Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Segunda-feira, 7 de Maio de 2012
A boa vida das mulheres

Ainda estou para aqui meio abananado com uma conversinha tida há poucos dias com uma conhecida, brasileira, rapariga para os seus trinta anos e mãe de filhos. Por acaso, e só mesmo por acaso, é muito jeitosa, mas isso agora nem interessa.

Não me recordo como é que a conversa chegou ao rumo que chegou, porque eu ia jurar que eram apenas dois dedos de conversa sobre banalidades, mas, subitamente, estávamos a falar de casamentos e namoricos e dinheiro.

 

Segundo ela, a função da mulher é gozar a boa vida que o marido ou o namorado se encarregaria de proporcionar. Mesmo nos casos em que a mulher trabalhe, compete ao marido ou namorado dar-lhe uma espécie de mesada, para que possa gozar a boa vida a que tem direito. Isto é, sapatos, roupas, joias, passeios, etc. Ainda lhe perguntei se isso não pareceria “pagamento de serviços”, mas ela não fez caso. Ao invés, marcou bem a sua posição: o dinheiro que ela ganhasse a trabalhar, serviria apenas para ela se divertir. As despesas com o dia-a-dia seriam por conta dos rendimentos do homem, o qual ainda teria que presenteá-la com a tal mesada.

 

Eu disse-lhe que, ah e tal, não costuma ser bem assim… o casal divide as despesas, os rendimentos, os bons momentos e os maus momentos, as aflições e os alívios, as tarefas domésticas e os jantares à luz das velas. E, certamente, o namorado não tem nada que dar regularmente dinheiro à namorada, só para que esta goze uma vidinha boa, qual princesa rameira.

 

 Partilhei com ela a minha sentida preocupação de que, numa situação assim, como descrito por ela, o homem resuma a sua vida a um estado permanente de escravidão, tudo fazendo e de tudo abdicando, só para alimentar o desejo voraz de uma vida boa, sempre às compras, sempre a divertir-se. Chutou para canto, claro.

 

Por fim, como que a encerrar a brilhante actuação de uma orquestra, deixou-me este comentário delicioso: ah… assim já sei porque você continua vivendo sozinho… não entende as mulheres mesmo… (com esta é que fiquei sem capacidade de mais argumentar, confesso)

 

Concluindo, é por estas e por outras, realmente, que continuo a viver sozinho, na paz e no sossego de uma muito saudável solidão. pickwick

tags no estendal: , ,
publicado por pickwick às 23:00
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres