Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quarta-feira, 19 de Julho de 2006
Reflexões sobre a homossexualidade
Vínhamos nós, serra abaixo, as botas de penedo em penedo pelo carreiro que levava a Loriga, debaixo do intenso braseiro de um sol de Julho. Os temas de conversar multiplicavam-se, o que é natural quando se juntam vários licenciados, mestres e doutorados, todos a cheirarem a catinga nos sovacos muito suados. Um dos temas foi, imagine-se, a homossexualidade. O debate começou com a análise do relacionamento entre seres humanos, com base na experiência de vida de cada um. Os homens dão-se bem com os homens, as mulheres dão-se mal com os homens e as mulheres dão-se mal com as mulheres. Seja aos pares, aos trios ou em grupos maiores, como é o caso de uma cidade universitária onde abundam apartamentos partilhados por vários estudantes. Nos apartamentos só com homens, e tirando crises geradas por partilha de namoradas e fãs, o ambiente saudável perdura pelos anos fora, inabalável, aprofundando-se amizades, partilhando-se sonhos e aventuras. É bonito de se ver e viver. Em apartamentos só com mulheres, bem, há sempre desavenças, crises emocionais, crises de ciúmes, batalhas verbais, zangas de alguidar, umas que abalam e mudam de apartamento, grupos que se desfazem, amizades feitas e desfeitas, enfim, uma roda viva que faz as delícias dos homens que assistam a tudo. Em apartamentos mistos, porque também os há, o ambiente nunca é cem por cento saudável, mas, caso haja homens habituados a fazer estalar o chicote, ou habituados a deitar desprezo pelas narinas, há esperança de não haver uma degradação da qualidade de vida que comprometa a continuação. Ainda assim, é perigoso, entenda-se. Daí que, segundo a teoria do PM (nome de código de um doutorado em engenharia, como se depreende pelas letras), a relação de amor ideal é mesmo entre homens. Tipo homossexualidade. Só que, segundo o autor da teoria, há um problema grave de “hardware” neste tipo de relacionamento. O “hardware”, como todos sabem, é a parte física do ser humano. O “software” será a parte psicológica, que, no caso das relações homossexuais, desliza que nem vaselina. O problema de “hardware” resume-se, nas palavras do homem que trouxe à luz do dia esta teoria, a um problema de dar o rabinho. Compreensível, portanto. Outros membros masculinos do grupo acrescentaram mais alguns problemas de “hardware”, para dotar a teoria de bases mais sólidas, tais como a questão as pernas peludas dos homens, que não ficam bem quando há mais que duas juntas, a parte dos pêlos ao fundo das costas a fugirem para o rego das entre-nádegas, e outras coisas que tais. O único membro feminino do grupo confirmou a teoria, reconhecendo que, de facto, os relacionamentos homem-mulher e mulher-mulher estão, à partida e desde sempre, condenados ao fracasso. Nisto, o JN (nome de código para um mestre em gestão, confundindo-se com um célebre jornal) fez a revelação do ano: a teoria da “carreirinha na onda”! Eu confesso que fiquei atónito com esta teoria, dada a mestria com que foi descrita e a sua evidente aplicação prática. Ora, esta teoria é muito simples e passo a descrever. Os rapazes ou homens, quando vão à praia, gostam sempre de apanhar umas belas ondas e, mesmo sem prancha, tentarem fazer de pranchas-humanas, sendo propulsionados a uma velocidade vertiginosa pelas vagas de água salgada, até ao limite, sendo que, numa fase final do percurso, se vêem envolvidos em água turva, espuma e muita areia, raspando os peitos viris no fundo do mar cheio de conchinhas, pedrinhas e areia grossa. Depois de umas horas destas habilidades, voltam às suas casas, parques de campismo, apartamentos de férias, etc., onde vão para debaixo do chuveiro lavar o sal da água do mar. Entretanto, e por via do tal percurso final da carreirinha da onda, no qual entraram quilos e quilos de areia para dentro dos calções, são obrigados a retirar aquela areia malandreca que se infiltrou mesmo nas profundidades do rabinho, onde a água do chuveiro não chega. Inocentemente, sem saberem do perigo que correm, usam o belo do dedinho (indicador ou médio) para, num gesto harmonioso e carinhoso, retirarem aquela areia incomodativa. À primeira passagem do dedinho, e enquanto ainda soa no ar um “uiii… que é bom…” de satisfação, já é tarde para voltar atrás. Descobriram o prazer da homossexualidade! Era caso para os chuveiros serem vendidos com uma placa de aviso: “atenção, limpar a areia do rabinho usando o dedinho, pode provocar homossexualidade”. pickwick
publicado por riverfl0w às 14:34
link | tocar à trombeta | favorito
7 comentários:
De Paulo Sempre a 22 de Julho de 2006 às 17:01
As areias «finas» da praia, pelos vistos, podem determinar uma orientação sexual censura. Pois...de pedrinha em pedrinha lá fica a «galinha» com o papinho cheio. Vivi muma residencial de estudantes onde alguns assumiram a sua homossexualidade coisa que sempre respeitei. Outros, porém, viviam a sua homossexualidade de forma não assumida algo que muito me chocou enquanto heterossexual...aquela frustração constante.
Curti o blog.

