Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Quinta-feira, 27 de Julho de 2006
Crónicas de um príncipe desencantado –- Parte 2

(mais uma esforçada tentativa... Lúcia, o que eu não faço por ti?...)

A Primavera já ia no fim. Jean-Pierre, montado no seu fiel corcel de nome Asdrúbal, não mostrava sinais de cansaço, apesar de já terem passado muitas semanas e muitas léguas sobre o dia da sua partida. Ainda assim, o destino parecia fugir-lhe. Certo dia, ao parar debaixo de um chaparro no cimo de um monte, procurando apaziguar o intenso calor que o sol abrasador trazia aos mortais, viu ao longe um pássaro. Batia as asas, com a delicadeza de uma cegonha, subindo e descendo em altitude, como quem brinca com o céu. Jean-Pierre gostava de pássaros, especialmente de cegonhas e borboletas. Eram bonitos e artísticos. Com o braço, limpou parte do suor que lhe escorria da testa, impedindo-o de alcançar, com a vista, toda a beleza natural até ao limite do horizonte. O calor era mesmo muito. Enquanto se perdia em pensamentos, sonhos e apreciações, não tomou consciência de que, o pássaro que ao longe batia as asas, estava agora bem mais próximo. E bem maior. E com umas asas estranhas. Jean-Pierre deslocou-se para que as folhas do chaparro lhe proporcionassem uma visão mais fidedigna da ave que, aparentemente, se aproximava, lentamente. Algo não batia certo, entre o tamanho do pássaro e o tamanho das árvores. Aquele pássaro, parecia muito maior do que qualquer pássaro, quase do tamanho das próprias árvores! Monstruosamente grande, portanto. Quando se encontrava a cerca de 178 metros de distância de Jean-Pierre, o misterioso pássaro estacou nos ares, com um movimento brusco mas elegante, rugiu, vomitou uma língua de fogo, e precipitou-se para o vale ali mesmo em frente, penetrando numa clareira escondida por árvores enormes. Agora, sim. Jean-Pierre tinha a certeza de que pássaro era aquele: era um temível pintassilgo-dragão-mutante. Este perigosa espécie tinha sido enjeitada duma ménage-à-trois entre um pintassilgo, um dragão e uma lata de desperdício tóxico. Uma coisa nada bonita de se ver, tida pelos caçadores como muito difícil de abater. Em décimas de segundos, o rugido do pintassilgo-dragão-mutante foi secundado pelos gritos histéricos de seres humanos, especialmente os guinchos inconfundíveis e irritantes de mulheres. Sempre as mulheres, aos guinchos! Uma aldeia estava em perigo e só ele a poderia salvar. O sentido de dever não deixou Jean-Pierre parado nem mais um instante. Numa questão de segundos, Asdrúbal tinha-o levado floresta dentro, partindo ramos e esmagando flores, como uma turba imparável de salvação dos pobres e oprimidos, numa velocidade vertiginosa. Ao longe, o pêlo acinzentado do cavalo parecia uma bala lançada por um canhão, rasgando o ar por entre troncos e arbustos. Jean-Pierre aproveitava a viagem para tirar um resto de ervilha dos dentes da frente. Não ia querer aparecer na aldeia com um dente verde, pois não? Enfim, cavalo e cavaleiro chegaram à clareira, onde se erguiam as modestas cabanas de uma aldeia. À entrada, uma placa indicava o nome da povoação: Afinfadura-de-Baixo. Bonito nome, pensou Jean-Pierre, observando o panorama. O poderoso e enorme pintassilgo-dragão-mutante tinha lançado a confusão geral. Telhados ardiam, mulheres fugiam para todos os lados, homens enfraquecidos pela miséria procuravam, em vão, alvejar o pássaro com pedras, enxadas e baldes. O calor insuportável ajudava à festa. O bicho chafurdava por entre as cabanas, pegando fogo a umas, arrancando o telhado a outras, sacudindo um ou outro corpo que se atravessasse no caminho. Nisto, um homem aproximou-se de Jean-Pierre, com passo apressado, um saco de linho a tiracolo, lábios cerrados pela raiva e um bocadinho de espuma a saltar fora.
- Então, amigo? Como é? – perguntou Jean-Pierre, na sua inocência.
