Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
procurar na gaveta
 
roupa no estendal

A flash of lightning…

Second chance date

Um cheirinho à noite

Uma questão de espírito.....

Novas teorias dos incêndi...

No espírito da gazela

Combinação imperfeita

A mulher da minha vida

Os pernis desequilibrista...

A fuga

O estado da barriguinha

Banho de leggings

Deslumbramentos

A mulher de laranja

Mistérios do Corpo Femini...

roupa famosa

Teoria do Caos

O spiderman fez-me chorar...

Contadores de Anedotas

Quiche Lorraine

É na boa

Dez coisas que hoje me irritaram...

A Síndrome de Arlete

Generation Buraca

Feel like doin' it?

roupa na gaveta

Março 2014

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Agosto 2010

Julho 2010

Maio 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004


escreve-nos! já!

arautosdoestendal@gmail

3 dabliús
tags no estendal

todas as tags

Segunda-feira, 11 de Agosto de 2008
A problemática dos macacos

Minho, 16h00. Depois de quatrocentas fotos tiradas, desde as 10h00, chegara a vez das últimas. É o que dá um gajo andar a fingir que é repórter fotográfico para uma revista, com um cartão de identificação a dizer “Press”, barba por fazer, cheiro a cavalo cansado, enfim, o aparato todo.

 
Às mijinhas, chegavam à minúscula praia fluvial duas centenas de crianças do 1º ciclo, darem um mergulho na pouca água do rio, pouco mais que ao nível do tornozelo. Quando há uma concentração de crianças, a probabilidade de apanhar expressões engraçadas e tirar fotos de mestre aumenta abruptamente. Claro que, para tirar fotos de mestre, é preciso ser-se mestre, mas isso agora não interessa. Aliás, acho que só interessava ao gajo que foi transportado juntamente comigo, para missão idêntica, com uma bolsa enorme a tiracolo, uma máquina profissionalíssima nas mãos e outra igual suspensa no ombro, ambas com canhões tipo macho-africano-bem-dotado. Nitidamente, era um profissional, o gajo. Até usava um colete, vejam só! Metia-se com as criancinhas todas, ah e tal, juntem-se lá aqui para tirar uma foto, coiso e tal, enquanto eu era mais do tipo discreto, tipo barata tonta a disparar em todas as direcções sem pedir nada a ninguém.
 
A determinada altura, o gajo aproxima-se de mim, com um sorriso, mostra-me uma das suas fotos de um grupo de crianças a posarem cheias de sorriso, e pergunta-me: quanto é que dá por uma foto destas lá para a sua revista? Senti-me ofendido, calmamente guardei a minha Canon compacta e pequenina e discreta e pobrezinha na respectiva bolsa, olhei-o nos olhos e parti para a loucura. Saquei-lhe a máquina das mãos, espetei-a numa pedra e comecei a gritar, completamente enlouquecido. O gajo foi apanhado de surpresa e não se conseguiu recompor a tempo de escapar à minha fúria, pelo que lhe escavaquei a outra máquina, parti-lhe dois dentes da frente, arranquei-me um tufo de cabelos, rasguei-lhe o colete e fiz-lhe uma luxação no ombro. Entretanto apareceu a GNR e foi o que o salvou, perante o pânico das criancinhas que desataram a chorar assim que o gajo começou a sangrar das beiças.
 
Bom, claro que entre o que um gajo deseja fazer e aquilo que realmente faz, vai um saltinho, por vezes bem longo, mas não custa nada sonhar. Fiz um sorriso aparvalhado, um “hehe” tipo deficiente mental, e ele começou a disfarçar que ah e tal, estava a brincar, que se eu quisesse mandava as fotos a troco de nada, porque estava ali por prazer e mais não sei o quê. Ok, pá.
 
E este post vem a propósito de quê? É que muitas das fotos que tirei às miúdas de 7, 8 e 9 anos, assim mais coisa menos gafanhoto, ficaram completamente estragadas. E porque ficaram completamente estragadas, apesar de já ter rifado o cartão de 4Gb e comprado um de 2Gb que funciona lindamente? Porque muitas das miúdas passavam a vida a escarafunchar as narinas com os dedos e a retirar de lá todos os macacos possíveis e imaginários!
 
É frustrante! Um gajo apanha assim uma carinha larocas a olhar o horizonte, à espera de vez para entrar na água, num belíssimo dia de sol, e quando vai a disparar ela mete o dedo todo dentro do nariz, feita bruta! Não há condições!
 
Como se isso não bastasse, e porque depois acabei por ficar especado a ver se elas tiravam o dedo de dentro do nariz, as miúdas tinham todas o horrível hábito de enfiar o dedo logo de seguida dentro da boca, para lhe tomar o gosto! Como nos filmes de terror! A minha sorte foi ainda não ter almoçado, senão ia ficar mesmo enojado e o resultado podia ser pouco higiénico.
 
Algumas delas, devo dizer, tinham umas carinhas muito giras, promissoras de poderosas beldades daqui a uma década. Ou não. Ou não, porque, sabendo-se deste hábito pouco higiénico, há que compreender que, por mais bonitas que fiquem, por mais podres de boas que fiquem, aqueles corpos vão crescer alimentados a macacos do nariz! Ou seja, debaixo da pele sedosa, haverá quilos de macacos do nariz acumulados nas células, nas articulações, nos músculos, a largar sebo no couro cabeludo, enfim, uma grande nojeira orgânica! pickwick
publicado por pickwick às 00:20
link | tocar à trombeta | favorito