Obrigado

Paulo
De Sandra a 20 de Julho de 2006 às 16:48
vivemos cá todas, todos os dias da semana. e em paz.
De pickwick a 20 de Julho de 2006 às 12:50
Oh Sandra, deixa-me adivinhar, nesse apartamento só de mulheres, não viviam todas ao mesmo tempo, pois não?... Entretanto, e para não vos desfraudar, está já em marcha um estudo sério sobre a homossexualidade feminina. A publicar em breve, quando o estudo estiver concluido.
De Sandra a 19 de Julho de 2006 às 20:28
No meu apartamento «só de mulheres nunca houve desavenças, crises emocionais, crises de ciúmes, batalhas verbais, zangas de alguidar, umas que abalam e mudam de apartamento, grupos que se desfazem, amizades feitas e desfeitas(...)»... mas tal como a ouvinte nº57, gostava de saber qual é a vossa teoria para explicar a homossexualidade feminina...
De Ouvinte N 57 a 19 de Julho de 2006 às 19:42
Quero felicitar os envolvidos neste enredo por tão interessante debate que me proporcionou uma visão completamente diferente sobre a homosexualidade. Já tinha ouvido falar de doença, contágio, deformação, mas esta é demais!!Uma questão apenas... se o chuveirinho pode provocar homosexualidade masculina, expliquem-me lá os senhores pós-graduados, mestrados e afins o que causa a homosexualidade feminina?
De JN a 19 de Julho de 2006 às 15:52
Eu estava lá, eu assisti a tudo, eu sou cumplice... Ninguém melhor que tu Pickwick para traduzires à letra tamanho debate. Só um aparte, pós-graduado em gestão, a caminho do mestrado, que tanto trabalho está a dar... Mais oportunidades não irão faltar para debater outras teorias.Aquele abraço.
De Anónima a 13 de Setembro de 2007 às 22:59
Isso de que as mulheres não se dão nada bem é mentira. Há casos e casos. A maioria das mulheres sofre muito com toda a publicidade e toda a ditadura da beleza que nos chega a partir da televisão, da publicidade, da internet, dos anúncios nas ruas, da moda... etc, etc, etc... é perfeitamente normal que se irritem umas com as outras, porque estão sempre (infelizmente, e por culpa da maioria dos homens!) com medo que os seus parceiros as troquem por outras. Está sempre a acontecer! Em todo o lado se incentiva os homens a andar com mil e uma mulheres! Acham que isto, às costas de uma mulher não pesa? E ainda se queixam que as mulheres andem à bulha umas com as outras, quando ainda por cima têm de ser perfeitas a tratar da casa, a passar a roupa, a fazer a comidinha para os "seus" maridos. Acho que deveria haver mais comunicação entre as pessoas, de todos os sexos, por forma a se compreender, a pouco e pouco, o porquê das bulhas. Ah, quanto às sensações do "rabinho"... vou explicar uma coisa que li num livro sobre sexologia: o ânus tem muita sensibilidade, e é normalíssimo que cause sensações de grande prazer. Acho que é estúpido achar que um homem é homosexual só por sentir prazer nesse local; a homosexualidade não é só sexo, mas sim todo um leque de emoções e sentimentos como a paixão, a atracção sexual por parceiros do mesmo sexo, o amor, a compreensão, etc.

tocar à trombeta