- Não é! Esqueceram-se de lhe levar o alpista, esta semana, e agora o estúpido do pássaro vem para aqui, outra vez, à procura de alguma coisa para comer! É sempre a mesma coisa!
O homem seguiu caminho, no mesmo passo apressado. Jean-Pierre voltou a olhar para a aldeia, tentando engendrar uma solução. Como não trazia alpista, a coisa teria que se resolver mesmo à pancada. Jean-Pierre não apreciava violência, especialmente contra os animais, de quem tanto gostava, por serem também filhos de Deus e mais não sei o quê. Mas ali impunha-se actuar. No momento em que impelia Asdrúbal para a frente, o pintassilgo-dragão-mutante levantou voo, dando às asas com vigor. Do bico pendiam restos de roupas de mulher. Em doze batidas de asas, o pássaro desapareceu por cima das copas das árvores. Um burburinho de vozes começou a crescer de tom, no centro da aldeia. Jean-Pierre aproximou-se, para tentar perceber. Alguém elevou a voz mais alto e anunciou, dramaticamente: o pássaro raptou Corniceia, a filha do chefe da aldeia! Upa, pensou Jean-Pierre, isto está correr bem... o chefe tem uma filha?... Os seus pensamentos voaram, por instantes, para uma aldeia distante, num sonho, cercada por árvores, onde vivia a filha do chefe da aldeia, linda de morrer, virgem até aos tornozelos (a contar de cima), loiríssima como o ouro, com uns olhos azuis como o céu, infinitamente prendada e capaz, senhora de uma cultura fabulosa, meiga, doce, dotada de um corpo escultural por debaixo daquelas vestimentas foleiras de antanho. O seu amor, por certo. Entretanto, ia Jean-Pierre começar a imaginar a filha do chefe a preparar-se para tomar banho toda nua no ribeiro, os aldeões toparam-no, no seu corcel, com as suas vestes e as suas armas. Não deixava dúvidas de que era um cavaleiro, certamente, e dos bons, que salvam princesas e batem com a espada nos maus. Um dos aldeões, mais bem vestido e mais bem alimentado que os restantes, dirigiu-se a Jean-Pierre, com o sobrolho carregado por algum fardo terrível.
- És tu, nobre cavaleiro, quem vai salvar a minha filha, a doce Corniceia?
- Olhe, para si, é príncipe Jean-Pierre, está bem? Vamos lá ver esse respeitinho!
- Peço desculpa, ó glorioso príncipe. Por momentos, pensei que haveria quem salvasse a minha linda Corniceia das garras daquele palhaço mutante sem penas...
- Bem, lá por ser príncipe, não quer dizer que não seja capaz de dar dois safanões num pássaro grandalhão e atrofiado das ideias!
- E ides salvá-la?
- Hum… bem… estava capaz disso…
- Se a vossa coragem for tão grande como a vossa generosidade, e a ferocidade tão grande como a coragem, estou certo que levareis a bom porto a empreitada de salvar a minha querida Corniceia.
- Ah, bom… - Jean-Pierre lambia as beiças com tanto piropo.
- A vossa recompensa será a sua mão, com a minha bênção. O casamento será três noites depois do seu regresso.
- Combinado, ó chefe da aldeia.
Uma aclamação histérica dos aldeões, acabou com o ambiente suave e pacato da cena, voando pelos ares ancinhos, peles de coelho curtidas, leitões e ceroulas de linho. Os aldeões festejavam o futuro que ainda não tinha chegado: não só a filha do chefe seria salva, como casaria com um príncipe!
- Adeus, ó gentes! – gritou Jean-Pierre, empinando o corcel num gesto de vitória.
Cavalo e cavaleiro lançaram-se no rasto do pintassilgo-dragão-mutante que fugira com Corniceia, a lindíssima filha do chefe da aldeia de Afinfadura-de-Baixo. Destemido, corajoso, forte, viril, seria Jean-Pierre capaz de fazer frente ao pássaro e resgatar a futura princesa?

(Marta, consegui escrever uma aventura inteira sem que aparecessem mulheres ou homens com pêlos, viste? Os únicos pêlos eram os do cavalo. Ah... o que eu não faço pelas leitoras...) pickwick

publicado por riverfl0w às 23:42
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres