Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Sábado, 29 de Julho de 2006
Crónicas de um príncipe desencantado –- Parte 4

(há gajos que deviam ser proibidos de escrever em público...)

A Primavera recomeçava. O longo e penoso Inverno tinha sido passado ali, naquela caverna, num aturado processo de recuperação da vista de Jean-Pierre. Corniceia, infatigável, tinha minguado o sofrimento do seu salvador, não se poupando a esforços e sacrifícios para o manter bem tratado, alimentado, quente e em grande paz. Os dias foram ocupados com as tarefas necessárias ao bem estar de ambos. Colher lenha e frutos silvestres na floresta, pescar solhas e sardinhas no lago, caçar búfalos e duendes na mata, bordar uns lençóis, lavar a roupa, alugar uns DVD’s, cortar lascas da carne de pintassilgo-dragão-mutante guardada em salmoura, enfim. Entre ambos cresceu uma amizade tão grande que o mundo inteiro é pequeno demais para ela lá caber. E, como entre a amizade e o amor, a linha divisória é, por vezes, muito ténue, pode dizer-se que uma paixão mal abafada crescera entre aquele homem e aquela mulher, unidos naquela espera infindável pela recuperação da vista de Jean-Pierre. A ternura passou a fazer parte do dia-a-dia, os carinhos inocentes invadiram o trato, a companhia mútua insubstituível. Jean-Pierre, incapaz de a apalpar, apesar da vontade incontrolável e dado ser uma atitude muito ordinária, precisava de usar outros sentidos do seu corpo para se ligar a Corniceia, pelo que memorizou a mais fina fragrância do seu odor perfumado, detectando a sua presença antes mesmo de lhe ouvir os passos ou a respiração. As dificuldades da situação tinham-nos aproximado tanto, que nada parecia poder separá-los. O amor, pensava Jean-Pierre, era lindo! Com a Primavera e sem os rigores do Inverno, a recuperação parecia tomar um rumo mais célere. A temperatura convidava a menos roupa, a mais liberdade e Jean-Pierre sonhava já com um banho a dois no lago em frente da caverna. Corniceia, ansiava com as mãos firmes e poderosas do seu secreto amado, besuntando-lhe o corpo feminino com mel tirado por ela própria de uma colmeia selvagem. Este pensamento altamente positivo teve o condão de acelerar a regeneração dos tecidos ósseos na vista do príncipe, pelo que, no início de Maio, acordaram retirar a venda feita de ceroulas rasgadas que protegia os olhos de Jean-Pierre. O momento tão esperado. Corniceia, com muito carinho e redobrados cuidados, retirou, volta após volta, todo o comprimento da venda dos olhos de Jean-Pierre. A escuridão da caverna ajudava a que o choque com a luz não estragasse tudo. Aos poucos, minuto a minuto, Jean-Pierre foi captando imagens à sua volta, embora tudo um bocado desfocado. Sombras, muitas sombras. E uma bola branca, de onde vinha a melodiosa voz da sua paixão. Os minutos deram lugar a horas e, ao princípio do anoitecer, quando a luz era mais fraca, Jean-Pierre saiu para fora da caverna, amparado pelo meigo braço de Corniceia. Ao longe, o sol caía no horizonte, deixando um lindo manto cor-de-laranja sobre as águas do lago. Muito romântico. Melhor não poderia ser, para aquele momento tão importante. As sombras e os focos de luz transformaram-se em vultos e silhuetas, tomando cada vez mais formas conhecidas e quase esquecidas na mente de Jean-Pierre. Os reflexos no lago à sua frente, as árvores abanadas pelo vento suave, as flores agitadas, passarinhos a chilrear, um elefante a saltitar suavemente de nenúfar em nenúfar, o sol a pôr-se ao longe, as cores da floresta, a cor do sol, a cor da água, o granito, as folhas. Era tão bom poder ver, novamente. Piscou os olhos vezes sem conta, para se certificar que a visão não desaparecia, que estava mesmo curado. Foi arrancado à divagação por um leve aperto no braço, o mesmo que Corniceia ainda amparava, com ternura. Acordou para a realidade! Ali, ao lado dela, estava a mulher pela qual saiu do seu castelo numa demanda de amor. Sorriu. Inspirou, pela milésima vez o perfume do seu agradável odor, fechou os olhos, voltou-se para ela e abriu-os.
- Arrrgggggggg!!!!!!!!!

Jean-Pierre estava para morrer! Mas que monstruosidade era aquela ali mesmo ao lado dele?
- Ai que nojo! Quem és tu? Onde está a Corniceia? Que lhe fizeste, sua vaca?!
- Mas… mas… eu sou a Corniceia!
- Aiiii… vira-te para lá, carago, que és tão feia e tão mal feita que perco já o apetite para o jantar! Arre!!! Só me faltava mais isto!
Corniceia caiu no chão de relva, num pranto sem fim, deitando baba e ranho por tudo quanto era orifício facial. Os passarinhos fugiram! Jean-Pierre quase não conseguia olhar de novo. Ter-se-ia enganado? Seria uma partida do sentido da visão que o abandonou durante tantos meses? Olhou de soslaio para a choradeira ali no chão. Não. Não se tinha enganado. Ali estavam 250 quilos de banha às pregas, encimadas por uma bola com dois olhitos, um corno a brotar da testa e uma dentadura horrível com algumas falhas. Um dos braços era revestido por uma pele semelhante a escamas de crocodilo, rugosa, nojenta. Sentiu o estômago a embrulhar-se, procurou conter um vómito involuntário, mas ainda escapou um restinho da carne do caldinho de lagarto do almoço.
- Que nojo!... Que nojo!... Que nojo!... – dizia em voz alta, sem parar, enquanto andava de um lado para o outro, inconsolável, quase que enraivecido.
Jean-Pierre estava a ver a sua vida, subitamente, andar para trás. Tanta expectativas e, afinal, calhou-lhe uma baleia deformada, na rifa. Era preciso ter azar. Muito azar! Mas, Jean-Pierre era um jovem bem formado e não deixaria que um azar daqueles lhe estragasse a demanda a que se propôs. Firme e decidido, colheu os seus haveres, as suas armas, as suas roupas, assobiou, montou o fiel Asdrúbal e deixou para trás todas aquelas tristezas e revezes, partindo ao encontro do pôr-do-sol. Nunca mais haveria de ser visto por aquelas paragens, nem nas mais próximas, e muito menos na aldeia onde tinha começado todo aquele disparate. A esperança é a última a morrer, antes da barata, e Jean-Pierre sabia bem disso. Nada estava perdido, para além de uns quantos meses da sua vida. Mais aldeias viriam, vilas e cidades, mulheres bonitas e cultas, raparigas simpáticas e doces. O mundo esperava-o e ele não queria que esperassem muito por ele. pickwick

publicado por riverfl0w às 01:59
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres