2006
Príncipes e Princesas com castelos de algodão

(Uma leitora deste blog, nome de código “Chi”, caiu no ingénuo erro de me pedir para escrever uma história de príncipes e princesas com castelos de algodão doce, para o blog dela. Não fazendo um caderno de encargos, um pedido destes encerra perigo eminente. O resultado não ficou bonito, mas poderá servir de aviso à navegação alheia.)
Era uma vez um Príncipe chamado Liló, que vivia num país encantado e cheio de flores com padrões axadrezados. Liló ia a passar no prado verde, montado no seu belo cavalo lilás e zarolho, quando avistou ao longe um castelo de algodão em tons de cinza. Impressionado com as vistas, Liló apressou o corcel pela relva até estacar às portas do castelo, feitas de enormes placas de chocolate para culinária. Um véu esbranquiçado esvoaçava pela janela da torre mais alta do castelo, chamando-lhe a atenção. O relinchar do cavalo zarolho trouxe ao parapeito a dona do véu. Era, nem mais, nem menos, que a Princesa Salsinha, famosa galdéria das cortes que tinha sido atirada pelo seu pai para um quarto no cimo da torre, afastada das tentações da carne. Foi, decididamente, amor à primeira vista! Um novo relinchar do corcel inquieto com tamanha seca e farto de ouvir como música de fundo mais um tema de Emanuel, trouxe Liló à realidade. Ganhando coragem, dirigiu-se à Princesa Salsinha:
Liló – Ó de cima! Ó do véu!...
Salsinha – Que quereis, nobre e viril cavaleiro?
Liló – Cavaleiro? Então? Brincamos? Eu sou um Príncipe!
Salsinha – Ah! Ok! Desculpe lá o mau jeito. Então que me quereis?
Liló – Tão sozinha aí no cimo… precisais de ajuda?
Salsinha – Bem, se me resgatásseis desta maldita torre, eu poderia confortar-vos durante uma semana ali na cabana abandonada à beira do regato.
Liló – E não podeis descer sozinha daí?
Salsinha – Não. O meu pai trancou-me aqui dentro. Sacana…
Liló – Que pena… Então, que tenho de fazer?
Salsinha – O castelo é feito de algodão. As portas são feitas de chocolate. Só tendes de seguir em frente, comendo tudo o que lhe apareça pela frente. E, para que ficais mais desperto para o que vos espera, anuncio-vos que toda a minha roupa é feita de algodão doce…
Liló – Xi… Algodão doce…
O Príncipe lambeu-se avidamente, os olhos reviraram-se e um fio de baba escorreu para cima do dorso do cavalo, que, temendo algo pior, relinchou mais uma vez, acordando Liló para a realidade.
Liló – Pronto! Não precisais de dizer mais nada! Vou a caminho, minha princesa!
Salsinha – Vinde, vinde, que vos espera a concretização de todos os vossos mais íntimos sonhos…
O Príncipe avançou e devorou as portas do castelo. Um bocado enjoativo, o chocolate para culinária, mas o amor tudo compensa. Entrando no pátio interior, aproximou-se da torre e começou a comê-la. O desespero era tanto, que Liló não se apercebeu logo que o algodão da torre não era algodão doce, mas sim algodão simples, o que, ao fim de uns 7 metros de torre, começou a tornar-se muito intragável. Ainda assim, porque o seu prémio aguardava, continuou. A torre, sendo comida a partir de baixo, metro após metro, trazia o quarto cimeiro para mais perto de Liló, que devorava os nacos de algodão com um ar já agoniado.
Salsinha – Estais quase, meu príncipe – gritava ela, já cheia de calores.
Por fim, o quarto ficou ao nível do chão e Liló viu-se perante uma porta de chocolate com avelãs. Pedaços de algodão pendiam-lhe das mandíbulas, presos nos dentes. Inspirou profundamente, arrotou com vigor e, suspirando, atirou-se à porta, comendo-a em cerca de 27 segundos.
Salsinha – Meu príncipe! – exclamou, ardente e a arfar.
Liló acabou de mastigar o último pedaço de chocolate e olhou a Princesa Salsinha, mesmo ali, à sua frente, arfando, o peito a subir e a descer por baixo de um corpete de algodão doce azul, uma cuecas e ligas de algodão doce laranja e a tatuagem de um banco de jardim do lado esquerdo do umbigo. Toda a indumentária sensual e provocante estava a derreter-se por cima daquele corpo quente de desejo. O algodão açucarado misturava-se com o suor da pele, as cores desmaiavam e Salsinha parecia coberta, afinal, por uma “nhanha” empastelada que, depois de largos quilos de algodão, não parecia nada apetecível ao Príncipe Liló.
Liló – Errr… Oh menina, que nojo que para aí vai…
Um pequeno arroto brotou-lhe por entre os dentes castanhos do último pedaço de chocolate.
Salsinha – Meu príncipe, temos que ser rápidos. Quanto a minha lingerie derreter toda, o efeito do feitiço passará.
Liló – Feitiço? Qual feitiço?
Liló olhou Salsinha com mais atenção, começando a aperceber-se de uma camada peluda que despertava para o ambiente pesado do quarto.
Liló – Oh menina, que pêlos são esses? Que nojo!
Salsinha – Na verdade, eu sou uma Knorr. Uma bruxa feiosa, que trabalha no atendimento telefónico do INEM, transformou-me numa princesa coberta de algodão doce, para se vingar dos homens esbeltos que a desdenharam durante toda a vida.
(Nota do autor: os Knorr são uma espécie rara de animais míticos, adaptados fisiologicamente de uma obra de Woody Allen; os Knorr têm cerca de 2,4 metros de altura em adultos, a cabeça é um gomo de laranja algarvia, o tronco é de um chimpanzé e os membros são de chimpanzé, mas de chimpanzés diferentes.)
Liló parou uns instantes para pensar. Aquele não era o seu ministério, definitivamente.
Salsinha – Que ar desolado é esse?
Liló – Olhe, menina, eu vou-me embora, está bem? Fique-se lá com a cabana e os algodões e tudo o resto, que eu vou mudar de ares e beber uma água com gás para desenjoar disto tudo. Passe bem!
Salsinha – Oh… - exclamou, desfazendo-se em lágrimas citrinas que lhe pingavam para os pêlos asquerosos misturados com algodão doce derretido.
Liló montou o fiel corcel, entretanto também já enjoado com tanta nojeira, fazendo-se ao prado e aos montes que tocavam o horizonte. Desapareceu para nunca mais voltar.
Moral da história: antes de qualquer casamento, convém sempre haver dificuldades que testem a relação e mostrem aqueles pêlos todos escondidos debaixo da capa do desconhecimento mútuo. pickwick

tags no estendal: , , ,
publicado por riverfl0w às 00:06
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres